Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quantos palestinos mais devem morrer pela “segurança” de Israel?

As forças israelenses detêm um palestino no Portão de Damasco em Jerusalém em 10 de junho de 2021 [Agência Eyad Tawil/Anadolu].

Uma grande campanha do exército israelense está tomando as mídias sociais com força. O objetivo não declarado da iniciativa “#Untie_Our_Hands” (desamarre nossas mãos, em livre tradução) é o desejo de matar, sem responsabilidade, mais manifestantes palestinos na fronteira nominal com a Faixa de Gaza. A campanha foi motivada pela morte de um atirador israelense, Barel Hadaria Shmueli, que alegadamente foi baleado do lado palestino da cerca em 21 de agosto.

Minha pergunta imediata é a seguinte: o que mais querem os soldados israelenses? Eles já mataram mais de 300 manifestantes palestinos desarmados e feriram e mutilaram a outros milhares na Faixa de Gaza durante o que os palestinos chamam de “Grande Marcha de Retorno”, entre 2018 e 2020. E eles o fizeram impunemente. Ninguém está “amarrando suas mãos”.

Esta “marcha” está agora sendo recorrente, embora ocorra com frequência à noite. Jovens palestinos frustrados se reúnem aos milhares, entoando slogans anti-israelenses de ocupação e, às vezes, atirando pedras em franco-atiradores israelenses posicionados a quase uma milha de distância.

Meses após a última investida israelense contra Gaza – uma guerra relativamente breve, mas ainda mortal entre 10 e 21 de maio – o status quo sufocante na Faixa sitiada não mudou: o hermético cerco israelense; os atiradores furtivos; o ocasional bombardeio noturno; o desemprego devastador; os fechamentos; e a falta de tudo, desde água limpa até cimento e até mesmo medicamentos contra o câncer. Tudo isso ainda é uma realidade diária.

LEIA: Soldados israelenses matam palestinos em Ramallah, na Cisjordânia ocupada

Não deve ser surpreendente, portanto, que os palestinos em Gaza, especialmente os jovens, estejam precisando desesperadamente de uma plataforma para expressar sua digna raiva diante desta miséria contínua. Daí os recorrentes protestos em massa na cerca…

Os políticos israelenses e a mídia exageram intencionalmente a “ameaça” que os manifestantes de Gaza representam para a segurança de Israel. Eles falam de “balões incendiários” como se fossem bombas de 500 libras lançadas por caças. Eles estão aterrorizados com a perspectiva de crianças de Gaza “atravessando a fronteira”, uma referência às cercas que Israel estabeleceu arbitrariamente ao redor de Gaza sem respeitar qualquer demarcação de cessar-fogo reconhecida pela ONU.

Esta confusão para gerar medo está de volta com uma vingança. A morte do atirador israelense proporciona uma oportunidade para que os políticos em Israel se apresentem ao eleitorado como defensores do exército e os campeões da “segurança” israelense. Uma caça às bruxas política está em curso contra aqueles que supostamente “algemam as mãos de nossas tropas”.

Franco-atiradores israelenses disparam contra palestinos e imprensa durante protesto – Cartoon [Sabaaneh/MEMO]

Esta mesma afirmação foi feita por Naftali Bennett em 2019, muito antes de se tornar o primeiro-ministro de Israel. “O Supremo Tribunal está algemando as mãos das tropas [das Forças de Defesa de Israel]”, alegou ele, antes de prometer “libertar a IDF do Supremo Tribunal”.

Um ano antes, Bennett ofereceu mais detalhes sobre como ele pretendia acabar com os protestos palestinos na fronteira de Gaza. Respondendo a uma pergunta durante uma entrevista da Rádio do Exército Israelense sobre o que ele faria se fosse o ministro da defesa do país, ele respondeu: “Eu não permitiria que terroristas atravessassem a fronteira de Gaza todos os dias… e se o fizessem, deveríamos atirar para matar”. Terroristas de Gaza não deveriam entrar em Israel… Assim como no Líbano, na Síria ou em qualquer outro lugar, deveríamos atirar para matar”.

A ênfase em “matar” em resposta a qualquer forma de protesto palestino parece ser o denominador comum entre oficiais israelenses, oficiais superiores do exército e soldados comuns. Estes últimos, que estão por trás da campanha da mídia social, parecem estar aproveitando seu tempo na fronteira com Gaza. De acordo com seus próprios testemunhos, os atiradores rastreiam o número de palestinos que atiram, tentam bater os recordes uns dos outros e aplaudem em vídeo quando documentam um “tiro limpo” contra um manifestante. Isto ilustra o nível de violência horrível contra aqueles palestinos, em sua maioria jovens, incluindo crianças.

Os franco-atiradores israelenses trabalham em pares. Uma terceira pessoa, conhecida como o “localizador”, ajuda-os a identificar seu próximo alvo. Eden é um franco-atirador israelense que, juntamente com alguns outros, deu seu testemunho ao jornal israelense Haaretz, em março de 2020. Ele está particularmente orgulhoso de um marco que ele e sua equipe “alcançaram”.

“Naquele dia, nossa dupla teve o maior número de golpes, 42 no total”, disse ele. “Meu localizador não deveria atirar, mas eu lhe dei uma pausa porque estávamos nos aproximando do fim do nosso período, e ele não tinha joelhos”. No final, você quer sair com a sensação de que fez algo, de que não era um atirador furtivo apenas durante os exercícios. Então, depois de alguns golpes, eu sugeri a ele que trocássemos. Ele ficou com cerca de 28 joelhos lá, eu diria”.

Tais testemunhos são ainda mais validados por imagens de vídeo ocasionais de franco-atiradores israelenses aplaudindo depois de atirar em crianças palestinas na fronteira. Em abril de 2018, um vídeo particular de soldados torcendo, juntamente com esse tipo de diálogo que indica que os israelenses não têm qualquer consideração pelas vidas palestinas, foi divulgado para a mídia internacional. Até mesmo a CNN o noticiou.

Esta violência não está limitada à Gaza. O debate sobre a política de “atirar para matar” de Israel no resto dos territórios palestinos ocupados tem sido intenso há anos. Em 2017, a Human Rights Watch vinculou o aumento do número de palestinos mortos pelas mãos de soldados capacitados ao discurso violento que emana do próprio governo israelense.

“Desde outubro de 2015, [HRW] tem documentado numerosas declarações de políticos israelenses seniors, incluindo o ministro da polícia e o ministro da defesa, pedindo à polícia e aos soldados que atirem para matar suspeitos de ataque, independentemente de a força letal ser realmente estritamente necessária para proteger a vida”, disse a organização.

LEIA: Israel fere 14 manifestantes palestinos na Faixa de Gaza

A questão acima foi destacada na execução do já deficiente Abdel Fattah Al-Sharif na cidade ocupada de Al-Khalil – Hebron – em março de 2016, e no assassinato de Ahmad Erekat em um posto de controle militar na Cisjordânia, em julho do ano passado. Erekat não só não representou uma ameaça imediata às vidas dos soldados de ocupação, mas também, de acordo com uma declaração de 83 ONGs palestinas e internacionais, ele “foi então deixado sangrando até a morte por uma hora e meia, enquanto as forças de ocupação israelenses lhe negavam acesso a cuidados médicos”.

Dado o número desproporcional de vítimas palestinas que, às vezes, enchem os mortuários em Gaza, é impossível entender o que os soldados, seus generais e políticos realmente querem quando dizem “desamarrar nossas mãos”. Muito mais desconcertante é a apatia da comunidade internacional enquanto os israelenses debatem o número de palestinos a serem mortos. Quantos mais devem morrer por causa da “segurança” de Israel?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments