Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A mídia ocidental trabalhou horas extras para demonizar o valente povo do Afeganistão’, diz líder do Talibã

Membros do Talibã se reúnem e fazer discursos na frente da governadoria de Herat após a conclusão da retirada dos EUA do Afeganistão, em Herat, Afeganistão em 31 de agosto de 2021 [Mir Ahmad Firooz Mashoof/Agência Anadolu]
Membros do Talibã se reúnem e fazer discursos na frente da governadoria de Herat após a conclusão da retirada dos EUA do Afeganistão, em Herat, Afeganistão em 31 de agosto de 2021 [Mir Ahmad Firooz Mashoof/Agência Anadolu]

Na madrugada desta terça-feira, o Talibã celebrou a partida do último avião de soldados dos EUA e seu embaixador do Afeganistão, após uma ocupação de 20 anos do país liderada pelos EUA.

Membros jubilosos do Talibã desfilaram nas ruas de Cabul, enquanto seus líderes marcavam o que chamaram de “dia da independência” do Afeganistão.

“Estamos muito felizes com o fato de o povo de Cabul e de outras capitais nos receber de braços abertos, sem permitir que os círculos belicistas tenham a oportunidade de prolongar o ciclo destrutivo do conflito”, disse Abdul Qahar Balkhi, um dos principais membros da Comissão Cultural do Talibã.

“Eles se uniram em defesa da causa do Islã e do estabelecimento de um sistema islâmico no Afeganistão, de acordo com os valores de nosso povo orgulhoso e em busca de liberdade.”

Desde o dia em que o Talibã voltou ao poder e se posicionou no palácio presidencial em Cabul, assumindo o controle do Afeganistão, a grande mídia tem dado ao novo governo uma cobertura crítica e até hostil.

Continuam a surgir relatos da mídia sobre buscas de casa em casa e violência supostamente cometida pelo Talibã, inclusive em Cabul.

Além disso, vimos pessoas desesperadas, incluindo crianças, pulando nas laterais de aviões na pista de Cabul, agarrando-se a uma tentativa perigosa e, em última análise, inútil de fugir do país.

“É lamentável”, disse Abdul Qahar. A histeria, explica ele, é o resultado de anos de persistente demonização do Talibã, com uma “minoria muito pequena de pessoas” sendo vítima da propaganda, apesar de altos funcionários do Talibã declararem anistia geral para todos os cidadãos, incluindo funcionários do governo e de segurança.

O novo governo está repetidamente esclarecendo que suas forças devem tratar a população com respeito e não distribuir punições arbitrárias para restaurar a paz. No entanto, muitos desconfiam deles desde o governo anterior do Talibã sobre o país, que durou de 1996 até a invasão de 2001 pelas forças lideradas pelos EUA.

LEIA: Depois do Afeganistão, aliados dos EUA devem estar com sensação de abandono

Abdul Qahar culpa os EUA pelas cenas caóticas no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul. Vídeos assustadores surgiram de bebês e crianças sendo passados ​​para soldados por cima de cercas de arame farpado e homens agarrados à parte externa de aviões que partiam.

“A raiz da histeria é o incentivo aos EUA e os rumores sobre vistos na chegada para todos”, disse o líder do Talibã.

“Os EUA continuam a promover a imagem de ‘Hollywood’ da América e falsas promessas de prosperidade ou pastagens mais verdes do outro lado. E como a maioria das pessoas no Afeganistão vive abaixo da linha da pobreza devido a quatro décadas de ocupação estrangeira e guerra imposta, muitos naturalmente desejam sair de casa em busca de melhores meios de subsistência. ”

Notícias do Afeganistão mostram há anos um estado gravemente oprimido, libertado pelos soldados dos EUA em 2001 para legitimar uma intervenção externa.

Enquanto isso, as Nações Unidas alertam que o Afeganistão está à beira de uma catástrofe humanitária, pois o país enfrenta o agravamento da crise econômica e uma seca devastadora.

Os EUA gastaram US$ 2,26 trilhões em sua guerra no Afeganistão, de acordo com o projeto Costs of War. No entanto, a maior parte desses fundos, quase US $ 1,5 trilhão, foi gasta na manutenção da ocupação dos EUA, lançando dezenas de milhares de bombas e mísseis sobre os afegãos.

Abdul Qahar também observa o papel da mídia em alimentar o medo do Talibã. “A mídia lamentavelmente não desempenhou um papel positivo na distribuição de nossa mensagem de paz”.

“Em vez de refletir a realidade de que a grande maioria dos afegãos está realmente feliz com a segurança e a vida voltando ao normal, eles estão se concentrando desproporcionalmente na situação no aeroporto, que é causada pelo fato de os EUA encorajarem as pessoas a partirem e não permitirem que entrem porque não possuem a documentação adequada. ”

Ele critica a mídia ocidental em particular por “trabalhar horas extras para demonizar o valente povo do Afeganistão que lutou corajosamente por seu direito à autodeterminação“.

“É claro que, quando a mídia é financiada por um grupo específico, eles pressionam e promovem certas agendas”, acrescenta, acusando-o de retratar o Talibã como uma ‘força do mal que impõe seus valores e ideais a países estrangeiros e como uma sociedade tribal fragmentada inconsciente da política mundial’

LEIA: As armas da mídia do engano em massa

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasEntrevistasEUA
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments