Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Investigação do porto de Beirute é suspensa após a imparcialidade do juiz ser questionada

Uma visão geral mostra o porto devastado da capital do Líbano, Beirute, em 14 de setembro de 2021 [Joseph Eid/AFP via Getty Images]

Uma investigação sobre a explosão catastrófica no porto de Beirute foi suspensa hoje, quando um ex-ministro queria interrogatório, enquanto um suspeito abriu um caso questionando a neutralidade do investigador principal, disse uma fonte judicial, conforme reportagem da Reuters.

A explosão no porto de Beirute, em 4 de agosto de 2020, matou mais de 200 pessoas, feriu milhares e destruiu áreas de Beirute. Foi causada por uma grande quantidade de produtos químicos explosivos armazenados em um depósito de forma insegura por anos.

A investigação judicial sobre a explosão, uma das maiores não nucleares já registradas, não fez nenhum progresso, irritando muitos libaneses, incluindo famílias das vítimas que estão furiosas, porque nenhum oficial sênior foi responsabilizado.

O Líbano é uma longa história de desastre e crise – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O juiz Tarek Bitar foi nomeado investigador principal após a remoção de seu antecessor em fevereiro, depois de um pedido de dois ex-ministros que ele havia acusado de negligência.

Bitar foi notificado hoje sobre o caso contra ele movido pelo ex-ministro do Interior e atual parlamentar Nohad Machnouk, disse a fonte judicial à Reuters.

“Agora as sessões serão canceladas e o juiz Bitar deixará de examinar o processo até que o tribunal de cassação decida aceitar o caso ou rejeitá-lo”, disse a fonte.

Não houve nenhum comentário imediato de Bitar, que não tem permissão para falar com a mídia.

A investigação enfrentou resistência política de partidos poderosos que alegaram parcialidade na investigação.

LEIA: FMI aloca US$ 860 mi em ajuda ao Líbano

O tribunal de cassação emitiu uma decisão em fevereiro que retirou o primeiro juiz, Fadi Sawan, do caso após um pedido de dois ex-ministros que ele havia acusado, Ali Hassan Khalil e Ghazi Zeaiter.

O juiz Bitar emitiu pedidos em julho para questionar o ex-primeiro-ministro Hassan Diab e outros altos funcionários acusados por seu antecessor de negligência durante a explosão.

Todos negaram irregularidades.

Em 16 de setembro, ele emitiu um mandado de prisão contra o ex-ministro das Obras Públicas Youssef Finianos, depois que ele não compareceu para interrogatório, o primeiro contra um alto funcionário do caso.

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments