Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Soldados israelenses são presos por espancar e agredir sexualmente um detido palestino

Soldados israelenses, em 1 de março de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Quatro soldados israelenses do batalhão ultraortodoxo Netzah Yehuda da Brigada Kfir foram presos por espancar e agredir sexualmente um detido palestino.

O grupo, estacionado na cidade ocupada de Jenin, no norte da Cisjordânia, é acusado de agredir um palestino enquanto ele estava detido há cerca de duas semanas em uma base do exército na Cisjordânia.

Os supostos soldados israelenses esmurraram e esbofetearam o detido palestino, enquanto outro pressionou sua arma no traseiro do detido, noticiou o Times of Israel.

O detido palestino, cuja identidade é desconhecida, juntamente com o motivo de sua detenção, foi algemado e vendado durante o abuso e levado para uma prisão, onde foi submetido a um exame médico. O médico relatou o caso após notar hematomas, o que motivou a investigação.

Dez soldados israelenses foram inicialmente presos pelos militares israelenses, mas seis já foram libertados.

O exército israelense confirmou que uma investigação sobre o caso estava em andamento, alegando que o detido palestino foi examinado por equipes médicas.

O Batalhão Netzah Yehuda tem um histórico de violência de direita contra os palestinos. Em 2019, três soldados israelenses foram presos depois de espancarem dois detidos palestinos, um pai de 50 anos e seu filho, de 15 anos.

LEIA: Israel expropria mais terras palestinas para expandir assentamentos

Os soldados israelenses também forçaram o menino a ver seu pai ser espancado a ponto de perder a consciência, com o adolescente relembrando: “Eu os vi quebrando as costelas do meu pai batendo no peito dele com o cano da arma. Minhas mãos estavam amarradas nas costas, eu não podia fazer nada”.

Em 2016, um soldado Netzah Yehuda foi condenado a nove meses de prisão por torturar um suspeito palestino; vendar, algemar e colocar eletrodos em sua vítima e, em seguida, disparar correntes elétricas.

Em 2015, outro soldado israelense do mesmo batalhão foi condenado a 21 dias de prisão militar por comemorar o assassinato do palestino Ali Dawabsheh, de 18 meses, em um casamento. Em um vídeo do incidente, os convidados do casamento podem ser vistos dançando com armas e apunhalando uma foto de Ali. Acredita-se que o soldado tenha ligações com Amiram Ben-Uliel, o colono extremista israelense que acredita ter realizado o ataque com bomba incendiária que matou Ali e seus pais, deixando seu irmão Ahmed de cinco anos órfão.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments