Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Bill Gates já deveria saber: Israel destrói o meio ambiente na Palestina

Bill Gates participa da Cúpula Mundial de Líderes "Acelerando a Inovação e a Implantação de Tecnologias Limpas" no terceiro dia da COP26, em 2 de novembro de 2021 em Glasgow, Escócia. [Jeff J Mitchell - Pool/Getty Images]

Aqueles que não estão familiarizados com a forma como Israel, particularmente com sua ocupação militar da Palestina, está prejudicando ativa e irreversivelmente o meio ambiente, podem concluir erroneamente que Tel Aviv está na vanguarda da luta global contra a mudança climática. A realidade é exatamente o oposto.

Em seu discurso na Conferência da ONU sobre Mudança Climática – COP26 – em Glasgow, o primeiro-ministro de direita Naftali Bennett promoveu a marca israelense de “inovação e engenhosidade” para “promover energia limpa e reduzir os gases de efeito estufa”. Israel usa esta marca particular para vender tudo, seja promovendo-se como o salvador da África; ajudando os governos a interceptar refugiados fugindo da violência e da guerra; empurrando armas mortíferas no mercado global; ou, como Bennett fez na Escócia, supostamente salvando o planeta.

Antes de descartar a retórica de Bennett como palavras vazias, devemos lembrar que algumas pessoas realmente compram esta propaganda israelense. Um deles é o bilionário americano Bill Gates.

No dia seguinte ao discurso de Bennett, Gates reuniu-se com o primeiro-ministro israelense à margem da COP26 para discutir o estabelecimento de um “grupo de trabalho” para estudar a cooperação potencial “entre o Estado de Israel e a Fundação Gates na área de inovação da mudança climática”, relatou o Times of Israel. De acordo com o jornal, Gates, que havia afirmado em sua reunião com Bennett que somente a inovação pode resolver o problema da mudança climática, comentou: “É realmente por isso que Israel é conhecido”.

A obsessão do bilionário da Microsoft pela “inovação”, entretanto, pode tê-lo cegado de abordar outras coisas pelas quais Israel também é “conhecido”: ser o principal violador de direitos humanos do mundo, por exemplo, cujo histórico horrível de apartheid racista e violência é conhecido por todos os estados membros das Nações Unidas.

LEIA: Palavras sem ação expõem o papel do Ocidente na expansão dos assentamentos ilegais de Israel

Outra coisa de que Gates pode não estar ciente é da destruição sistemática e intencional do ambiente palestino por parte de Israel, resultante de sua ocupação da Palestina e do apetite insaciável de Tel Aviv por superioridade militar e constante “inovação” em termos de armas e munições. Todo ato que é realizado para consolidar a ocupação militar consolida o controle colonial de Israel e a expansão dos assentamentos ilegais de judeus, todos os quais têm um impacto direto no ambiente palestino.

Não passa um único dia sem que uma árvore ou pomar palestino seja incendiado ou cortado por um israelense. A “limpeza” do ambiente palestino é, e sempre foi, o pré-requisito para a construção ou expansão de assentamentos judaicos. Para que essas colônias sejam construídas, inúmeras árvores precisam ser “removidas”, juntamente com os palestinos que as plantaram, cultivaram e colheram durante séculos.

Ao longo dos anos, milhões de oliveiras e árvores frutíferas palestinas foram desarraigadas na constante demanda de Israel por mais terra. A resultante erosão do solo em muitas partes da Palestina ocupada diz muito sobre este horrendo ecocídio.

Homem segura uma bandeira palestina fora da cúpula da COP26, em 2 de novembro de 2021, em Glasgow, Reino Unido. [Peter Summers/Getty Images]

Mas não termina aí. Para centenas de assentamentos judeus ilegais que abrigam mais de 600 mil colonos, um preço pesado está sendo cobrado diariamente do ambiente palestino. De acordo com a pesquisa completa de Ahmed Abofou, um pesquisador legal independente do grupo de direitos Al-Haq, os assentamentos israelenses ilegais “geram cerca de 145 mil toneladas de lixo doméstico diariamente”. De fato, “somente em 2016, cerca de 83 milhões de metros cúbicos de águas residuais foram bombeados em toda a Cisjordânia”.

Além disso, Israel tem um controle quase total da água palestina. Ele depende dos aquíferos ocupados da Cisjordânia para satisfazer suas necessidades de água, enquanto nega aos palestinos o acesso a seus próprios recursos hídricos naturais.

De acordo com a Anistia Internacional, a média israelense recebe 300 litros de água por dia, enquanto um palestino recebe apenas 73 litros. O problema se acentua quando se leva em conta também o uso de água de colonos judeus ilegais. O colono médio usa até 800 litros por dia, enquanto que comunidades palestinas inteiras podem ser negadas uma gota de água por dias e semanas a fio, muitas vezes como uma forma de punição coletiva.

A questão não se trata apenas de roubo total, negação de acesso ou distribuição desigual dos recursos hídricos. Trata-se também da falta de água potável limpa e segura, uma questão que tem sido destacada por grupos internacionais de direitos humanos por muitos anos.

O resultado destas políticas injustas tem forçado muitos palestinos a “comprar água trazida por caminhões” a preços “que variam de 4 a 10 dólares por metro cúbico”, informou a Anistia. A organização de direitos humanos destacou que, para as comunidades palestinas mais pobres, “as despesas com água podem, às vezes, constituir a metade da renda mensal de uma família”.

LEIA: Israel não pode escapar de seu legado de violência

Por pior que a situação possa parecer, a situação da Faixa de Gaza sitiada é muito pior do que a da Cisjordânia ocupada. O território minúsculo e superlotado é um excelente exemplo de crueldade israelense. São negados os direitos humanos mais básicos a dois milhões de palestinos que vivem em Gaza, sem falar na liberdade de movimento.

Desde que o bloqueio militar israelense em Gaza começou em 2007, o ambiente da região costeira tem se deteriorado constantemente. Com acesso restrito ao fornecimento de eletricidade e usinas de esgoto bombardeadas, os palestinos em Gaza são forçados a despejar esgoto bruto no mar. Além disso, o principal aquífero de Gaza está agora poluído de tal forma que 97% da água disponível não é potável, de acordo com relatórios da ONU.

Esta é apenas a ponta do iceberg. Desde a destruição de poços palestinos até o envenenamento de árvores; e desde a demolição de ecossistemas inteiros para dar espaço ao muro do apartheid de Israel, até o uso de urânio empobrecido em suas várias ofensivas militares contra Gaza, Israel tem estado em uma missão incessante para destruir o meio ambiente palestino em todas as suas manifestações.

Na verdade, Sr. Gates, Israel é “conhecido” exatamente assim por qualquer pessoa que se preocupe em prestar atenção. Permitir que Bennett apresente seu país como um salvador potencial da humanidade, enquanto legítima Israel com investimentos maciços em “inovação”, descaracteriza – de fato, invalida – toda a campanha global para compreender verdadeiramente a natureza do problema climático em questão.

Aqueles que estão prejudicando o planeta não têm o direito de afirmar que o estão salvando. Na situação atual, Israel é o inimigo do meio ambiente que ele devasta voluntariamente. É realmente por isso que ele deveria ser “conhecido”.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments