Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Funcionários do Partido Trabalhista do Reino Unido bloqueiam debate sobre moção pedindo sanções contra Israel

Milhares participam de um protesto organizado pela Coalizão pelo Fim da Guerra e Campanha de Solidariedade Palestina em apoio ao povo palestino, para marcar o 71º aniversário da Nakba Palestina, em 11 de maio de 2019, em Londres, Inglaterra [Tayfun Salcı/Agência Anadolu]

No último episódio da disputa interna do Partido Trabalhista no Reino Unido sobre Israel e a Palestina, os oficiais do partido bloquearam um debate sobre as sanções contra o estado de ocupação. Esperava-se que os membros debatessem uma moção ontem pedindo sanções contra Israel, mas altos funcionários intervieram para evitar que a discussão ocorresse por temor de que isso desencadeasse um “comportamento antissemita”.

A moção deveria ser discutida no Partido Trabalhista de Hove e Portslade Constituency (CLP, na sigla em inglês), perto de Brighton, no sul da Inglaterra. O ramo trabalhista local pediu que Israel “acabe com sua violação dos direitos humanos dos palestinos” e que o governo do Reino Unido “imponha sanções legais a Israel”, especificamente o fim da venda de armas e do “comércio com assentamentos ilegais”.

Vários estudos proeminentes concluindo que Israel estava praticando o apartheid foram citados na moção para apoiar uma mudança de política em relação ao estado de ocupação. O relatório publicado pela Human Rights Watch em abril, que concluiu que Israel havia “cruzado um limiar” exigido para ser rotulado como um Estado que comete crimes contra a humanidade pela prática do apartheid, estava entre os estudos citados.

Apesar de não haver problemas aparentes com a moção, o presidente do CLP decidiu que os membros não teriam permissão nem para discuti-la.

LEIA: Parlamentar britânico demanda ação contra Israel; baixas civis aumentam em Gaza

A discussão “prejudicaria a capacidade do partido de fornecer um espaço seguro e acolhedor para todos os membros, em particular os judeus”, um oficial regional do partido a aconselhou, informou o presidente na Intifada Eletrônica. Foi alegado que “a moção da filial de Goldsmid e Hove Park solicitando sanções contra Israel corre o risco de abrir um debate que agitará um conflito interno em nosso CLP e poderá levar a mais comportamento antissemita” Nenhuma explicação adicional foi dada, ou qual “comportamento antissemita” supostamente seria aberto por uma moção pedindo sanções específicas contra um estado que grupos de direitos humanos proeminentes disseram estar praticando o apartheid.

Os críticos apontaram que a posição assumida pela cadeira é em si antissemita, uma vez que assume que todos os membros judeus do Trabalhismo serão pró-Israel e se opõem às sanções contra o estado violento e racista. Um dos exemplos listados na controversa definição de antissemitismo adotada pelo Partido Trabalhista afirma que igualar a política israelense aos judeus é uma forma de ódio aos judeus.

O bloqueio do debate sobre a moção ocorre no momento em que o líder trabalhista Kier Starmer sofre repetidas críticas por sua posição sobre Israel e a Palestina. Na semana passada, Starmer foi avisado de que corre o risco de aprofundar a fratura dentro do Partido Trabalhista e desencadear a deserção em massa se não demonstrar um compromisso com uma mudança política real para a Palestina e enfrentar o crescente flagelo da islamofobia.

No início deste mês, Starmer pressionou o primeiro-ministro Boris Johnson a defender um Estado palestino durante as negociações do G7 na Cornualha. Falando da caixa de mensagens durante as “Perguntas ao Primeiro-Ministro”, o líder trabalhista usou sua pergunta final para destacar a última agressão de Israel em Gaza e na Cisjordânia ocupada, enquanto instava Johnson a apoiar o estabelecimento de um estado palestino soberano.

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments