Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Perseguição saudita ao antigo tzar da inteligência chega a Malta

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed Bin Salman participa de uma reunião durante a Cúpula do G20 em Osaka em 28 de junho de 2019 [BRENDAN SMIALOWSKI/AFP via Getty Images]

A perseguição da Arábia Saudita a seu antigo alto oficial de inteligência, Saad Al-Jabri, chegou à ilha de Malta, abrindo uma nova frente na rixa internacional entre o crítico exilado e o príncipe herdeiro Mohamed Bin Salman.

Conhecido como MBS, o governante de facto do Reino travou batalhas legais contra Al-Jabri nos EUA e no Canadá por mais de um ano. Os sauditas acusaram Al-Jabri de se apropriar indevidamente de fundos estatais e de desvio de fundos.  Desde então, eles têm estado desesperados para apanhar o homem de 63 anos de idade que fugiu do Reino após o “golpe suave” que levou o MBS a substituir Mohammed Bin Nayef como príncipe herdeiro.

Al-Jabri deixou o reino em 2017 e se estabeleceu na Turquia antes de se mudar para o Canadá. No ano passado, ele entrou com uma ação judicial nos Estados Unidos alegando que Bin Salman havia ordenado que um esquadrão de assassinatos o procurasse e matasse, apenas treze dias após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, no Consulado Saudita em Istambul. O governo saudita também apresentou um caso nos EUA contra Al-Jabri, alegando que ele desviou fundos estatais. Ele negou a acusação.

Com as ligações de Al-Jabri com a inteligência americana, tendo sido o principal oficial de inteligência de Riyad por muitos anos, a incansável perseguição da Arábia Saudita a ele até mesmo provocou uma rara intervenção do Departamento de Justiça americano sobre preocupações de que segredos de estado pudessem ser revelados durante o caso legal.

LEIA: Os EUA homenageiam ‘vida extraordinária e legado’ de Khashoggi no terceiro aniversário de seu assassinato

Na parte maltesa da disputa internacional, Riyad procura impedir que Al-Jabri, que adquiriu a cidadania do estado da ilha em 2016 através do Programa de Investidores Individuais, venda seu apartamento Tigné Point em Sliema.

No processo judicial maltês, diz-se que a holding saudita Sakab Saudi, registrada na Arábia Saudita, apresentou um mandado de liminar contra Al-Jabri e sua empresa registrada na Ilha Cayman, a Ten Leaves Management, para impedi-los de transferir o direito de usar um apartamento em Tigné Point, Sliema ao norte da capital Valletta.

Segundo Malta, hoje, o apartamento do sexto andar do empreendimento de luxo foi adquirido em 2018. Sakab, parte de um grupo de 17 empresas criadas pelo Reino da Arábia Saudita, afirma que Al-Jabri usou estruturas offshore para esconder lucros ilícitos para enriquecer sua família e comprar propriedades em todo o mundo.

Al-Jabri é acusado de usar Sakab como veículo para distribuir 6 bilhões de euros em fundos a outras entidades comerciais entre 2008 e 2017, canalizados para outros membros do grupo Sakab, supostamente sob instruções de Al-Jabri. Aparentemente, a grande maioria das transações financeiras foram “fora dos registros” e não declaradas nas contas oficiais.

“É no humilde entendimento dos requerentes, e isto sempre de acordo com as provas em mãos, que Ten Leaves comprou as propriedades usando fundos desviados através de um esquema fraudulento como parte dos esforços de Jabri para esconder e lavar dinheiro desviado”, disse Sakab, que é representado em Malta pelo advogado Louis Cassar Pullicino.

Al-Jabri negou as alegações de desvio e apropriação indevida de fundos estatais.

Categorias
Arábia SauditaEuropa & RússiaMaltaNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments