Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Histórias horríveis de garotas palestinas nas prisões israelenses

Mays Abu Ghosh (C) [@YourAnonCentral/Twitter]

Em um longo corredor, os agentes da inteligência israelense ficavam de pé e aplaudiam sarcasticamente enquanto os carcereiros levavam o Mays Abu Ghosh algemada para uma cela de interrogatório militar, relata a Agência Anadolu.

“Eles estavam zombando de mim, dizendo que eu morreria no interrogatório”, disse Mays à Agência Anadolu.

Em meio ao seu ciclo menstrual, Mays foi amarrada à cadeira por suas mãos e tornozelos, esticando seu corpo em forma de banana por horas, tornando impossível dormir.

“Eu não conseguia andar, os carcereiros me prendiam à cela”, acrescentou Mays.

LEIA: Israel deu medicamentos vencidos a prisioneiros palestinos, diz grupo de direitos

As mãos de May estavam constantemente sangrando devido às algemas. Ela se recusou a ser submetida a outra sessão de interrogatório militar, então o oficial de inteligência a agarrou e bateu com ela contra a parede.

A Mays continuou: “Eles não me forneceram nenhum absorvente ou roupa íntima que eu precisava neste período delicado para qualquer mulher no mundo”.

33 dias de tortura

Gosh, 24 anos, do campo de refugiados de Qalandiya, é uma estudante de jornalismo e mídia da Universidade de Birzeit que foi presa em 29 de agosto de 2019, e depois submetida a torturas horríveis em solitária por 33 dias no Centro de Interrogatório Al-Maskobya.

Durante seu confinamento nas famosas instalações, ela perdeu 12 quilos.

“Os oficiais estavam constantemente tentando me convencer de que eu tinha enlouquecido e estava tentando suicidio, então eles trouxeram assistentes sociais, mas na verdade eram outros oficiais”, conta Mays.

LEIA: No Dia Internacional do Parlamentarismo, Israel é acusado de prender parlamentares palestinos

Quando aqueles oficiais estavam na cela com Mays, ela lhes mostrou as feridas e hematomas que sofreu como resultado dos abusos a que havia sido submetida e lhes perguntou: “Quem quer matar outra pessoa? Eu sou uma estudante, e você está me detendo”.

Mays frequentemente pedia analgésicos para aliviar as dores na cabeça e nos músculos, mas frequentemente seus pedidos eram negados.

Durante as sessões de interrogatório, os oficiais forçaram deliberadamente Mays a ouvir os gritos dos detentos submetidos à tortura física nos interrogatórios militares, enquanto também a ameaçavam que o que aconteceria com ela seria ainda mais horrível.

“Eles me ameaçaram que eu seria morta ou paralisada, e ameaçaram me estuprar também”, disse ela.

Categorias
IsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments