Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Arquiteto da guerra do Iraque, Donald Rumsfeld morre aos 88

Rumsfeld desempenhou um papel importante antes da guerra, defendendo ao mundo a invasão de março de 2003.

Donald Rumsfeld, o secretário de defesa dos EUA que foi o principal arquiteto da guerra do Iraque, morreu na terça-feira aos 88 anos, informou sua família em comunicado ontem.

“É com profunda tristeza que compartilhamos a notícia do falecimento de Donald Rumsfeld, um estadista americano e devotado marido, pai, avô e bisavô”, disse o comunicado. “Aos 88 anos, ele estava cercado pela família em sua amada Taos, Novo México.”

Rumsfeld, que sucedeu o secretário de defesa da época da Guerra do Vietnã, Robert McNamara, como os homens mais poderosos para ocupar o cargo, trouxe repercussão bombástica ao cargo do Pentágono, projetando a abordagem vigorosa – e desastrosa – do governo Bush para os assuntos mundiais.

Com Rumsfeld no comando, os EUA derrubaram o presidente iraquiano Saddam Hussein, mas não conseguiram manter a lei e a ordem depois disso, e o Iraque caiu no caos com uma sangrenta e violência revolta entre sunitas e xiitas muçulmanos. As tropas dos EUA permanecem no Iraque até hoje.

Rumsfeld desempenhou um papel importante antes da guerra, defendendo ao mundo a invasão de março de 2003. Ele alertou sobre os perigos das armas de destruição em massa do Iraque, mas nenhuma dessas armas foi descoberta. Como resultado, seu nome está para sempre associado ao uso generalizado de tortura que afeta a reputação da América desde então e ao estabelecimento do controverso campo de prisioneiros da Baía de Guantánamo em Cuba.

Rumsfeld era conhecido pelo tratamento autoritário a alguns oficiais militares e membros do Congresso e por brigas internas com outros membros da equipe de Bush, incluindo o secretário de Estado Colin Powell. Ele também alienou aliados dos EUA na Europa.

Em 2004, Bush se recusou duas vezes a aceitar a renúncia de Rumsfeld, depois que surgiram fotos de policiais americanos abusando de prisioneiros na prisão de Abu Ghraib, fora de Bagdá. O escândalo provocou a condenação internacional dos Estados Unidos.

As fotos mostraram soldados americanos sorrindo, rindo e levantando os polegares enquanto os prisioneiros eram forçados a posições sexualmente abusivas e humilhantes, incluindo uma pirâmide humana nua e simulação de sexo. Uma foto mostrava um prisioneiro forçado a ficar em pé sobre uma pequena caixa, a cabeça coberta por um capuz preto, com fios presos ao corpo.

LEIA: Presidente do Afeganistão encontra-se com Biden em Washington

Rumsfeld autorizou pessoalmente técnicas severas de interrogatório para detidos. O tratamento dado pelos EUA a detidos no Iraque e a suspeitos de terrorismo estrangeiros em uma prisão especial montada sob Rumsfeld na base naval dos EUA na Baía de Guantánamo, Cuba, atraiu condenação internacional, com ativistas de direitos humanos denunciando que os prisioneiros foram torturados.

Rumsfeld tornou-se um pára-raios de críticas e, com a guerra do Iraque não progredindo como os Estados Unidos esperavam e o apoio público diminuindo, Bush o substituiu em novembro de 2006.

Muitos historiadores e especialistas militares culparam Rumsfeld pelas decisões que levaram a dificuldades no Iraque. Por exemplo, Rumsfeld insistiu em uma força de invasão relativamente pequena, rejeitando as opiniões de muitos generais. A força então foi insuficiente para estabilizar o Iraque quando Saddam caiu.

Rumsfeld também foi acusado de demorar em reconhecer a insurgência em 2003 e a ameaça que ela representava.

O líder da ocupação dos EUA sob Rumsfeld, L. Paul Bremer, r tomou duas decisões fatídicas. Uma dissolveu os serviços militares iraquianos, colocando milhares de homens armados nas ruas em vez de atrelar os soldados iraquianos como uma força de reconstrução, conforme planejado originalmente.

A segunda impediu até mesmo de membros juniores do antigo Partido Baath de participar do governo, essencialmente esvaziando os vários ministérios das pessoas que faziam o governo funcionar.

Rumsfeld também supervisionou a invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos em 2001 para expulsar os líderes do Taleban. Como fez no Iraque dois anos depois, Rumsfeld enviou uma pequena força ao Afeganistão, rapidamente expulsou o Taleban do poder e depois falhou em estabelecer a lei e a ordem.

Durante seu tempo fora do serviço público, Rumsfeld tornou-se rico como um empresário de sucesso, atuando como presidente-executivo de duas empresas Fortune 500. Em 1988, ele concorreu brevemente à indicação presidencial republicana dos EUA.

Rumsfeld também serviu como piloto da Marinha, embaixador da OTAN dos EUA e foi eleito para a Câmara dos Representantes dos EUA. Ele e sua esposa Joyce tiveram três filhos.

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasEstados UnidosIraqueNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments