Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

As atuais ameaças à segurança que desafiam Israel

Forças israelenses em Hebron durante o feriado judaico de Sukkot, na Cisjordânia, em 22 de setembro de 2021 [Mamoun Wazwaz/Agência Anadolu]

Com a chegada do Ano Novo hebraico, os fóruns militares e de segurança israelenses têm estado ocupados monitorando os principais desafios que o país enfrenta, pois continua a sofrer com a pandemia da covid-19 e a crise da mudança climática que está exacerbando seus dilemas econômicos, sociais e políticos.

O primeiro desafio de segurança enfrentado por Israel é a contínua retirada americana do Oriente Médio, da Ásia Oriental e do Indo-Pacífico, no que os adversários de Israel podem considerar como um sinal do declínio da América. Outros desafios urgentes que não podem ser ignorados incluem o controle da pandemia de covid-19, ameaças à segurança, continuação do crime dentro das comunidades árabes e a fuga dos prisioneiros da prisão de Gilboa.

Ao mesmo tempo, o governo israelense está tentando revitalizar suas relações com a administração Biden e resolver calmamente suas diferenças a fim de chegar a um entendimento sobre questões centrais e restaurar as relações com os judeus americanos e o Partido Democrata, bem como revitalizar o diálogo com a Europa. Enquanto o restabelecimento das relações com os países árabes continua sendo um dos mais importantes desafios de segurança externa, o Irã continua sendo a mais séria e complexa ameaça a Israel, principalmente devido à busca do Irã por armas nucleares que Israel vê como uma ameaça existencial.

Parece haver ameaças cibernéticas contra Israel em todas as arenas geográficas, em conjunto com a ascensão do arsenal de mísseis de precisão do Hezbollah, que são produzidos no Líbano. Estas poderiam permitir que uma ampla gama de armas de precisão atingisse duramente Israel em tempo de guerra, apesar das respostas defensivas e ofensivas do exército israelense. Assim, a ação preventiva contra a capacidade de produção de mísseis de precisão se intensificará, embora às custas de uma guerra potencial.

LEIA: Israel suspende diretor da cadeia de Gilboa após fuga de prisioneiros

Já foram utilizados drones do Iraque e de Gaza contra Israel e o Hezbollah tem muitos desses aviões de ataque. As armas de fogo de precisão são uma séria ameaça estratégica para Israel, que pode ser produzida no Líbano e lançada a partir da Síria, apesar da ação contrária israelense no Líbano que pode levar à guerra.

É verdade que o governo israelense já está se preparando para a possibilidade de lançar uma guerra na fronteira libanesa, ou mesmo na área norte, mas, ao mesmo tempo, está tentando evitar tal erro porque, em casos similares no passado, – especificamente em Gaza – Israel interpretou mal as intenções do outro lado, o Hamas, e assim se envolveu na última guerra.

Há também os desafios dos coquetéis Molotov e os protestos na fronteira com Gaza, incluindo tiroteios e disparos de foguetes, para pressionar Israel a cumprir com as exigências e condições do Hamas. Isso apresenta a Israel uma mistura de desafios externos e internos, falta de governança e riscos de segurança nacional.

Quando o governo for solicitado a identificar as tarefas necessárias exigidas pelo exército para deter o Hamas, minando suas capacidades militares, estará enfrentando os mesmos dilemas que o nível político em Israel enfrenta desde 2007.

Na Cisjordânia, Israel, mais uma vez, enfrentará a possibilidade de incidentes de segurança, pois o Hamas está se fortalecendo enquanto o regime Mahmoud Abbas está ficando mais fraco, como resultado do declínio da legitimidade da Autoridade Palestina. A AP pode ser vista como um concorrente político duro por Israel e, ao mesmo tempo, como um parceiro de segurança, o que pode levar Israel a assegurar seu futuro como Estado judaico, preservar opções estratégicas e evitar seu perigoso deslizamento em direção a um Estado binacional.

LEIA: Israel pratica apartheid, dizem acadêmicos dos EUA

O monitoramento destas ameaças à segurança vem em um momento em que os círculos militares israelenses estão expressando preocupação com o que eles chamam de “comportamento de medo” que impulsiona Tel Aviv, pelo qual os israelenses pagarão um preço pesado. Tudo isso parece muito ruim para o futuro de Israel.

É verdade que os israelenses consideram tal afirmação impopular, mas, ao mesmo tempo, não parecem conseguir escapar dela. Os israelenses parecem fracos e os recentes acontecimentos que estão surgindo neste momento são apenas um elo nesta corrente.

Os círculos israelenses afirmam que as condições penitenciárias dos prisioneiros palestinos são causadas pelo fato de que a Autoridade Prisional Israelense tem medo dos prisioneiros. Ela teme que, se intensificar seu assédio contra eles, o resto das prisões intensificará seus protestos e então os prisioneiros declararão uma greve de fome. Um deles pode ser martirizado, resultando em caos de segurança na Cisjordânia.

Embora a Força Aérea israelense tenha tudo para realizar seus ataques agressivos contra os palestinos e os países árabes vizinhos – apesar do que está sendo dito sobre os ataques a complexos de treinamento, locais militares ou instalações de armazenamento de armas – todos estes anúncios não podem esconder o fato de que os israelenses têm medo.

Além disso, as alegações do exército israelense de atentados a bomba repetidos contra todas as bases militares palestinas abandonadas em Gaza não parecem dissuadir ninguém. Há anos, os palestinos queimam os terrenos dos colonos, seja durante esta administração ou antes dela. Os israelenses são incapazes de iniciar um ataque, o que significa que tudo está ao contrário em Israel. O Hamas, uma pequena organização, está resistindo continuamente enquanto Israel, o país poderoso, só reza pela calma de vez em quando.

Os israelenses veem diariamente vídeos de seus veículos do exército sendo atingidos por pedras e coquetéis Molotov a uma distância zero na Cisjordânia. O exército parece estar em fuga, hesitante, confuso e desejoso de terminar o dia em silêncio. Assim como a história do sapo na panela fervente, eles estão acostumados a esta realidade, o que significa que seu declínio não começou em Gaza e não terminará lá.

Talvez o que aconteceu dentro de Israel há apenas alguns meses seja outro exemplo do medo israelense, quando milhares de “palestinos de 1948” organizaram violentos protestos, agitando bandeiras palestinas nas ruas de Israel. Os israelenses lidaram com estes eventos como se fossem um problema entre vizinhos, e não uma guerra nacional travada contra a ocupação.

Em conclusão, a continuação dos acontecimentos desta maneira dá aos palestinos a impressão de que Israel não tem a força ou a vontade de lutar. Isso significa que Israel, após 73 anos de sua fundação, entrou em uma fase de sono, uma convicção que está se estabelecendo mais firmemente entre os israelenses, levando a importantes questões sobre se Israel realmente quer existir nesta parte do mundo que está cheia de ameaças à segurança!

LEIA: Israel fecha a Mesquita de Ibrahimi para muçulmanos

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasCoronavírusEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments