Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

9.300 oliveiras foram destruídas por Israel na Cisjordânia em um ano, diz o CICV

Agricultores palestinos inspecionam os danos causados às suas oliveiras que foram cortadas por colonos israelenses, em 11 de abril de 2017 [Issam Rimawi/Agência Anadolu]

Mais de nove mil oliveiras foram destruídas na Cisjordânia desde agosto de 2020, de acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Com a temporada de colheita da azeitona em andamento, a agência de ajuda pediu a Israel que garanta um acesso seguro, oportuno e adequado para os palestinos aos seus olivais na Cisjordânia ocupada.

“Por anos, o CICV observou um pico sazonal na violência de colonos israelenses que residem em certos assentamentos e postos avançados na Cisjordânia em relação aos agricultores palestinos e suas propriedades no período que antecede a temporada de colheita da azeitona, bem como durante a temporada de colheita em outubro e novembro”, disse Els Debuf, chefe da missão do CICV em Jerusalém.

“Os agricultores também vivenciam atos de assédio e violência que visam impedir uma colheita bem-sucedida, sem falar na destruição de equipamentos agrícolas ou no desenraizamento e queima de oliveiras. Esta é uma preocupação importante que continuamos a compartilhar com as autoridades responsáveis”, ela adicionou.

Enquanto isso, colonos israelenses extremistas arrancaram ontem 900 mudas de azeitonas e damascos e roubaram plantações de azeitonas no vilarejo de Sebastia, na cidade ocupada de Nablus, na Cisjordânia, informou a agência de notícias Wafa.

Além disso, os colonos também arrancaram 70 árvores em Masafer Yatta, ao sul da cidade de Hebron, no sul da Cisjordânia.

A violência dos colonos israelenses contra os palestinos e suas propriedades é rotina na Cisjordânia, enquanto as autoridades de ocupação raramente agem contra isso.

LEIA: Gaza busca importações com a queda da colheita de azeitona

O CICV apoia os agricultores palestinos cujos olivais estão localizados perto da barreira da Cisjordânia ou perto de assentamentos e postos avançados durante a temporada, para ajudá-los a chegar às suas terras com segurança e a tempo.

Marcada em outubro de cada ano, a colheita da azeitona constitui uma fonte crítica de sustento para milhares de famílias palestinas. Com mais de 12 milhões de oliveiras plantadas em quase metade das terras agrícolas da Cisjordânia, o azeite não é apenas essencial para a segurança alimentar palestina, mas também é uma grande parte de sua economia de exportação.

Além disso, as oliveiras são um símbolo da ligação palestina com sua terra. Resistentes à seca, crescendo em condições de solo pobres e vivendo e frutificando por milhares de anos, as árvores representam a resistência palestina e a resiliência diante da ocupação israelense.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments