Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Como dois líderes, com décadas de diferença, imaginaram a União Africana

Chefes de Estado e chefes de governo africanos, membros da Organização da Unidade Africana (OUA), participaram de uma conferência em 09 de novembro de 1966 em Adis Abeba. A OUA foi criada em maio de 1963 e está sediada em Addis Abeba. [AFP via Getty Images]

A semana passada marcou 22 anos desde que a União Africana (UA) substituiu a Organização da Unidade Africana (OUA), que foi criada em 1963 com apenas 32 membros. Os outros 22 países da África ainda não conquistaram a independência da Grã-Bretanha, França, Portugal e Espanha. A África do Sul ainda estava sob o apartheid e não apenas ocupou a moderna Namíbia, mas também impôs seu sistema imoral ao povo. Na década de 1990, o apartheid desapareceu da África, mas acabou encontrando outro lar em Israel, onde se tornou a política padrão contra os palestinos.

O principal objetivo da OUA era a emancipação da África das algemas do colonialismo ocidental. Na véspera do novo milênio, orgulhava-se de sua conquista, apesar de muitos obstáculos, ao dar as boas-vindas ao seu mais recente membro, a recém-independente Namíbia.

Muitos líderes africanos já começaram a pensar no futuro de seu continente. Se a OUA alcançou a independência, chegara a hora de uma abordagem diferente, mais voltada para o futuro, que exigisse novos mecanismos políticos e econômicos. Esta foi uma visão que nunca escapou do presidente fundador de Gana, Kwame Nkrumah. “As forças que nos unem são intrínsecas e maiores do que as influências sobrepostas que nos separam”, disse ele uma vez. O colonialismo ocidental dividiu a África, mas depois da independência só precisou de vontade política para uni-la, como o continente mais jovem com cerca de 1,4 bilhão de pessoas e idade média de apenas 20 anos.

Durante a cúpula da OUA em julho de 1999 na Argélia, o falecido líder líbio Muammar Gaddafi propôs a transformação da organização na União Africana e ofereceu-se para sediar a cúpula inaugural. Dois meses depois, em Sirte, Líbia, os líderes nacionais concordaram com sua proposta para a UA. O anúncio formal foi feito em 9 de setembro de 1999. Um ano depois, foi assinado o ato constitutivo que instituiu oficialmente o sindicato. A UA substituiu a OUA. A mudança significou novos objetivos e metas de longo prazo com foco na unidade, crescimento econômico, estabilidade política, paz e boa governança.

LEIA: Colonialismo e solidariedade definem a decisiva batalha Israel-Palestina na África

Tirando partido dos grupos regionais existentes, a UA encorajou e preservou os blocos de construção integrais semelhantes aos da União Europeia, como a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental. Entidades regionais comparáveis ​​existiam no leste, norte e sul da África. Essa cooperação regional forneceu a base para a UA tal como a conhecemos hoje.

Em 9 de julho de 2002, em Durban, África do Sul, a UA estabeleceu o Conselho de Paz e Segurança (CPS). Ainda é o estabelecimento africano mais integrado sob a UA e pode muito bem ser o mais importante.

Concentrando-se na manutenção da paz, o PSC procurou encontrar soluções africanas para os problemas africanos, sejam eles a luta contra o terrorismo ou golpes militares que inviabilizaram o processo democrático em África. O histórico do conselho, porém, não é tão bom.

O conselho enviou missões, sob a autoridade da UA, em várias zonas de conflito, incluindo a Somália e a província sudanesa de Darfur. O CPS também é parceiro em missões multinacionais nas quais forças são oriundas da UE, da ONU e de outros países africanos que trabalham para combater o terrorismo. Um bom exemplo disso é encontrado na região do Sahel na África, na luta contra o grupo terrorista Boko Haram. Os países do G5 Sahel – Chade, Mauritânia, Mali, Níger e Burkina Faso – fornecem a espinha dorsal de uma força militar conjunta na área.

Sessão de abertura da 33ª Cúpula de Chefes de Estado da União Africana em Adis Abeba, Etiópia, em 9 de fevereiro de 2020 [Mınasse Wondımu Haılu / Agência Anadolu]

Politicamente, a UA também tem sido muito ativa em seus esforços de mediação de conflitos em lugares como a Líbia. Também tentou, embora com pouco sucesso, encontrar uma solução para a disputa da barragem do rio Nilo entre a Etiópia, o Egito e o Sudão.

Para encorajar a democratização dos sistemas políticos em África, a UA começou a usar sanções em todo o continente como forma de punir quaisquer golpes militares. Um exemplo disso foi visto no Egito em 2013, após a tomada militar que levou o presidente Abdel Fattah Al-Sisi ao poder. Mais recentemente, a UA suspendeu a adesão da Guiné-Bissau depois que os militares derrubaram seu presidente em abril. A mesma política se aplicou ao Mali após o golpe militar em junho passado.

A suspensão pode não ser um remédio eficaz para golpes militares na África, mas ter todos os países africanos agindo juntos, através da UA, é algo novo no continente. Golpes militares, bem-sucedidos ou não, ainda acontecem, mas são menos frequentes e seus perpetradores sabem que eles terão um preço a pagar.

Dentro do CPS, existe o Painel dos Sábios, um órgão consultivo composto por dignitários africanos, incluindo ex-presidentes. Sua principal tarefa é trabalhar como mediador diplomático em pontos críticos, particularmente na resolução de conflitos e disputas transfronteiriças que continuam a envenenar as relações intra-africanas. Os membros do painel atual incluem os ex-presidentes da Libéria e da Nigéria e o ex-vice-presidente de Uganda.

LEIA: Israel deveria ser expulso da União Africana

A UA ainda não é o que Kwame Nkrumah imaginou, nem o que Gaddafi tinha em mente. Nkrumah sonhava com uma África unida, enquanto Gaddafi queria os Estados Unidos da África, completos com sua própria moeda, banco central e exército.

A América ajudou a remover Nkrumah em 1966 e a França ajudou a depor Gaddafi em 2011. Ambos os homens compartilhavam a mesma visão pan-africana e não é totalmente implausível que tenham sido obrigados a pagar por isso com a vida. Ambos acreditavam fortemente na universalidade da luta pela liberdade na África e além, e seus legados anticoloniais no continente são inesquecíveis.

Nesse contexto, como potência colonial, Israel foi expulso de seu status de observador na OUA assim que a UA foi fundada. No entanto, em julho foi readmitido como observador, mas a decisão foi rejeitada por todos os principais membros da UA, incluindo Argélia, Nigéria, Egito e África do Sul.

A UA precisa continuar o seu processo de construção com foco na independência, comércio intra-africano e segurança transfronteiriça. Embora tais objetivos não sejam impossíveis, a interferência estrangeira continua a ser o maior obstáculo à plena integração africana. Embora a África hoje esteja longe de ser totalmente independente como imaginado por seus líderes anteriores, pelo menos a tocha não caiu e seus ideais estão sendo revividos todos os dias.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulArtigoIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Africana
Show Comments
Show Comments