Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Prisioneiro palestino entra no 62º dia de greve de fome em Israel

Ghadanfar Abu Atwan foi preso em outubro de 2020 e mantido sob detenção administrativa pelas autoridades de ocupação israelenses desde então, ele lançou uma greve de fome exigindo sua libertação no início de maio de 2021 [QudsNen/Twitter].

O prisioneiro palestino Al-Ghadanfar Abu Atwan entrou no 62º dia de sua greve em protesto contra a detenção administrativa pela ocupação. Ele anunciou ontem que agora se absterá de beber água.

Abu Atwan, de 28 anos, começou sua greve em 5 de maio e desde então recusou todas as formas de alimentos ou suplementos.

Chamando a atenção para seu caso, a Liga Árabe advertiu Israel das “repercussões perigosas” decorrentes de violar os direitos mais básicos dos prisioneiros.

Em uma declaração, o secretário-geral adjunto e chefe do setor Palestino e Territórios Árabes Ocupados da Liga Árabe, Dr. Saeed Abu Ali, denunciou a ocupação israelense por desrespeitar constantemente “o direito à vida e as normas legais humanitárias” dos prisioneiros palestinos encarcerados.

Ele pediu às organizações internacionais e regionais que pressionem Israel a libertar e salvar as vidas dos prisioneiros grevistas da fome, Abu Atwan e Eyad Harbiyat, antes que seja tarde demais.

LEIA: Palestinos pedem que Israel solte grevistas de fome

Eyad Harbiyat está detido como prisioneiro da ocupação desde 2002 e sofre de um grave distúrbio neurológico. Segundo a agência de notícias Wafa, ele foi recentemente submetido a uma operação em um hospital israelense para que lhe fosse retirado um tumor do peito.

De acordo com a Sociedade de Prisioneiros Palestinos (PPS), cerca de 95 por cento dos prisioneiros palestinos em Israel sofrem maus-tratos e torturas durante a detenção e interrogatório.

O uso por Israel da detenção administrativa – prisão sem acusação ou julgamento – contra os palestinos “viola as convenções internacionais e outras normas internacionais para o direito a um julgamento justo”, disse o PPS, acrescentando que aos detentos administrativos são rotineiramente negados visitas familiares e outros direitos que deveriam ser concedidos a eles nos termos da lei.

Desde que Israel iniciou sua ocupação militar em 1967, prendeu quase 800 mil palestinos. Cerca de 4.500 estão sendo detidos no momento, dos quais mais de 350 são presos administrativos.

Categorias
IsraelLiga ÁrabeNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments