Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Vídeo mostra comediante afegão zombando de talibãs pouco antes de ser executado

Nazar Mohammad Kasha, conhecido como Khasha Zwan [Reprodução/Twitter/IzharBhittani]
Nazar Mohammad Kasha, conhecido como Khasha Zwan [Reprodução/Twitter/IzharBhittani]

Um vídeo, que viralizou nas redes sociais, mostra o momento em que o comediante afegão, Nazar Mohammad Kasha, é capturado por membros do Talibã, que retomou o poder no Afeganistão. Conhecido pelo nome artístico de Khasha Zwan e famoso por suas piadas do Talibã, o vídeo gravado no fim de julho, mostra o artista capturado, zombando dos homens, mesmo sob a mira de um fuzil ak-47, e apanhando por isso, logo antes de ser executado.

Segundo o Daily Mail, o vídeo mostra Kasha Zwan fazendo piadas sobre o grupo, enquanto estava na traseira de um carro com um insurgente em cada lado, um deles com uma metralhadora Kalashnikov, até ser esbofeteado no rosto por um combatente. O homem à sua esquerda, é visto rindo, e troca de forma ameaçadora sua metralhadora por uma arma de fogo ainda maior, enquanto o homem à sua direita, grita instruções para o motorista. O jornal afirmou que, de acordo com relatos, fotos mostram o comediante amarrado a uma árvore e depois deitado no chão com a garganta cortada.

LEIA: Os afegãos venceram o invasor

Apesar de ter inicialmente negado o envolvimento, o grupo assumiu a autoria da morte e afirmou que ele foi levado para um local não informado, agredido e baleado várias vezes por dois combatentes. Um porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, confirmou que Khasha foi capturado e executado por dois integrantes do grupo e que eles serão investigados pelo ato. Segundo ele, o comediante teria tentado roubar uma arma, trabalhava para a Polícia Nacional Afegã e esteve envolvido na tortura de diversos talibãs.

“Ele serviu por 18 anos como comandante de um posto, andava em armas, trabalhava com os EUA e se envolveu em extorsões e atos brutais. Ele não era um comediante nem inocente. Também estamos investigando por que ele foi morto sem julgamento”, disse Mujahid ao Arab News.

A organização Human Rights Watch denunciou a execução do comediante no dia 30 de julho, denunciou a execução, afirmando que as forças do Talibã estavam atacando os críticos, apesar do movimento afirmar ter ordenado que seus combatentes agissem com contenção.

“Entre os casos recentes, o Talibã executou um popular comediante Kandahari, Nazar Mohammad, conhecido como Khasha Zwan, que postava vídeos com canções e piadas no TikTok. Segundo informações, ele também trabalhou com a polícia local. Em 22 de julho de 2021, combatentes talibãs raptaram Khasha Zwan de sua casa no sul de Kandahar, bateram nele e depois atiraram nele várias vezes. Após um vídeo de dois homens batendo e abusando de Khasha Zwan aparecer na rede social, o Talibã admitiu que dois de seus combatentes o haviam matado”, escreveu a organização

LEIA: Levantando o véu da magnitude da arrogância ocidental

“As forças do Talibã aparentemente executaram Khasha Zwan porque ele ridicularizou os líderes do Talibã”, disse Patricia Gossman, diretora associada da Ásia na Human Rights Watch. “Seu assassinato e outros abusos recentes demonstram a disposição dos comandantes do Talibã de esmagar violentamente até mesmo as críticas ou objeções mais brandas”.

A HRW acrescentou que ativistas em Kandahar denunciaram que os combatentes do Talibã prenderam dezenas de pessoas associadas ao governo ou a polícia nos vilarejos ao redor da capital provincial. A organização frisou que o direito humanitário internacional proíbe execuções sumárias, desaparecimentos forçados e outros maus-tratos a qualquer pessoa sob custódia, que são crimes de guerra. “É ilegal deter civis, a menos que seja absolutamente necessário por razões imperativas de segurança. Os ataques de retaliação são uma forma de punição coletiva e também são proibidos. O Tribunal Penal Internacional está atualmente investigando alegações de crimes de guerra e graves abusos dos direitos humanos por todas as partes em conflito no Afeganistão, incluindo o Talibã. Os comandantes do Talibã que sabiam ou deveriam saber dos abusos das forças sob seu controle e não tomaram nenhuma ação para evitá-los ou detê-los são culpados como uma questão de responsabilidade do comando”.

“As forças avançadas do Talibã não têm um cheque em branco para atacar brutalmente seus críticos”, disse Gossman. “A liderança do Talibã geralmente nega os abusos, mas são seus combatentes que realizam esses ataques e sua responsabilidade de deter as mortes”.

Nazar Mohammad deixou esposa e filhas.

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasEUANotícia
Show Comments
Show Comments