Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Terra roubada de palestinos em 1969 gera disputa legal

Colonos israelenses penduram a bandeira israelense sobre um prédio residencial palestino na cidade ocupada de Silwan, em Jerusalém Oriental, em 2 de julho de 2021

A tomada de posse de uma área de terra palestina na Cisjordânia ocupada por colonos israelenses desencadeou uma rara intervenção do Supremo Tribunal de Justiça em um caso que expõe um dos meios pelos quais o roubo de terras e a limpeza étnica foram realizados na Palestina.

A terra em questão tem mais de 1.000 dunams (cerca de 247 acres) no norte do Vale do Jordão. De acordo com detalhes do caso revelados pelo Haaretz, o terreno foi designado como zona militar fechada desde 1969, impedindo que seus proprietários palestinos entrassem nele por mais de 50 anos. Durante esse tempo, no entanto, os colonos tiveram permissão para começar a trabalhar nele, incluindo uma empresa de cultivo de tâmaras chamada Zorganika.

Desde 2018, os legítimos proprietários palestinos da terra aguardam a execução de uma ordem judicial para a rescisão da zona militar e para a expulsão dos colonos ilegais. O tribunal israelense emitiu a ordem após uma petição de 20 proprietários de terras palestinos.

LEIA: Organização de colonos judeus toma apartamento palestino em Jerusalém

O estado agora tem 60 dias para responder, prazo após o qual outra audiência será realizada e o tribunal emitirá seu veredito.

Aparentemente, os colonos trabalharam a terra por muitos anos com o conhecimento do exército, que lhes permitiu entrar. As agências governamentais teriam aprovado, embora a terra seja propriedade privada de palestinos, mas esteja sendo trabalhada por israelenses, aparentemente sob os auspícios de uma ordem de fechamento emitida por razões de segurança.

O advogado dos peticionários, Wissam George Asmar, rejeitou a alegação de justificativas de segurança para manter os palestinos fora como “sem fundamento”. Ele argumentou que a terra fica próxima ao rio, que é a fronteira com a Jordânia, e Israel tem um tratado de paz com o reino e, em segundo lugar, que os colonos estão de qualquer forma usando trabalhadores palestinos na terra.

Asmar também disse que os colonos e a Organização Sionista Mundial, que inicialmente alocou as terras roubadas, “trabalharam nas costas do estado” para realizar uma “transação patentemente ilegal”.

Polícia israelense apoia colonos israelenses em seu roubo de casas palestinas em Jerusalém [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

LEIA: Colonos israelenses queimam terras palestinas na Cisjordânia

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments