Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Indignação causada por comentário sobre Lockerbie pressiona ministra das Relações Exteriores da Líbia

Najla Mangoush, Ministra das Relações Exteriores da Líbia, na cidade do Kuwait, Kuwait, em 03 de outubro de 2021 [Jaber Abdulkhaleg - Agência Anadolu]
Najla Mangoush, Ministra das Relações Exteriores da Líbia, na cidade do Kuwait, Kuwait, em 03 de outubro de 2021 [Jaber Abdulkhaleg - Agência Anadolu]

A primeira mulher a ser ministra das Relações Exteriores da Líbia, Najla Mangoush, foi suspensa pelo Conselho Presidencial do país. A decisão de 6 de novembro concluiu que a ministra havia “agido unilateralmente e sem consulta” com o Conselho, conforme exigido pelo acordo político de 9 de novembro de 2020 que dividia a autoridade entre o Conselho de Ministros e o Conselho Presidencial. O decreto de suspensão também disse que Mangoush será investigada por dois especialistas que submeterão suas conclusões ao conselho dentro das próximas duas semanas.

Entretanto, o verdadeiro motivo da suspensão e da investigação é um comentário em sua entrevista com a BBC. A ministra disse que seu governo está “aberto” à possibilidade de extraditar um cidadão líbio procurado pelos Estados Unidos em conexão com o bombardeio de Lockerbie em 1988. No 32º aniversário do atentado de 21 de dezembro do ano passado, o então procurador-geral dos Estados Unidos William Barr acusou um ex-oficial de inteligência líbio, Abu Agila Mohammed Masud, de envolvimento na atrocidade. Apesar do que Mangoush disse à BBC, no entanto, é improvável que Masud seja extraditado.

Duzentas e setenta pessoas, a maioria cidadãos norte-americanos, foram mortos naquela fatídica noite, incluindo onze pessoas em terra, quando o voo 103 da Pan Am explodiu sobre a cidade escocesa de Lockerbie. Um oficial de inteligência líbio, Abdel Baset Ali Al-Megrahi, foi condenado pela atrocidade e sentenciado à prisão perpétua em um julgamento de 2001. Ele foi libertado em 2009 por razões de saúde – sofria de câncer de próstata – e morreu em sua casa, em Trípoli, em 2012.

LEIA: ‘Valores compartilhados’ permitem que Israel atue com impunidade

Al-Megrahi afirmou ser inocente até o final e sua família lançou um apelo póstumo para limpar seu nome. O terceiro recurso está agora sendo considerado pela Suprema Corte do Reino Unido em Londres, após ter sido rejeitado pela Corte de Apelação da Escócia, em janeiro.

Seu advogado em Glasgow, Aamer Anwar, ficou indignado com os comentários de Mangoush. Em uma declaração compartilhada com o MEMO ele escreveu: “Vergonha de você [Najla Mangoush] por transmitir ao mundo, as palavras ‘resultados positivos’ estão chegando”. Quando perguntado sobre a possibilidade de extraditar Masud para os EUA, o ministro havia usado essa frase, implicando que o assunto está sendo discutido entre ministros e que já foi tomada a decisão de colaborar com os EUA.

Anwar continuou questionando seus motivos, perguntando: “Que recompensa você espera dos Estados Unidos, um país que bombardeou, humilhou e sancionou seu povo?” Ele acusou o ministro de violar a lei líbia, que proíbe a extradição de cidadãos líbios a serem julgados no exterior.

Memorial Lockerbie, em 17 de dezembro de 2008, em Lockerbie, Escócia [Jeff J Mitchell/Getty Images]

Memorial Lockerbie, em 17 de dezembro de 2008, em Lockerbie, Escócia [Jeff J Mitchell/Getty Images]

Diante de uma onda de indignação pública, o Ministério das Relações Exteriores e Cooperação Internacional negou, em 7 de novembro, o que foi atribuído à ministra na entrevista à BBC. E insistiu que Mangoush “nunca mencionou” Masud. É verdade que ela não se referiu a ele pelo nome, mas o contexto da entrevista se refere claramente a ele. A BBC divulgou um clipe da entrevista no qual Mangoush respondeu a uma pergunta sobre a extradição de Masud para os EUA e ela disse: “Não sei, mas acho que nós, como governo, somos muito abertos em termos de colaboração neste assunto”.

O primeiro-ministro Abdul Hamid Dbeibeh saiu rapidamente em seu apoio, e disse que o Conselho Presidencial não tem autoridade para suspender a ministra das Relações Exteriores. Citando o acordo político que abriu o caminho para que o atual governo e o conselho compartilhassem o poder, Dbeibeh disse que este último “tem um poder limitado” que não inclui a nomeação ou a suspensão de ministros.

Um alto juiz da Suprema Corte Líbia, Ali Al-Zuraiqi, confirmou em uma entrevista televisiva que é “ilegal extraditar um cidadão líbio” para ser julgado em outro país. Ele acrescentou que tal questão é, de qualquer forma, “para o poder judiciário na Líbia decidir”.

Os comentaristas líbios rejeitaram esmagadoramente a declaração de Mangoush, acusando-a de reabrir o caso Lockerbie que, segundo muitos, já foi encerrado há muito tempo. De fato, em 2008 os EUA e a Líbia assinaram o que é conhecido como um Acordo de Solução de Controvérsias que encerrou todas as reivindicações relacionadas, não apenas com o bombardeio Lockerbie, mas também muitas outras que envolvem violência e atos de terror cometidos antes de 2006.

LEIA: Chefe do alto conselho líbio pede boicote eleitoral

O ex-ministro das Relações Exteriores Mohamed Sayala foi questionado sobre os comentários de sua sucessora. “O caso Lockerbie foi completamente encerrado”, apontou ele, “[e] seu renascimento abre as portas do inferno” para a Líbia, particularmente, em termos de compensação financeira para as famílias das vítimas. No acordo de 2008 com os EUA, a Líbia concordou em pagar um total de US$ 2,7 bilhões às famílias das vítimas a fim de “comprar a paz”, como descreveu seu então primeiro-ministro, Shukri Ghanem.

A Líbia nunca aceitou a responsabilidade pela tragédia dos Lockerbie e a “prova crescente” desde o julgamento de 2001 aponta para a inocência de Al-Megrahi. O Dr. Jim Swire, cuja filha foi morta a bordo do voo condenado, está certo de que Al-Megrahi é uma “vítima de um erro judiciário”. Swire é um dos defensores que pressionam para que sua condenação seja anulada.

Ferial El-Ayeb, consultora da equipe de defesa de Al-Megrahi na Escócia, disse ao MEMO que tais comentários da Ministra das Relações Exteriores Mangoush são “ultrajantes e insultuosos para nós na equipe de defesa”. Ela acrescentou que a Líbia está “em uma situação fraca agora” e que o tipo de comentários feitos pela ministra “aumentará a pressão dos EUA sobre o país para entregar Masud”.

Uma fonte do ministério das Relações Exteriores, falando anonimamente, disse ontem ao MEMO que Mangoush estava em seu gabinete apesar da decisão do Conselho Presidencial. A fonte acrescentou que ela deverá participar da conferência de amanhã sobre a Líbia, organizada pelos franceses em Paris.

A única certeza, concluiu a fonte, é que a “reação pública negativa contra [Mangoush] atuará como um ‘impedimento’ para ela e os outros oficiais precisam ser cuidadosos ao discutir questões sensíveis”.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEUAEuropa & RússiaLíbiaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments