Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Exército do Sudão derrubou governo para impedir uma guerra civil, diz general

Povo sudanês tomam as ruas após a tentativa de 'golpe militar' em Cartum, Sudão, em 25 de outubro de 2021 [Ömer Erdem/Agência Anadolu]

O principal general do Sudão, Abdel Fattah Al-Burhan, defendeu a tomada do poder pelo exército, dizendo na terça-feira que havia deposto o governo do primeiro-ministro, Abdalla Hamdok, para evitar uma guerra civil, informou a Reuters.

Falando em sua primeira entrevista coletiva desde que anunciou a aquisição de ontem, Burhan acusou os políticos de incitação contra as Forças Armadas. Ele disse que Hamdok não foi ferido e foi levado para a casa de Burhan.

“O primeiro-ministro estava em sua casa. No entanto, temíamos que ele corresse perigo, então ele foi colocado comigo em minha casa”, disse Al-Burhan.

“Os perigos que testemunhamos na semana passada podem ter levado o país à guerra civil”, disse ele. Ministros de gabinete participaram de manifestações na semana passada para protestar contra a perspectiva de uma tomada militar.

Soldados prenderam o primeiro-ministro e outros membros de seu gabinete ontem, e horas depois Al-Burhan apareceu na TV para anunciar a dissolução do Conselho Soberano, um órgão criado para dividir o poder entre militares e civis.

LEIA: Sudão: Golpe militar não afetará a normalização com Israel, diz diplomata

A tomada militar interrompeu a transição do Sudão para a democracia dois anos depois que um levante popular derrubou o autocrata Omar Al-Bashir, que governava há muito tempo.

Uma autoridade do Ministério da Saúde disse que sete pessoas morreram em confrontos entre manifestantes e forças de segurança na segunda-feira.

Imagens na mídia social mostraram novos protestos de rua hoje nas cidades de Atbara, Dongola, Elobeid e Port Sudan. As pessoas gritavam: “Não dê as costas ao exército, o exército não vai protegê-lo”.

Cartum e sua cidade gêmea Omdurman, do outro lado do Nilo, foram parcialmente bloqueadas, com lojas fechadas e nuvens de fumaça subindo de onde os manifestantes estavam queimando pneus. Pedidos de greve geral foram feitos nos alto-falantes das mesquitas. Ruas e pontes foram bloqueadas por soldados ou barricadas de manifestantes.

Al-Burhan disse que a ação dos militares não equivale a um golpe, já que o Exército vem tentando retificar o caminho da transição política.

“Queríamos apenas corrigir o curso de uma transição. Havíamos prometido ao povo do Sudão e ao mundo inteiro. Protegeremos essa transição”, disse Al-Burhan. Ele disse que um novo governo seria formado e não conteria nenhum político típico.

Os países ocidentais denunciaram o golpe, pediram a libertação dos ministros detidos e disseram que cortariam a ajuda se os militares não restaurassem a divisão do poder com os civis.

LEIA: Relatos indicam tentativa de golpe no Sudão

Categorias
ÁfricaNotíciaSudão
Show Comments
Show Comments