Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Argélia pede negociações diretas entre Marrocos e Frente Polisário

Membros do Exército de Libertação do Povo Sarauí desfilam com as bandeiras da Frente Polisário no disputado território do Saara Ocidental, em 27 de fevereiro de 2016 [Farouk Batiche/AFP via Getty Images]

A Argélia exigiu ontem “negociações diretas” entre Marrocos e Frente Popular para a Libertação de Saguia el-Hamra e Río de Oro (Frente Polisário) sobre a disputada região do Saara Ocidental.

Em um discurso na Assembleia Geral da ONU, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Ramtane Lamamra, sublinhou: “A Argélia reitera a sua posição permanente sobre o direito do povo sarauí à autodeterminação e exorta as Nações Unidas a assumir as suas responsabilidades jurídicas para com o povo sarauí e a garantir seus direitos inalienáveis”.

“Organizar um referendo livre e justo para permitir que esse povo orgulhoso determine seu destino e seu futuro político não pode permanecer para sempre refém da maldição de um país ocupante que repetidamente falhou em cumprir suas obrigações internacionais emanadas das resoluções relevantes do Conselho de Segurança.”

O ministro acrescentou: “Como vizinha e observadora do processo político, a Argélia sempre busca ser uma fonte de paz, segurança e estabilidade na região”.

“A Argélia apoia a decisão do Conselho Africano de Paz e Segurança (CPS) de lançar negociações diretas entre o Reino de Marrocos e a República Árabe Sarauí Democrática, uma vez que os dois países compartilham a adesão à União Africana.”

Marrocos está em conflito com a Frente Polisário apoiada pela Argélia sobre o Saara Ocidental desde 1975, após o fim da ocupação espanhola. Transformou-se em um confronto armado que durou até 1991 e terminou com a assinatura de um acordo de cessar-fogo.

LEIA: Argélia pode tomar mais medidas contra o Marrocos, disse oficial

Rabat insiste no seu direito de governar a região, mas propôs um governo autônomo no Saara Ocidental sob sua soberania, mas a Frente Polisário quer um referendo para permitir que o povo determine o futuro da região. A Argélia apoia a proposta da Frente e acolhe refugiados da região.

O cessar-fogo de 1991 terminou no ano passado, depois que Marrocos retomou as operações militares na passagem de El Guergarat, uma zona-tampão entre o território reivindicado pelo estado de Marrocos e a autodeclarada República Árabe Democrática Sahrawi, o que a Polisário considerou uma provocação.

Ao lançar a operação, Marrocos “minou seriamente não apenas o cessar-fogo e os acordos militares relacionados, mas também quaisquer chances de alcançar uma solução pacífica e duradoura para a questão da descolonização do Saara Ocidental”, disse Brahim Ghali, líder da Frente Polisário, em uma carta à ONU.

As relações entre o Marrocos e a Argélia são tensas há décadas, com Lamamra anunciando no mês passado que seu país havia decidido romper os laços com o Marrocos devido às “tendências hostis” de Rabat.

Categorias
ÁfricaArgéliaMarrocosNotíciaONUOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments