Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os EUA apreendem sites afiliados do Irã e xiitas

Autoridades dos EUA apreenderam 33 sites iranianos vinculados a estados, incluindo a Press TV, dizendo que eles estavam hospedados em domínios de propriedade dos EUA, em violação das sanções contra a República Islâmica

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos apreendeu diversos sites afiliados ao governo iraniano e movimentos aliados que, segundo ele, estavam hospedados em domínios de propriedade dos Estados Unidos, em violação às sanções.

Os sites incluem o site estatal de notícias em inglês do Irã PressTV e o Al-Alam em árabe, além do site de notícias afiliado a Houthi do Iêmen Al-Masirah, três sites pertencentes ao Kataeb Hezbollah do Iraque e Lualua TV do canal de oposição do Bahrein, que descreveram como a primeira estação de TV independente do reino.

Um aviso de apreensão foi exibido na PressTV e em 35 outros sites explicando que eles foram “apreendidos pelo governo dos Estados Unidos de acordo com um mandado de apreensão […] como parte de uma ação de aplicação da lei pelo Bureau of Industry and Security, Office of Export Enforcement e Departamento Federal de Investigação”.

LEIA: Apoio a acordo nuclear em Viena é ‘condicional’, afirma presidente eleito do Irã

Vários sites pertencentes a meios de comunicação muçulmanos xiitas também foram afetados pela apreensão. Eles incluíam a TV Ahlulbayt com sede no Reino Unido, “o primeiro canal de televisão islâmico xiita exclusivamente em inglês”.

Em um comunicado no Twitter, o canal disse que não recebeu nenhuma correspondência legal de nenhum governo ou órgão regulador e buscará esclarecimentos do órgão de vigilância da mídia britânica, Ofcom. Sites afiliados xiitas em outros países, como Azerbaijão e Nigéria, também exibiram o aviso de apreensão.

A Reuters relatou que alguns dos sites voltaram a ficar online em poucas horas, incluindo a Press TV e o Al-Alam, usando endereços de domínio iraniano. No entanto, a medida foi criticada como hipocrisia por parte dos EUA, que promove seus princípios de liberdade de expressão e liberdade de imprensa.

Al-Masirah disse que “não ficou surpreso” com a apreensão, pois “vem daqueles que supervisionaram os crimes mais hediondos contra nosso povo”. Acrescentou que a proibição “revela, mais uma vez, a falsidade dos slogans da liberdade de expressão e de todas as outras manchetes promovidas pelos Estados Unidos da América, incluindo a sua incapacidade de enfrentar a verdade”.

Teerã também condenou a decisão. “Estamos usando todos os meios internacionais e legais para […] condenar […] essa política equivocada dos Estados Unidos”, disse o diretor do gabinete do presidente, Mahmoud Vaezi, a repórteres. “Parece estar longe de ser construtivo quando as negociações para um acordo sobre a questão nuclear estão em andamento.”

No ano passado, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou que retirou quase 100 sites vinculados ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã que foram acusados ​​de travar uma “campanha de desinformação global” para influenciar a política dos EUA enquanto promoviam a propaganda iraniana. Apesar de ser um ramo do exército iraniano, o IRGC foi designado como organização terrorista estrangeira pelo ex-presidente dos EUA Donald Trump, em 2019.

LEIA: Clérigo iraquiano alega esperanças de que novo presidente do Irã supere o sectarismo

Categorias
Ásia & AméricasEUAIrãNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments