Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Iraque sofre a mais baixa participação dos eleitores

A contagem dos votos estava em andamento no Iraque hoje, um dia após um recorde de baixa participação nas eleições parlamentares, refletindo o que muitos iraquianos disseram ser uma perda de confiança no processo democrático e na classe política do país, relatou a Reuters.

O comparecimento nas eleições de ontem foi de 41%, disse a comissão eleitoral. O menor comparecimento foi em Bagdá, com entre 31% e 34%.

As máquinas de contagem de votos e comparecimento às urnas que a Reuters visitou em Bagdá não haviam apresentado mais de 25% de comparecimento ao final da votação. A contagem da comissão foi anunciada 12 horas depois.

A votação de ontem foi realizada em resposta a protestos em massa em 2019 que exigiam empregos, serviços, a remoção dos partidos governantes do Iraque e a revisão do sistema político. Forças de segurança e milícias mataram centenas de manifestantes em uma brutal repressão à manifestação.

O país realizou cinco eleições parlamentares desde a invasão do Iraque liderada pelos EUA em 2003 que derrubou o ditador Saddam Hussein, mas a maioria dos iraquianos comuns diz que suas vidas não melhoraram mesmo durante a paz relativa desde que Daesh foi derrotado em 2017.

LEIA: Devemos participar das eleições iraquianas ou boicotá-las?

Grandes partes da infra-estrutura iraquiana estão em ruínas e há serviços de saúde, educação e serviços básicos deficientes, especialmente eletricidade.

Os resultados iniciais das eleições são esperados hoje.

Espera-se que a elite governante estabelecida, dominada pelos islamitas xiitas, cujos partidos mais poderosos têm asas armadas, vença a votação.

O movimento liderado pelo populista clérigo xiita Moqtada Al-Sadr, que se opõe a todas as interferências estrangeiras e cujos principais rivais são os grupos xiitas aliados ao Irã, é visto emergindo como o maior partido único no parlamento.

Autoridades iraquianas, diplomatas e analistas estrangeiros esperam que os partidos apoiados pelo Irã, acusados de envolvimento na matança de manifestantes em 2019, percam algumas cadeiras.

Tal resultado não alteraria drasticamente o equilíbrio de poder no Iraque ou no Oriente Médio em geral, dizem eles.

Os Estados Unidos, os árabes do Golfo e Israel de um lado e o Irã do outro competem para influenciar o Iraque, o que proporciona a Teerã uma porta de entrada para apoiar os aliados armados na Síria e no Líbano.

A invasão de 2003 derrubou Saddam Hussein, um muçulmano sunita, e catapultou para o poder a maioria xiitas e curdos, que foram oprimidos sob o autocrata. Ela desencadeou anos de violência sectária, incluindo a tomada de um terço do país pelo Estado Islâmico entre 2014 e 2017.

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIrãIraqueNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments