Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Palavras sem ação expõem o papel do Ocidente na expansão dos assentamentos ilegais de Israel

Palestinos idosos entoam slogans na frente de soldados israelenses durante uma manifestação contra terras israelenses confisco em Hebron, em 2 de outubro de 2021 [Hazem Bader/ AFP via Getty Images]

O alvoroço internacional em resposta à aprovação de Israel de uma expansão massiva de seu empreendimento de assentamentos ilegais na Cisjordânia palestina ocupada pode dar a impressão de que tal reação poderia, em teoria, forçar Israel a abandonar seus planos. Não será porque as “preocupações”, “arrependimentos” e “decepções” – e até mesmo a condenação total – são meras palavras que não serão seguidas por ações significativas. Isso expõe o papel do Ocidente na construção e expansão de assentamentos ilegais em Israel.

É verdade que a comunidade internacional tem um quadro de referência político, e até legal, a respeito de sua posição sobre a ocupação israelense da Palestina. Infelizmente, porém, não possui um mandato político genuíno, ou a inclinação para agir individual ou coletivamente, para pôr fim a esta ocupação.

É precisamente por isso que o anúncio em 27 de outubro de que Israel deu a “aprovação final” para a construção de 1.800 unidades habitacionais e a aprovação inicial para outras 1.344 não será revertida tão cedo. Precisamos ter em mente que essa decisão veio apenas dois dias depois de outro anúncio de que o governo israelense havia avançado licitações de construção para 1.355 unidades habitacionais na Cisjordânia ocupada.

Ocupação de 1967, Naksa – charge [Sarwar Ahmed/ Monitor do Oriente Médio]

Israel raramente, ou nunca, reverteu tais decisões desde seu estabelecimento nas ruínas da histórica Palestina em 1948. Além disso, desde a ocupação de Israel da Jerusalém Oriental palestina, da Cisjordânia e da Faixa de Gaza em 1967, seu projeto colonial de colonos se expandiu sem obstáculos , constantemente. Os 54 anos intermediários deveriam ter sido suficientes para a comunidade internacional perceber que Israel não tem nenhuma intenção de encerrar sua ocupação militar por sua própria vontade, respeitar o direito internacional e interromper a construção de seus assentamentos ilegais.

No entanto, apesar desse fato óbvio, a comunidade internacional continua a emitir declarações – moderadas em sua língua às vezes, até mesmo com raiva de vez em quando – mas nunca toma uma única ação para punir Israel. Uma olhada na reação do governo dos EUA às últimas notícias da expansão dos assentamentos nos diz muito sobre a falta de preocupação de Washington com o total desrespeito de Israel pelo direito internacional, paz e segurança no Oriente Médio. “Nós nos opomos veementemente à expansão dos assentamentos”, disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, acrescentando que a decisão israelense é “completamente inconsistente com os esforços para diminuir a tensão e garantir a calma”.

Desde quando Israel se preocupa em “diminuir as tensões” e “garantir a calma”? Se essas eram expectativas realmente importantes dos EUA, por que Washington continua canalizando bilhões de dólares por ano em ajuda militar para o estado de ocupação, sabendo muito bem que tais armamentos serão usados ​​para manter a ocupação israelense ilegal da Palestina e de outras terras árabes?

LEIA: Israel ordena expropriação em Sheikh Jarrah para construir um parque

Se, para fins de argumentação, presumirmos que Washington está finalmente mudando sua política em relação a Israel e à Palestina, como pretende pressionar o ocupante a interromper a construção de assentamentos? Ned Price tem a resposta: O governo Biden vai “levantar nossas opiniões sobre esta questão diretamente com altos funcionários israelenses em nossas discussões privadas”, disse ele em 26 de outubro. “Levante nossos pontos de vista”, em vez de exigir responsabilidade, ameaçar com sanções ou, Deus nos livre, reter fundos.

Embora seja verdade que o governo dos Estados Unidos é o principal benfeitor ocidental de Israel, Washington não é o único governo hipócrita a esse respeito. Os europeus não são diferentes, apesar de suas declarações um pouco mais fortes. “Os acordos são ilegais sob o direito internacional e constituem um grande obstáculo para a obtenção da solução de dois Estados e uma paz justa, duradoura e abrangente entre as partes”, disse o chefe da política externa da UE, Josep Borrell, em 29 de outubro.

A declaração reflete os sentimentos exatos e a linguagem de muitos outros emitidos no passado, aqueles que “rejeitam fortemente” a ação israelense e “exortam” o governo israelense a “revogar” suas recentes decisões em prol da “paz sustentável”, e em breve. A preparação destas declarações deve ser a mais fácil de todas as tarefas na UE, visto que se trata, em grande medida, de “cortar e colar”.

Mais uma vez, porém, quando se trata de ação, Bruxelas, como Washington, se abstém de tomá-la. Pior ainda, essas entidades costumam financiar as próprias ações contra as quais protestam, ao mesmo tempo que insistem que estão exatamente na mesma distância entre israelenses e palestinos, atribuindo a si mesmas papéis de “corretores honestos”, “mediadores de paz” e semelhantes.

Não devemos ficar nem um pouco surpresos com o recente anúncio de Israel. Na verdade, devemos esperar mais expansão de assentamentos e até mesmo a construção de novos assentamentos, porque é para isso que o Israel colonial foi estabelecido, e é o que o Estado do apartheid faz de melhor.

“Israel promoveu planos para mais de 30.000 casas de colonos na Cisjordânia durante os quatro anos que [Donald Trump] esteve no poder”, informou a BBC um grupo israelense, Peace Now, em suas recentes descobertas. Dado que Israel anunciou, dentro de poucos dias, suas intenções de construir, ou iniciar licitações para, cerca de 4.500 unidades de assentamento, se o governo israelense sob o ex-líder dos colonos Naftali Bennett continuar apressadamente com a construção ilegal de moradias, isso poderia corresponder – e até mesmo ultrapassar – a expansão que ocorreu durante os anos terríveis da era Trump. Sem nenhuma responsabilidade, esse paradigma político catastrófico permanecerá em vigor, independentemente de quem governa Israel e quem está na Casa Branca.

LEIA: União Europeia não reconhece novos assentamentos em Jerusalém

Israel está fazendo o que qualquer potência colonial faz ao se expandir às custas da população nativa. A responsabilidade não recai sobre as potências coloniais em se comportarem, mas sim no resto do mundo em responsabilizá-las. Isso foi verdade no caso do Apartheid da África do Sul e vários outros exemplos em todo o Sul Global. É igualmente verdade no caso do Apartheid israelense na Palestina.

A realidade é que não importa quantas declarações mais sejam feitas pelos governos ocidentais, eles não vão acabar com a ocupação israelense, ou mesmo parar as escavadeiras militares israelenses enquanto arrancam árvores palestinas, destroem casas palestinas e constroem ainda mais colônias ilegais. O Ocidente tem enorme influência militar, política e econômica sobre Israel, portanto, esperar que essa influência seja usada para fazer cumprir a lei internacional é razoável.

Israel e seus lobistas, porém, têm um controle inexplicável nos corredores do poder nas capitais ocidentais, o que significa que palavras nunca serão apoiadas por ações. Conseqüentemente, o Ocidente certamente não é um “corretor honesto” para a paz; é cúmplice da ocupação militar de Israel e do apartheid.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments