Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Status da AP continua a enfraquecer, aponta pesquisa israelense

Rei da Jordânia Abdullah II (à direita) encontra-se com o Presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas, em Amã, 15 de agosto de 2021 [Presidência Palestina/Agência Anadolu]

Uma pesquisa recente conduzida pelo Instituto de Estudos de Segurança Nacional da Universidade de Tel Aviv revelou que o status da Autoridade Palestina (AP), com sede na Cisjordânia ocupada, continua a enfraquecer gradativamente.

“Três meses após a Operação Guardião dos Muros, parece que o status de Abu Mazen [Mahmoud Abbas] e sua Autoridade Palestina continua a deteriorar-se”, afirmou o relatório da pesquisa, conduzida pelo especialista em segurança Yohanan Tzoreff.

Tzoreff alegou que as críticas vigentes da opinião pública sobre a Autoridade Palestina “não almejam uma mudança na política ou remoção de algumas medidas … mas sim demonstram aversão e falta de interesse na manutenção da entidade em seu formato atual”.

Destacou o pesquisador israelense: “A AP é percebida [pelos palestinos] como corrupta, incapaz e destinada a colapsar e ser recomposta junto de fundações distintas”.

“O cancelamento das eleições em abril de 2021 revelou que o público palestino considera fútil a política adotada por Abu Mazen, desde sua posse em 2005”, prosseguiu.

Segundo Tzoreff, os palestinos enxergam a contínua cooperação de segurança entre Abbas e Israel como “fraca e submissa”, de modo a “aliviar Israel do fardo da segurança”.

O pesquisador também afirmou que a condução dos aparatos de segurança da AP é uma das razões para a indignação pública sobre Abbas, com menção ao assassinato em custódia do ativista político e opositor Nizar Banat, no fim de junho.

LEIA: Família de ativista palestino busca justiça internacional por seu assassinato

“Banat, figura independente da oposição que frequentemente divulgava vídeos críticos à AP, atraiu muitos seguidores”, declarou Tzoreff. “Desde sua morte, as forças de segurança evitam confronto direto com o público e intervêm menos nas disputas tribais”.

Segundo o acadêmico israelense, os pontos que motivam a aversão a Abbas são: a cooperação de segurança, o impulso popular das manifestações em curso e os protestos na Cisjordânia ocupada, tanto contra Ramallah quanto Tel Aviv.

Em conclusão, questionou Tzoreff: “Pode Israel contentar-se com esforços para melhorar a infraestrutura econômica e o cotidiano dos palestinos, enquanto insiste em sua política de gestão de conflito ou deve prestar mais atenção a outros aspectos da equação, que envolvem as aspirações nacionais dos palestinos?”

Redarguiu: “Parece que não tem como evitar um esforços — de preferência israelo-internacional — para propor aos palestinos um horizonte político e criar condições para reformular sua situação interna e evitar assim uma perigosa instabilidade, quando um novo governante assumir o poder após a era de Abu Mazen”.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments