Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Por que as nações elegem líderes incompetentes?

Twitter remove os tweets do ex-presidente Donald Trump dos EUA da conta POTUS [Metin Aktaş / Agência Anadolu]

O que faz as nações, sejam de países com democracias antigas, como a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, ou uma democracia recém-estabelecida como o Iraque, escolherem líderes, especialmente na última década, que se distinguem por sua incompetência política, moral, mental – ou todos os três? É preciso ler a história distante para saber os motivos de sua vitória, em um processo que agora se apresenta como a única opção para o povo fugir da ditadura? É verdade que os eleitores se identificam, de uma forma ou de outra, com as personalidades dos vencedores que escolhem?

Coloquemos de lado os “vencedores” em nossos países. O conceito de democracia, tal como é conhecido pelo nosso povo, assume muitas formas e especificações que variam de um país para outro, quando aplicado, ainda que digamos o contrário. Também temos modelos de governo suficientes nos países que patrocinam “a democracia”. Talvez o exemplo mais proeminente seja o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que forneceu a outros ao redor do mundo um modelo para reduzir o nível de liderança necessário.

Milhões de artigos foram escritos sobre a personalidade de Trump, sua vitória e seu estilo de governo, ou a falta dele, como presidente do país mais poderoso do mundo. Poderiam ser resumidos, se quiséssemos relembrar sua personalidade para comparação com outras, dizendo que ele não era qualificado, política ou economicamente. Ele perseguia mulheres, zombava dos deficientes, desprezava os negros, as minorias e os refugiados. Ele foi um populista que apelou aos desejos das massas, promoveu o racismo como combustível espiritual para os supremacistas brancos e, para atrair extremistas religiosos, quando necessário, ele se gabava de que ninguém lia a Bíblia mais do que ele mesmo.

Apresentando os líderes mundiais – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Ele tem sido descrito como um perigo para o mundo, devido às suas respostas rápidas, baseadas na sua arrogância e na sua impulsiva tomada de decisão sem reflexão séria. Ele também era visto como um perigo para a América por causa de sua rapidez em repreender as pessoas, insultá-las e se vingar de seus críticos, incluindo seus conselheiros. Algumas dessas características já eram conhecidas antes de sua eleição e outras puderam ser encontradas ao se examinar sua vida pessoal e pública, principalmente por ser conhecido por sua má reputação no meio financeiro e na mídia. Então, por que as pessoas o escolheram?

LEIA: A tirânica Liga Árabe

A mesma pergunta deve ser feita para entender a “vitória” de uma corrente política sob a liderança de uma pessoa como “Sua Eminência, que Deus o honre, Muqtada al-Sadr” nas eleições iraquianas, apesar de sua turbulenta história pessoal e política, oscilando entre decisões improvisadas e saltos rápidos, de uma posição a outra, e oscilando entre a pregação, a mobilização e a retórica populista a pretexto do martírio e da resistência. Ele alterna entre a raiva de um de seus seguidores e sua punição, desmobilizando a milícia que lidera em nome de seu pai ou reformando-a com um novo nome. Seu retiro às vezes se estende por muitos meses, na cidade iraniana de Qom, sob o pretexto de tentar concluir um estudo jurisprudencial que o habilite, como ele mencionou em seu último depoimento, a emitir fatwas religiosas, ou escrever poesia, além de postar tweets que correspondem aos tweets de Trump em sua irritabilidade e baixo nível intelectual do remetente.

Existem, é claro, razões numerosas e interligadas para o fenômeno da eleição de “líderes” não qualificados. Alguns deles nos remetem aos motivos da participação nas eleições principalmente para obter a vitória de um determinado candidato, incluindo partido, religião ou afiliação familiar. Pode ser a crença de que votar é a forma mais segura de mudança, do apoio financeiro e profissional que um partido oferece a seus seguidores, ou o resultado de ceder à intensa pressão da mídia com o objetivo de “criar” uma posição. Sociólogos e psicólogos também percebem que o ato de votar é uma expressão de pertencimento a um grupo ou de quem se é, assim como os sentimentos idealistas de que quem vota é um bom cidadão. Por outro lado, vários psicólogos concluíram que pessoas racionais que se preocupam com si mesmas não dão nenhuma importância às eleições e as vêem como uma perda de tempo.

Em resposta à questão da incompetência e da ascensão de pessoas que não merecem uma posição de liderança, aqueles que não votaram nelas nos lembram que o indivíduo incompetente não foi eleito por todas as pessoas e que uma minoria influente que possui dinheiro, mídia e as armas apreenderam os votos. Eles também nos lembram que os eleitores, em geral, preferem políticas com soluções imediatas e rápidas que os ajudem a resolver seus problemas de subsistência e aumentem seu bem-estar nas soluções mais estratégicas. Enquanto outros nos lembram que a democracia tem suas enfermidades e desvantagens, mesmo nos países vistos como “mães da democracia”. Além disso, a pessoa não qualificada pode ser a menos prejudicial no caso de um vácuo moral e, como um comentarista apontou durante a campanha presidencial de Trump em 2016 contra Hillary Clinton, “dizendo que não há nenhum candidato presidencial moralmente bom nesta eleição e que Trump é um bom candidato, embora com falhas. Nesse caso, as eleições foram decididas, no seu entender, escolhendo o mal ao pior, ou o menor dos dois males. O processo seletivo democrático não é isento de retaliação pública, onde o cidadão recorre a votar contra o candidato do seu partido, que há muito apoia, quando se decepciona com a política do partido sobre uma questão, ou a considera uma questão de princípios. As massas também podem recorrer ao voto em alguém que não pertence a nenhum partido e é relativamente desconhecido, para se vingar dos partidos preocupados com a corrupção e os interesses pessoais, que foi o que aconteceu na Tunísia, quando Kais Saied foi eleito presidente com o maior número de votos.

LEIA: O teatro político de Bennett — A luta decisiva está à frente

Embora a democracia possa ter acabado com a perpetuação do governo do presidente, independentemente de suas qualificações, ela também, ao mesmo tempo, derrubou a ilusão sobre a figura de presidente – o líder com qualidades históricas e heróicas que alimentaram o imaginação das massas por décadas. Surgiu uma nova geração de líderes, com características diferentes do que era familiar. O inconstante primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que fala o que vem à sua mente sem pensar, quaisquer que sejam as consequências, não se envergonha de recuar de afirmações que fez, rindo e brincando, solidificando sua imagem e, assim, papéis de pessoa que vive o momento, com um espírito jovem e alegre e um penteado esvoaçante. Isso está longe dos pesadelos da história que há muito envolvem seu partido, e certamente longe da personalidade de seu oponente nas eleições, Jeremy Corbyn, o líder do Partido Trabalhista, que é sério e tem princípios. A vitória de Johnson foi um grande sucesso para a eleição de um primeiro clone de Trump.

O processo de reprodução e clonagem não se limitará a esses modelos. Os resultados das eleições indicam em muitos países, o Iraque por exemplo, o surgimento de mais desses modelos, com suas deficiências e ilusões, e seus danos imediatos e de longo prazo. Isso continuará até que as nações se livrem da era de mentiras envoltas em falsa propaganda, para viver suas esperanças de liberdade, justiça e dignidade pelas quais sempre lutaram.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe no Al-Quds Al-Arabi em 25 de outubro de 2021

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIrãIraqueOpiniãoOriente MédioReino UnidoTunísia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments