Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel tortura prisioneiro palestino após recapturá-lo, segundo relatos

Prisioneiros palestinos conversam com parentes na penitenciária israelense de Gilboa, 5 de março de 2006 [Hagai Aharon/AFP via Getty Images]

Mohammad al-Arida, um dos prisioneiros palestinos que escapou da penitenciária de segurança máxima de Gilboa, sofreu tortura após ser recapturado pelas forças israelenses, reportou seu advogado Khaled Mahajneh a jornalistas, na noite de terça-feira (14).

Segundo o advogado, al-Arida expressou “enorme alegria” com os poucos dias de liberdade que vivenciou na última semana.

“O fruto que experimentou pela primeira vez em 22 anos compensou todo o tempo que passou atrás das grades”, afirmou o advogado.

Entretanto, destacou que o prisioneiro foi exposto a “tortura severa” após sua captura. Conforme o relato, al-Arida tem ferimentos por todo o corpo após ser interrogado por até vinte soldados israelenses — o prisioneiro permaneceu nu na maior parte do tempo.

“[Al-Arida] dormiu apenas por dez horas desde o último sábado [quando foi capturado] e enfrenta contínuo interrogatório”, observou Mahajneh. “Um dos interrogadores lhe disse: ‘Você não merece viver. Você merece apenas a bala da minha pistola’”.

LEIA: São Paulo exige liberdade aos presos políticos palestinos e lembra massacre de Sabra e Chatila

Segundo o advogado, al-Arida está detido em uma cela de somente dois metros por um metro, sob vigilância integral de câmeras e carcereiros.

“A primeira vez que se alimentou desde sua captura foi na segunda-feira”, prosseguiu. “Impediram-no de descansar e orar e ele não sabe mais quando é dia ou noite”.

Além disso, apesar das prerrogativas legais, al-Arida foi algemado e acorrentado e seis guardas permaneceram na sala durante todo o encontro com sua defesa.

O prisioneiro não tem informações específicas sobre a recaptura dos outros fugitivos, mas denunciou que a polícia israelense agrediu gravemente Zakaria al-Zubiedi.

LEIA: Os presos palestinos, a tortura como regra sionista e a solidariedade desde o Brasil

Al-Arida observou não ter ciência do apoio internacional a ele e aos outros fugitivos, mas pediu ao advogado para agradecer a todos pela solidariedade e preocupação.

Durante a reunião com seu advogado, al-Arida compartilhou detalhes da fuga: “Todos nós demos nosso melhor para entrar nas cidades árabes em Israel sem ferir ninguém ou atrair as forças de segurança … Tentamos chegar à Cisjordânia, mas não conseguimos”.

Al-Arida assumiu a responsabilidade por planejar e executar a chamada “Operação Túnel da Liberdade”, a partir de dezembro.

“Nenhum outro prisioneiro ajudou aqueles que escaparam”, enfatizou.

Sua captura foi “acidental”, sem qualquer delação de terceiros: “Uma patrulha de polícia passava pela área onde nos escondíamos e um policial nos viu”.

Os prisioneiros carregavam um pequeno rádio, através do qual acompanhavam as notícias sobre a fuga. Tel Aviv lançou uma enorme operação para recapturar os seis palestinos, após o incidente ser descrito como “vergonha” e “derrota” da ocupação israelense.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments