Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Artistas nomeiam campo de refugiados palestinos ao status de patrimônio mundial da UNESCO

Sandi Hilal e Alessandro Petti [Siegrun Salmanian, cortesia de The Mosaic Rooms]

Durante a Nakba (Catástrofe) de 1948, o nascente exército israelense ocupou mais de quarenta vilarejos palestinos a oeste de Jerusalém. Os moradores foram expulsos de suas casas e se refugiaram no que hoje é conhecido como a Cisjordânia ocupada.

Até 15.000 desses refugiados se estabeleceram no Acampamento de Refugiados de Dheisheh, construído em 1949, logo a sudoeste da cidade de Belém. Lá, apesar da miséria diurna, uma vibrante vida noturna árabe ainda está à altura de sua reputação.

Vemos um raro vislumbre disso na nova exposição de arte, ” Herança sem Estado”, no Mosaic Rooms, em Londres. A exposição foi montada como parte de uma campanha para que o principal órgão cultural da ONU, a UNESCO, concedesse ao Campo de Refugiados Dheisheh o status de Patrimônio Mundial. As fotografias foram tiradas por Luca Capuano, um fotógrafo italiano que foi comissionado anteriormente pela UNESCO para documentar os famosos locais do Patrimônio Mundial da Itália.

“O que torna Dheisheh diferente é a comunidade palestina se recusando a ser entendida apenas como alvo vitimizado”, explicou o artista Alessandro Petti. “Além disso, eles estão muito envolvidos em atividades culturais e políticas com várias organizações e descobrimos que sua influência política vai além do próprio campo, seja nas eleições municipais locais ou nacionais, apesar do fato de não poderem votar”.

LEIA: Com meu avô descobri a arte e o sentimento de amor e orgulho pela Palestina

A exposição está espalhada por três salas: a primeira é no andar térreo com grandes caixas de luz livres exibindo imagens simples, porém instrutivas, de ruas e becos com paredes cobertas de grafite e janelas bem iluminadas. Cabos elétricos e canos de água formam uma estrutura em forma de teia no comprimento e largura das vielas. Com grandes molduras que proporcionam um senso de comunidade e uma atmosfera brilhante e animada, as imagens noturnas cuidadosamente compostas desafiam o conceito estereotipado do espectador de um campo de refugiados.

A arquiteta Sandi Hilal lidera o coletivo de Pesquisa de Arte Descolonizante de Arquitetura (DAAR, na sigla em inglês). Ela queria que as imagens lançassem um olhar destacado sobre as atividades de lazer da comunidade palestina nos campos: reuniões, cantos, jantares, arte e até mesmo jardinagem, tudo isso parece estar acontecendo em um universo paralelo à violência e à agitação. Que tais coisas aconteçam, no entanto, é o ponto de vista de Hilal. A vida normal continua, apesar do conflito entre os palestinos e a ocupação israelense.

“A decisão de se concentrar na vida noturna do campo foi muito importante para nós porque a maioria dos campos de refugiados são fotografados durante o dia com crianças em lugares sem instalações adequadas de esgoto; a parte miserável dos campos. Isto alimenta a imagem muito estereotipada que todos parecem ter sobre eles”, salientou Hilal. “Quando andávamos pelas ruas do acampamento à noite, notamos muito do que não havia sido capturado antes, como a conversa fiada, pessoas sentadas ao ar livre com suas famílias grandes comendo e bebendo, desfrutando da companhia uns dos outros. As pessoas precisam ver isso e reconhecer isso”.

A segunda sala da exposição contém livretos em grande formato documentando os vilarejos de onde vieram originalmente os moradores de Dheisheh. A impressão dada é a de uma paisagem ou de uma ruína.

A curta viagem de uma sala para a outra é organizada de forma a destacar as dificuldades enfrentadas por aqueles que vivem no campo quando querem ou precisam viajar para outro lugar. Não só é muito difícil viajar dentro dos territórios ocupados – com pontos de controle militares israelenses, fixos e móveis, para negociar – mas as autoridades israelenses também se recusam a permitir que os palestinos exerçam seu legítimo direito de retorno às aldeias das quais foram expulsos décadas atrás.

“Esta exposição é uma chance de questionar por que os refugiados palestinos não podem retornar às suas aldeias”, disse Petti. “É um lugar tão próximo, porém tão distante”. A simples viagem que os visitantes da exposição podem fazer da sala das caixas de luz para a sala dos fotolivros nos lembra o que os refugiados palestinos não podem fazer”.

Além do mais, ele salientou: “É importante mostrar ao público estas aldeias porque existem muitas outras aldeias – mais de 500 – que Israel demoliu e transformou em parques nacionais e locais industriais para encobrir seus crimes. Queremos que estas imagens de vilarejos em pé façam com que os espectadores imaginem o retorno dos palestinos às suas terras e casas”.

A cultura e o patrimônio da Palestina é a melhor arma contra a ocupação – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Petti e Hilal têm trabalhado com refugiados palestinos nos últimos sete anos para montar um dossiê de Patrimônio dos Refugiados, e argumentam que o campo é de “valor universal excepcional”. Isso, em sua opinião, o torna elegível para o status de Patrimônio Mundial. O coletivo DAAR apresentou sua proposta à UNESCO no início deste ano na Bienal de Arquitetura de Veneza.

O objetivo do processo, explicou Petti, é provar que a definição de “patrimônio” não é tão universal quanto se reivindica, mas se baseia em fundamentos coloniais. “Para nós, a nomeação é mais para provocar e iniciar conversas sobre a história e o valor do campo de refugiados, bem como tentar desafiar os critérios nos quais as indicações ao patrimônio mundial são estabelecidas”.

Entretanto, as indicações devem sempre ser canalizadas através dos Estados membros da UNESCO e o campo existe como um espaço extra-territorial além de qualquer soberania estatal, portanto, se ele tem ou não “valor universal” é questionável.

LEIA: O genocídio cultural na Palestina: Sobre a decisão de Sally Rooney de boicotar Israel

“Nosso objetivo final não é necessariamente a indicação em si, mas através da indicação pretendemos desafiar conversas estereotipadas sobre os campos e refugiados, bem como desafiar os fundamentos do que constitui o ‘patrimônio mundial’. Como pode ser valorizado o patrimônio das populações sem Estado?”, perguntou ele retoricamente.

É impressionante notar que ninguém precisou ser incluído na coleção de imagens da exposição. No entanto, sua presença e espírito são fortes e esclarecedores, o que torna tudo ainda mais intrigante.

Por fim, as imagens da exposição humanizam os refugiados e suas lutas para construir novos lares e vidas pacíficas e demonstram ao mundo que eles têm toda a intenção de sobreviver e resistir. Eles não estão indo a nenhum outro lugar. Desarraigados pelo conflito, os palestinos do Campo de Refugiados Dheisheh resistem à ocupação israelense por sua própria existência.

Categorias
EntrevistasIsraelOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnesco
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments