Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Vereadores de Lancaster, Inglaterra, apoiam campanha do BDS

Caixas de cereais Crunch Canela da marca General Mills Inc. à venda em uma loja em White Plains, Nova York, EUA, na sexta-feira, 19 de março de 2021 [Tiffany Hagler-Geard/Bloomberg via Getty Images]

Uma cidade de Lancashire, na Inglaterra, aderiu a uma moção de apoio à campanha global de boicote, desinvestimento e sanções (BDS) contra Israel. Vereadores da Câmara Municipal de Lancaster aprovaram uma moção no final do mês passado para “condenar as violações de Israel do direito internacional e o assassinato de civis palestinos” e exortando à adoção de políticas de desinvestimento de empresas israelenses ativas em assentamentos ilegais.

A adoção da moção significará que a Câmara escreverá ao Fundo de Pensões do Condado de Lancashire e à Parceria Local de Pensões – parte do esquema de pensões do governo local – “exortando a adoção de políticas que exijam o desinvestimento de todas as empresas ativas em assentamentos ilegais israelenses na Palestina e de todas as empresas de armas que fornecem armas a Israel”.

Foi relatado que a câmara municipal tem atualmente cerca de onze milhões de dólares investidos em empresas israelenses ligadas a assentamentos ilegais somente de judeus na Cisjordânia ocupada. Diz-se que o Fundo de Pensão do Condado de Lancashire fez investimentos em três empresas que realizam negócios em assentamentos israelenses ilegais na Palestina. De acordo com pesquisas da Campanha de Solidariedade da Palestina, essas empresas são General Mills, Booking.com, e Bank Hapoalim BM.

Campanha BDS Universidade de Manchester – Charge [Latuff]

O vereador O’Dwyer-Henry apresentou a moção após o bombardeio israelense de onze dias a Gaza, que matou mais de 250 palestinos, incluindo mulheres e crianças. “[os] abusos dos direitos humanos de Israel e as violações do direito internacional são graves e inegáveis”, disse O’Dwyer-Henry enquanto se dirigia à reunião do conselho, de acordo com o jornal Jewish Chronicle. “Ao votar a favor desta moção, podemos desempenhar nosso pequeno papel num movimento global de BDS em oposição à morte e destruição diárias desencadeadas na Palestina”.

O’Dwyer-Henry também mencionou a necessidade de recuar contra os esforços do governo Tory do Reino Unido para proibir os conselhos locais de boicotar os produtos israelenses. “Ao votar a favor desta moção estaremos enviando uma mensagem ao governo, que está planejando introduzir novas leis proibindo os conselhos de exercer nossos direitos democráticos de apoiar o BDS”, disse O’Dwyer-Henry.

Um segundo membro da câmara, que apoia a moção, falou do “risco de reputação” de investir em empresas israelenses. “[O fundo tem] escolhas e eles têm opções e um dos objetivos disto é dizer que há riscos de reputação se continuarmos investindo em empresas que operam em territórios palestinos ocupados ilegalmente”, disse a vereadora do Partido Verde, Gina Dowding, acrescentando, “As pessoas (…) querem saber que seu dinheiro de pensão não vem de nenhuma empresa que está abusando do sistema internacional e fazendo coisas ilegalmente”.

LEIA: Estudantes de Yale denunciam ‘apartheid’ israelense e ‘limpeza étnica’

O Conselho Municipal de Lancaster se torna a segunda instituição de autoridade local em menos de um mês a desinvestir em empresas israelenses. Em junho, o Fundo de Pensão Lothian de Edimburgo resistiu à pressão e aderiu ao boicote do Bank Hapoalim. O banco israelense é uma das nove instituições financeiras listadas no banco de dados de empresas da ONU que ajudam a desenvolver, expandir ou manter os assentamentos e suas atividades, fornecendo empréstimos para moradia e desenvolvimento de negócios nessas áreas.

A moção também segue a publicação de relatórios de referência que concluíram que Israel é culpado de crimes contra a humanidade por impor um regime de apartheid à Palestina. Em abril, a Human Rights Watch (HRW) juntou-se a uma série de outros grupos proeminentes para declarar que o Estado de ocupação estava cometendo os crimes de apartheid e perseguição. Em janeiro, o grupo israelense de direitos humanos B’Tselem disse que Israel “promove e perpetua a supremacia judaica entre o Mar Mediterrâneo e o rio Jordão”. Ambos fizeram eco das conclusões do relatório da ONU de 2017 que concluiu que Israel estava de fato praticando o apartheid.

Categorias
BDSEuropa & RússiaIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments