Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Levantando o véu da magnitude da arrogância ocidental

O Talibã patrulha as ruas depois de assumir o controle de Herat, no Afeganistão, em 22 de agosto de 2021 [Mir Ahmad Firooz Mashoof/Agência Anadolu]
O Talibã patrulha as ruas depois de assumir o controle de Herat, no Afeganistão, em 22 de agosto de 2021 [Mir Ahmad Firooz Mashoof/Agência Anadolu]

Nas últimas semanas, muito tempo foi gasto examinando o momento da retirada militar dos EUA, em vez de debater quem se beneficiou mais com a presença de tropas estrangeiras no Afeganistão nas últimas duas décadas. Além disso, para onde quer que você olhe, há um estranho grau de insensibilidade sempre que o Afeganistão ou o Talibã são discutidos.

Não posso deixar de me perguntar por que a tomada do Afeganistão pelo Talibã é a narrativa dominante, em vez da violência que os afegãos vêm sofrendo há décadas. Por que a retirada dos EUA é considerada uma traição, como se a invasão e a ocupação do Afeganistão fossem uma bênção? A ocupação estrangeira beneficiou muito menos o povo do Afeganistão do que o complexo militar-industrial ocidental. Os políticos e seus flautistas na mídia e grupos de reflexão que foram os responsáveis ​​pela invasão não estão sendo responsabilizados.

O Talibã e a América têm mais do que algumas coisas em comum. Ambos se alinharam com os bolsos de senhores da guerra que atacaram aldeias e executaram civis sumariamente, afastando os abusos dos direitos humanos sempre que possível. Com algumas exceções, os responsáveis ​​finais pela tortura e pelos assassinatos extrajudiciais permaneceram praticamente intocados, se não empurrados para cima na hierarquia. Sequestros, prisões em massa, invasões domiciliares, detenção por tempo indeterminado e assassinatos seletivos têm sido ferramentas comuns usadas por ambos os lados, diretamente ou por meio de milícias apoiadas pela CIA.

Na verdade, enquanto o Talibã empregou homens-bomba como arma furtiva, os EUA varreram aldeias e pessoas que compareciam a casamentos e funerais usando drones e ataques aéreos, seguidos por “investigações precárias e pagamentos infrequentes de condolências”, de acordo com a Human Rights Watch. Simplificando, os dois lados dessa guerra mataram civis, muitas vezes confundindo os limites entre o civilizado e o bárbaro. Mesmo assim, o mundo está entristecido com a saída dos Estados Unidos e horrorizado com a chegada do Talibã.

Estamos horrorizados com a queda do governo afegão apoiado pelos Estados Unidos pelo Talibã, mas esquecemos que menos de um milhão de afegãos – 2,5 por cento da população – votou em Ashraf Ghani, o presidente polarizador que fugiu do país enquanto o Talibã marchava para O capital.

Enquanto os líderes ocidentais estão agora ocupados culpando o governo afegão anterior por prometer o impossível, nossos presidentes, chanceleres e primeiros-ministros – e líderes militares também – precisam ser responsabilizados por orquestrar a guerra, a trágica perda de vidas e a negligência épica sobre como o dinheiro dos contribuintes foi gasto.

É verdade que os oficiais afegãos, rotineiramente, embolsavam dinheiro para suas tropas, vendiam armas no mercado negro e mentiam sobre o número de soldados em suas fileiras, mas sabíamos que era um governo corrupto e o apoiamos mesmo assim. Além disso, foram nossos líderes que mentiram repetidamente para nós sobre essa guerra invencível. Disseram-nos que “não há caminho militar para a vitória do Talibã”, pois os militares afegãos eram “mais bem treinados, mais bem equipados e mais competentes”.

Claro, o Talibã é implacável e implacável em seus métodos, mas nunca mentiu para o público ocidental. O exército guerrilheiro maltrapilho nunca afirmou que seu inimigo estava perdendo ímpeto ou que uma ameaça cada vez menor precisava de uma força em expansão para combatê-la. Além disso, nunca mudou os objetivos de proteger as mulheres afegãs e libertar o povo oprimido para a construção da nação.

Embora os EUA tenham invadido o Afeganistão para vingar as 2.996 pessoas mortas em 11 de setembro e punir a Al-Qaeda e seus anfitriões como parte de sua diplomacia de canhoneiras, a morte de Osama Bin Laden em 2011 foi uma oportunidade para Washington reduzir suas perdas e ir embora. Em vez disso, optou por permanecer, beneficiando o complexo militar-industrial, em constante crescimento. Embora tenha levado dois meses para derrubar o Talibã em 2001, levou vinte anos para que os Estados Unidos e a OTAN reconhecessem que uma força tecnologicamente superior ainda pode perder a guerra.

É verdade que, desde a invasão liderada pelos Estados Unidos em outubro de 2001, a mortalidade materna caiu para mais da metade no Afeganistão; a expectativa de vida aumentou de 56 para 64 anos; e a taxa de alfabetização aumentou de 8% para cerca de 43%, de acordo com o Banco Mundial. Mais de 9 milhões de crianças (40% delas meninas) puderam ir à escola, um aumento de nove vezes desde a última vez em que o Talibã ocupou o poder. No entanto, muito mais deu errado desde que o Talibã controlou o país pela última vez.

Bilhões de dólares de impostos foram desperdiçados em enormes projetos de infraestrutura que acabaram sendo desperdiçados na medida em que canais, represas e rodovias se deterioraram. Outros bilhões foram gastos em programas antinarcóticos, mas as exportações de ópio continuam em um nível recorde. Dezenas de bilhões também foram gastos em treinamento, equipamento e financiamento de 300.000 militares e policiais afegãos, mas todos eles desapareceram de uma só vez à frente do avanço do Talibã.

No total, mais de US$ 2 trilhões foram gastos levantando o véu – talvez devesse ser a burca – da magnitude da arrogância ocidental personificada pela América e a aliança da OTAN para substituir o Talibã pelo Talibã. Os afegãos, entretanto, pagaram o preço mais alto.

Por que, então, expressamos descrença nas visões misóginas do Talibã, mas temos pouco a dizer sobre o histórico perturbador de assassinatos, abusos e corrupção inflamada deixada pelas tropas dos EUA-OTAN e do governo afegão que foi colocado no poder pelo Ocidente? Desde 2001, mais de 170.000 afegãos foram mortos, de acordo com o projeto Custos da Guerra da Brown University, embora as mortes afegãs nunca tenham sido consideradas dignas de registro nos últimos 20 anos, então nunca saberemos os números reais de vítimas. Em contraste, sabemos que precisamente 3.592 soldados internacionais foram mortos, assim como 3.846 contratados de segurança privada dos Estados Unidos.

Por que essas questões não são centrais para esta conversa? Mais importante ainda, será que alguém será responsabilizado pela grotesca perda de vidas inocentes em ambos os lados da cerca, quanto mais pelo desperdício, fraude e abuso do dinheiro dos contribuintes?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasEUAONUOrganizações InternacionaisOTAN
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments