Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os palestinos devem garantir que Nizar Banat não morreu em vão

Um grupo de palestinos segurando faixas se reúne para protestar contra a morte de Nizar Banat, em 24 de junho de 2021, em Ramallah, na Cisjordânia [Issam Rimawi/Agência Anadolu]

Nas últimas semanas, acordamos com notícias de mais mortes de palestinos em Gaza ou de outro ataque aos pacíficos moradores de Sheikh Jarrah em Jerusalém. No entanto, ontem, acordei com a notícia de outra morte de palestino muito diferente; desta vez foi o resultado de uma prisão violenta pelas forças de segurança da Autoridade Palestina.

Nizar Banat, um conhecido ativista político e crítico da Autoridade Palestina, estava dormindo em uma casa de família longe de sua casa. Isso ocorreu porque sua casa foi atacada em abril, provavelmente por suas declarações francas e vídeos sobre a conduta da AP.

Um parente próximo, Mohammed Atiyyah Banat, estava dormindo no mesmo quarto ao lado de Nizar e descreveu o horror do que aconteceu às 3h30, quando cerca de vinte membros das forças de segurança da AP arrombaram a porta, entraram na casa e se dirigiram para seu alvo. Mohammed disse a repórteres que os agressores esvaziaram três latas de spray de pimenta em Nizar enquanto ele ainda estava dormindo e começaram a espancá-lo impiedosamente na cabeça com instrumentos contundentes, antes de levá-lo embora. Eles apontaram suas armas para os outros membros da família e os avisaram para não interferir. O que aconteceu, disse Mohammed Banat, não foi uma tentativa de prender Nizar, mas de executá-lo.

A próxima coisa que a família ouviu foi que Nizar Banat havia morrido, mas eles não conseguiram localizar seu corpo. Sua morte foi anunciada na página do Facebook do governo de Hebron. As autoridades disseram que um mandado de prisão foi emitido contra ele e que sua saúde piorou durante a prisão, o que obrigou a transferi-lo para um hospital local, onde foi declarado morto.

A raiva se espalhou rapidamente pelas áreas palestinas ocupadas e no exterior. Embora os palestinos tenham enfrentado alguns meses de brutalidade e violência israelense, eles não esperavam que a próxima morte de um ativista palestino pacífico caísse nas mãos das forças de segurança da AP, embora sua principal tarefa seja cooperar com o aparato de segurança de Israel para proteger o estado de ocupação e os colonos.

É correto dizer que os palestinos deveriam estar direcionando sua raiva à agressão israelense. Seja para expulsar os residentes de Sheikh Jarrah, os ataques a fiéis pacíficos na Mesquita de Al-Aqsa, o bombardeio bárbaro de civis em Gaza ou os ataques a cidadãos palestinos de Israel, o povo da Palestina deve continuar a se opor a tais atos e trazer à atenção de todo o mundo. Para seu crédito, começando em Sheikh Jarrah, eles têm feito exatamente isso, contornando a grande mídia geralmente pró-Israel por meio do excelente uso da mídia social.

Nada deve desviar os palestinos disso, exceto que eles enfrentam a brutalidade daqueles que os governam em Gaza e na Cisjordânia. Issam Saafeen é um exemplo disso quando se trata de Gaza. Ele teria sido sequestrado por agentes secretos em março de 2020 e morreu depois. Após uma investigação interna, o Ministério do Interior em Gaza anunciou que ele sofria de uma doença crônica antes de sua morte. Isso foi tão errado quanto foi o assassinato de Nizar Banat em Hebron.

Os palestinos devem garantir que Nizar Banat não morreu em vão [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Nizar foi vocal em sua oposição às políticas e ações da AP, bem como à corrupção que ele descreveu como generalizada em seus vídeos. No entanto, ele também era um oponente pacífico e um democrata. Quando o presidente palestino anunciou uma data para a eleição do Conselho Legislativo Palestino, Nizar optou por usar a via democrática para promulgar mudanças. Ele encabeçou a lista de candidatos da Freedom and Dignity. A eleição foi adiada no final de abril pelo presidente Mahmoud Abbas. Isso foi frustrante para os palestinos nos territórios ocupados, que haviam se registrado em grande número para votar e gastaram muito tempo e energia para montar listas de candidatos. Nizar ficou extremamente frustrado com o adiamento. Sua lista foi enviada aos tribunais da UE, especialmente ao Tribunal de Direitos Humanos da UE em Estrasburgo, para ordenar a suspensão imediata da ajuda financeira à Autoridade Palestina e lançar uma investigação sobre “o desperdício de dinheiro dos contribuintes europeus”.

Vários de seus vídeos podem não ter agradado a AP. No último sobre o desastre da vacinação da Pfizer, ele criticou fortemente a AP por sua forma de lidar com o caso, que teria feito Israel transferir para a AP 1,4 milhão de vacinas prestes a expirar em troca de um número equivalente que deveria ser entregue em setembro.

LEIA: Por que a AP matou Nizar Banat?

A morte violenta de Nizar gerou protestos contra a AP em várias cidades palestinas. As forças de segurança lidaram com isso com violência, causando vários feridos. Eles também impediram que os manifestantes marchassem até a Muqata’a, a sede da AP e o gabinete do presidente. Os manifestantes pediram a queda do “regime”, a AP. Isso trouxe de volta memórias da Primavera Árabe, na qual o mesmo cântico foi ouvido em muitas cidades árabes.

Não há dúvida de que o levante em todas as áreas da Palestina histórica em maio e a escalada da opressão israelense de Gaza a Jerusalém e Haifa demonstraram o fracasso da AP em se levantar e liderar os palestinos em sua resistência a Israel e sua ocupação. Abbas estava isolado e procurando uma maneira de tornar a si mesmo e seu regime relevantes.

A visita do Secretário de Estado dos Estados Unidos deu-lhe a oportunidade. Quando Antony Blinken visitou os territórios ocupados para sustentar o cessar-fogo entre os palestinos e Israel, ele não foi a Gaza para falar com o Hamas, que era o endereço correto, mas com Ramallah e Abbas. No fundo, ele sabia que Abbas era impotente para impor um cessar-fogo entre Gaza e Israel. Na verdade, os egípcios tinham mais a oferecer sobre isso do que Abbas.

No entanto, como Abbas e a AP tentam revender-se como o endereço obrigatório no futuro, a morte violenta de Banat por causa de sua oposição legítima e pacífica à AP mais uma vez deu vazão à raiva popular e à exasperação com o governo de Abbas e sua tentativa de manter o status quo de seu regime e cooperação de segurança com Israel. A questão para os palestinos é se eles assumirão riscos e enfrentarão a opressão e as táticas de intimidação da AP para tirar Abbas de Muqata’a ou se deixarão a morte de Nizar em vão.

O que deveria ter expirado em 24 de junho não era a vida de Nizar Banat, homem corajoso que foi, mas a presidência da AP e de Abbas, assim como a OLP, que ele forçou a entrar em coma quando assinou os Acordos de Oslo em 1993. A OLP precisa ser retomada pelo povo palestino.

A campanha em que estou envolvido para pressionar pela reconstrução da OLP é uma iniciativa que pode desencadear uma mudança. Nesse ínterim, Nizar nos inspirará a continuar desafiando os que estão no poder até que a mudança aconteça e o povo palestino retome a iniciativa de sua libertação. Como li em um dos muitos posts de mídia social desde ontem, “Nizar pode estar morto, mas suas palavras não”.

LEIA: Autoridade Palestina é acusada de matar ativista da oposição Nizar Banat

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments