Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando a queda de Bagdá

Soldados dos EUA durante a invasão de 2003, em Bagdá, Iraque. [DVIDSHUB/Flickr]
Soldados dos EUA durante a invasão de 2003, em Bagdá, Iraque. [DVIDSHUB/Flickr]

O que: A conquista americana de Bagdá

Quando: 3 a 14 de abril de 2003

Onde: Bagdá, Iraque

Em 20 de março de 2003, quando os Estados Unidos lideraram uma coalizão internacional para invadir ilegalmente o Iraque, sob o pretexto ficcional de neutralizar armas de destruição em massa supostamente mantidas pelo então presidente iraquiano Hussein, o principal alvo estratégico da chamada “coalizão da boa vontade” era a capital Bagdá.

Com o objetivo de semear a discórdia na estrutura de comando do exército iraquiano e forçá-lo a combater do lado de fora da cidade, a coalizão bombardeou pesadamente os subúrbios da capital. Os americanos temiam o que poderia ocorrer caso o combate se degenerasse à guerrilha urbana, ao calcular enormes perdas em potencial. Ao bombardear Bagdá, deste modo, forçaram os iraquianos a comprometer a maior parte de suas forças aos limites da capital, onde foram vastamente derrotados.

Embora as forças americanas tenham capturado boa parte de Bagdá em 9 de abril, confrontos esporádicos continuaram nos dias seguintes e uma vitória foi formalmente declarada pelo exército dos Estados Unidos apenas em 14 de abril.

O bombardeio americano contra Bagdá foi tão severo que hospitais locais recebiam cerca de cem baixas por hora, a maioria civis. Até hoje, a infraestrutura da capital não foi completamente reconstruída e a cidade preserva suas cicatrizes não somente do ataque americano como de mais de uma década de atentados e conflitos que sucederam a invasão de 2003.

O que aconteceu a seguir?

As forças dos Estados Unidos esperavam capturar Saddam Hussein e figuras de liderança do regime baathista logo após a queda da capital, mas fracassaram em fazê-lo. Saddam fugiu a al-Dour, perto de sua aldeia natal de Tikrit, norte do Iraque, e demorou oito meses para ser apreendido, apenas em dezembro.

Nos anos seguintes, sob ocupação americana, Bagdá testemunhou um estado contínuo de violência à medida que diversos grupos de resistência foram organizados para enfrentar os invasores estrangeiros. Contudo, disputas políticas e a entrada em cena de organizações terroristas como a Al Qaeda – jamais presentes no Iraque, antes da invasão americana – decorreram no declínio de uma pretensa resistência nacional a disputas sectárias.

O novo regime iraquiano começou a dividir Bagdá entre guetos sunitas e xiitas e efetivamente lavou as mãos às atividades de milícias jihadistas xiitas que conduziram uma verdadeira campanha de limpeza sectária em muitos distritos da capital, seja ao assassinar sunitas ou ameaçá-los de violência caso não vendessem suas casas e deixassem a região. As ramificações letais da invasão de Bagdá jamais foram superadas, até então.

LEIA: Lembranças das revelações de torturas americanas em Abu Ghraib

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Estados UnidosEuropa & RússiaIraqueNeste diaOpiniãoOriente MédioReino Unido
Show Comments
Show Comments