Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sobre a ocupação colonial da Palestina por Israel: a solução final sem fim

Forças israelenses prendem um homem durante protesto no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental ocupada, 15 de maio de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]
Forças israelenses prendem um homem durante protesto no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental ocupada, 15 de maio de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Mais um cessar-fogo como tantos outros antes dele, na ocupação colonial da Palestina por Israel; mais uma contagem de mortes para os arquivos do esquecimento; mais uma ocasião para aliviar a consciência da comunidade internacional, especialmente na América do Norte e na Europa; mais um período para banalizar a humilhação diária daqueles que são forçados a cruzar os postos de controle israelenses para ir trabalhar; mais um processo de provocações crescentes até os próximos bombardeios; mais uma onda de limpeza étnica por uma violenta potência colonial.

Um palestino idoso e uma criança expulsos durante a Nakba [Hanini / Wikipedia]

Um palestino idoso e uma criança expulsos durante a Nakba [Hanini / Wikipedia]

Na verdade, a limpeza étnica da Palestina começou no início de dezembro de 1947 com uma série de ataques da milícia sionista a vilas e bairros palestinos. Como resultado, cerca de 300.000 palestinos foram desarraigados pela milícia sionista antes que um único soldado árabe colocasse os pés na Palestina. Por exemplo, Deir Yassin era uma pequena vila a oeste de Jerusalém. A aldeia tinha um pacto de não agressão assinado com a Haganah. No entanto, na noite de 9 de abril de 1948, as forças sionistas atacaram a aldeia e mataram mais de 100 civis palestinos inocentes (entre eles 30 bebês). Quatro vilas próximas foram as seguintes – Qalunya, Saris, Beit Surik e Biddu onde a milícia Haganah explodiu casas e expulsou as pessoas (em The Ethnic Cleansing of Palestine por Ilan Pappe, Oxford, Oneworld, 2006. P. 90-91/ No Brasil, A Limpeza Étnica da Palestina, Editora Sundermann). No início de seu livro, Pappé usa como epígrafe a recomendação ultrajante de David Ben-Gurion (na verdade, não apenas a dele) ao Executivo da Agência Judaica em junho de 1938. Escreveu Ben-Gurion, que dez anos depois se tornaria o primeiro primeiro-ministro do recém-criado Estado de Israel: “Eu sou a favor da transferência compulsória; Não vejo nada de imoral nisso.”

LEIA: Tornar-se Palestina

Esta é uma história bem conhecida. Diante das atrocidades cometidas contra os judeus pelo regime nazista alemão durante a Segunda Guerra Mundial, o Ocidente sentiu que era sua obrigação moral aceitar a demanda sionista pelo estabelecimento de um estado judeu. Foi nesse contexto que, logo após a fundação das Nações Unidas, o Comitê Especial da ONU sobre a Palestina, liderado pelos Estados Unidos e pela então URSS, apresentou uma proposta de partição do território. Este Plano, que previa a divisão da Palestina em um Estado Judeu e um Estado Palestino (cobrindo 55 por cento e 45 por cento do território, respectivamente), era baseado no projeto colonial moderno e era semelhante a vários outros projetos de partição que visavam por fim a conflitos que permanecem sem solução até hoje (como é o caso das duas Coreias, ou Índia e Paquistão).

Nos mapas, é possível comparar as diferentes “soluções” para a questão palestina, sendo o último o mapa proposto por Donald Trump

Nos mapas, é possível comparar as diferentes “soluções” para a questão palestina, sendo o último o mapa proposto por Donald Trump

Numa época em que a participação dos países do Sul na ONU ainda era baixa, o Plano foi aprovado, mesmo que os estados árabes não reconhecessem o novo Estado de Israel. Emergindo vitorioso da guerra que se seguiu contra os estados árabes e as forças palestinas (1948-1949), Israel ocupou várias regiões, adicionando cerca de 20.000 quilômetros quadrados (75 por cento de toda a Palestina) ao seu território. O território restante foi ocupado pela Jordânia, que anexou a Cisjordânia, e pelo Egito, que ocupou a Faixa de Gaza. Esses episódios marcaram uma nova fase da violência contra os palestinos, desta vez causada pelo Estado de Israel e envolvendo o deslocamento de quase um milhão de palestinos, que foram forçados a deixar as áreas anexadas por Israel.[1]Essa enorme massa de refugiados, se espalhou em vários campos localizados em países do Oriente Próximo e do resto do mundo, está na raiz do que é conhecido como “a questão palestina”. Como apontado por Tariq Ali, uma cultura comum que há muito havia sido compartilhada por árabes muçulmanos, cristãos e judeus sofreu uma profunda fratura, no que os palestinos viriam a chamar de al Nakba – a catástrofe[2]

Nada que se escreva em defesa dos palestinos ajudará a aliviar as tribulações pelas quais passaram desde a criação de Israel, um sofrimento que é tanto mais injusto porque foi infligido para expiar os crimes cometidos pelos europeus. Nem os meus escritos vão ajudar aqueles judeus que, dada a propaganda venenosa a que estão sujeitos, não conseguem se desvincular do projeto colonial sionista levado a cabo por Israel na Palestina. Quando o assunto é a Palestina, escrever é uma forma de controle da raiva, um grito escrito de desespero e desamparo. Aí, paradoxalmente, reside o significado fundamental da presente tragédia: com clareza perturbadora, mas cristalina, ela traz à tona a falsidade histórica, filosófica e sociológica dos “fatos” que sustentam com mais firmeza as políticas dominantes de hoje.

Sempre que mentiras e má-fé se tornam política de estado, a boa fé e a veracidade desarmadas se levantam contra elas. Pedras contra bombas. Estamos diante de uma destruição massiva de significado. Albert Camus disse que “toda falsa ideia acaba em derramamento de sangue, mas é sempre o sangue de outrem” .[3] A Palestina é o grande decodificador da falsidade hipócrita subjacente aos mecanismos dominantes usados ​​para garantir a continuidade dos “valores ocidentais” que incessantemente conduzem à violação desses mesmos valores. Esses mesmos mecanismos estão agora sendo “remasterizados” de olho no próximo uso catastrófico: a guerra com a China.

A colonização de Jerusalém [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A colonização de Jerusalém [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Falsificação histórico-teológica. Jerusalém não é e não pode ser a capital de Israel. É uma cidade sagrada há muitos séculos e, portanto, pertence a todos os que professam as religiões que nela vivem lado a lado. Estados, não povos, têm uma capital. Israel afirma ser um estado judeu. Como estado, não tem direito a Jerusalém, a menos que zombemos do direito internacional; é um absurdo teológico um povo ter capital. Como disse o Rabino Yaakov Shapiro, as pessoas não têm uma capital, o povo judeu não tem uma capital.

Falsificação política 1. O Ocidente afirma que sua postura se justifica pela necessidade de defender a democracia. Quando o presidente Barack Obama assinou o acordo para fornecer ajuda a Israel até o ano 2028, ele afirmou que os EUA e Israel são duas “democracias vibrantes” que compartilham os mesmos valores e devem ser igualmente protegidas contra seus inimigos. Esta afirmação é duplamente falsa.

Israel não é mais democrático do que o apartheid na África do Sul. Os palestinos que vivem no estado de Israel (cerca de 21 por cento da população) são descendentes de aproximadamente 150 mil palestinos que permaneceram no país que agora é Israel – uma pequena minoria, em comparação com aqueles que foram expulsos de suas terras e estão atualmente vivendo nos territórios ocupados. Eles são cidadãos de segunda classe que vivem sob severas restrições legais e políticas, especialmente desde que Benjamin Netanyahu subiu ao poder em 2009 e implementou sua política de subordinar a natureza democrática de Israel à sua natureza judaica. Diante da contínua erosão de seus direitos, alguns palestinos lutam por direitos iguais, enquanto outros abandonam totalmente a política.[4] Eles vivem divididos pelo dilema “meu estado está em guerra com minha nação”.

LEIA: Expulsão dos palestinos. O conceito de ‘transferência’ no pensamento sionista (1882-1948)

A outra falsidade tem a ver com o governo dos territórios ocupados. Na Palestina, como em outras partes do mundo, a democracia não é reconhecida a menos que favoreça os interesses ocidentais. Dado o fato de que, na Palestina, os interesses ocidentais e os interesses de Israel são o mesmo, a vitória livre e justa do Hamas nas eleições parlamentares de 2006 (74 cadeiras em uma câmara de 132 deputados, com al Fatah tendo 45 cadeiras) não foi reconhecida. Os eventos dos últimos dezesseis anos não podem ser compreendidos sem levar em conta essa decisão arbitrária dos países ocidentais sob pressão de Israel e seu aliado nos EUA.

Falsificação política 2. Argumentei que o colonialismo não terminou quando as colônias europeias ganharam independência política. Só uma forma de colonialismo, aquela que envolvia ocupação estrangeira, chegou ao fim então, e então não totalmente. Basta pensar no domínio colonial de hoje sobre o povo saharaui. Em nosso tempo, o colonialismo assumiu novas formas, sendo as mais óbvias o racismo estrutural e o regime de apartheid imposto por Israel nos territórios ocupados.

Reconhecer que existe apartheid é reconhecer que existe colonialismo. Em abril de 2021, a Human Rights Watch – a organização de direitos humanos mais pró-americana que existe – publicou um relatório descrevendo Israel como um estado de apartheid. Deve-se destacar que em 1973 a Assembleia Geral da ONU adotou a Convenção Internacional para a Repressão e Punição do Crime de Apartheid (Resolução 3068), que entrou em vigor em 1976. Nos territórios ocupados (Jerusalém Oriental, Cisjordânia e Faixa de Gaza), o autogoverno palestino está inteiramente nas mãos da potência ocupante. A opressão sistemática e a discriminação institucional são a regra: desapropriação de terras, mudança forçada de residência, controle de movimentos, gestão de água e eletricidade, negação de serviços essenciais (como foi o caso recentemente com as vacinas covid). A ocupação violenta transformou a Faixa de Gaza na maior prisão a céu aberto do mundo. Em suma, colonialismo linha-dura. Se o apartheid é reconhecido pela ONU como um crime contra a humanidade, por que Israel não foi julgado por tal crime? Porque os valores ocidentais só se aplicam quando convém àqueles que têm o poder de beneficiar-se deles.

Mas o colonialismo a que o povo palestino está sujeito tem muitas outras facetas que o colocam claramente na mesma categoria do colonialismo histórico. Um deles é o apagamento da identidade palestina e da memória de Al Nakba – a anexação em 1948, por Israel, de 78% do território palestino. A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo, que, como o nome indica, visa cuidar dos refugiados palestinos que foram expulsos violentamente de suas casas em 1948 e 1967, bem como seus descendentes, entrou em colapso. Duras críticas de organizações sionistas conservadoras, que se queixam de que, se não fosse pela UNRWA, os palestinos “provavelmente teriam perdido sua identidade e assimilado pela sociedade circundante”. Em que isso difere das políticas adotadas pelos colonizadores nas Américas e na África para apagar a identidade e a memória dos povos autóctones?[5]

A falsificação de equivalências. Ao contrário do que afirma Israel, este não é o caso de enfrentar a violência com violência. Não sou a favor do lançamento de mísseis contra Israel ou das mortes por eles causadas, mas a desproporção entre os ataques do Hamas e a resposta israelense é tão chocante que é simplesmente inadmissível como justificativa para a morte indiscriminada de milhares de inocentes. Israel tem o quarto exército mais poderoso do mundo. Quando olhamos para os surtos recorrentes de violência, somos lembrados do fato de que em 2014 os ataques de Israel duraram 51 dias e mataram mais de 2.200 palestinos, incluindo 551 crianças. Desta vez, 11 dias de violência (foi declarado um cessar-fogo em 20 de maio) resultou em 232 mortes do lado palestino, 65 das quais eram crianças, e 12 mortes do lado israelense (incluindo duas crianças), além do brutal destruição de infraestruturas na Faixa de Gaza, incluindo escolas. Estamos falando de terrorismo de estado, que recorreu a armas altamente sofisticadas fornecidas pelos Estados Unidos para manter todo um povo em estado de terror permanente desde 1948.

Falsificação de mídia. A mídia mundial um dia terá vergonha de seu tratamento tendencioso dos eventos na Palestina. Aqui estão dois exemplos. A opinião pública mundial é informada de que o ataque mais recente de Israel na Faixa de Gaza foi desencadeado pelos mísseis disparados pelo Hamas. Porque foi só isso que aconteceu. Antes disso, não houve invasão da mesquita de Al Aqsa em Jerusalém, nem houve qualquer tiroteio contra os frequentadores da mesquita em oração bem no meio do mês sagrado muçulmano do Ramadã, assim como não houve ataques de vários meses por bandos de fanáticos contra edifícios residenciais e comerciais em Jerusalém Oriental. Portanto, a culpa é inteiramente do Hamas, e Israel está apenas se defendendo. Exemplo número dois: durante os ataques israelenses, os palestinos simplesmente “morrem”, enquanto os israelenses são “mortos pelo Hamas” ou “mortos por ataques de mísseis”.

O horror de uma simetria impensável. Provavelmente foi Illan Pappé, o grande historiador judeu, quem primeiro se perguntou, com muita angústia, como alguém poderia sequer começar a imaginar que, setenta anos após o Holocausto, os israelenses estariam submetendo os palestinos às mesmas táticas de destruição, humilhação e negação que os nazistas usaram contra os judeus. Ao visitar a Palestina em 2002, José Saramago, o escritor português Prêmio Nobel de Literatura, fez algumas comparações polêmicas entre o sofrimento dos palestinos sob Israel e o sofrimento dos judeus sob o nazismo.

Ele esclareceu seu ponto durante uma entrevista à BBC: “Era claro, e deveria ser, uma comparação tensa. Se eu tivesse articulado meu protesto em termos mais comuns, provavelmente não teria provocado a mesma reação. É claro que não há câmaras de gás para o extermínio de palestinos, mas o povo palestino se encontra em uma situação de concentração … [ao que ele acrescentou premonitoriamente], “Isso não é conflito. Poderíamos chamá-lo de conflito se estivéssemos falando de dois países, com uma fronteira entre eles, e dois estados, cada um com seu próprio exército. Mas o que estamos falando é algo totalmente diferente: Apartheid. ”

Em 1933, a maioria dos judeus alemães não era sionista, o que significa que eles não defendiam a criação de um estado para o povo judeu. Na verdade, a maior organização judaica era chamada de “associação central dos cidadãos alemães de fé judaica”. Hitler estava obcecado com a ideia de expulsar os judeus da Alemanha (e, mais tarde, de toda a Europa) muito antes de ordenar o Holocausto. Ele então negociou um acordo (muito controverso entre os judeus) com a organização sionista (a Federação Sionista Alemã) com o objetivo de transferir os judeus para a Palestina (então sob o domínio britânico), oferecendo-lhes condições “melhores” (ou seja, menos vergonhosas) do que aquelas que caracterizavam emigração para outros países.

De acordo com o Acordo de Transferência de Haavara de 1933, o estado deveria confiscar todas as suas riquezas, mas também transferiria 42,8 por cento do valor total de seus ativos para a Agência Judaica para a Palestina, 38,9 por cento desse valor na forma de bens industriais produzido na Alemanha. É uma grande humilhação obrigar os emigrantes forçados a consumir os produtos fabricados pelo próprio Estado que os expulsou. Estima-se que apenas 40.000 alemães e 80.000 poloneses emigraram para a Palestina entre 1933 e 1938. O número teria sido ainda menor se outros países da Europa estivessem mais abertos a aceitar imigrantes judeus, mesmo que mais tarde ficasse evidente que o objetivo final era “ uma Europa sem judeus ”[6]

O ocupação israelense de 1967 sobre toda a Palestina [Sarwar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

O ocupação israelense de 1967 sobre toda a Palestina [Sarwar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

Em nossa época, a criação do Estado de Israel foi fundada em uma operação massiva de limpeza étnica: 750.000 palestinos foram expulsos de suas casas e terras, com mais de 300.000 sendo adicionados a esse número após a guerra de 1967. No Israel de hoje, há uma proliferação de grupos de extrema direita que exigem que todos os palestinos sejam expulsos dos territórios ocupados e enviados para os países árabes vizinhos. Até mesmo “árabes israelenses” estão legalmente proibidos de residir em certas cidades. Em 2011, o Knesset israelense aprovou uma lei permitindo que cidades no Negev e na Galiléia com até 400 famílias mantenham comitês de admissão que podem rejeitar candidatos que morem lá por serem “inadequados para a vida social da comunidade” ou por incompatibilidade com o “Tecido sócio-cultural”.[7]

Por décadas, cidades inteiras foram destruídas, com palestinos feridos sendo deixados para morrer porque as ambulâncias foram bloqueadas pelos militares israelenses. Se um palestino é suspeito de um ato individual de resistência, as autoridades ocupantes prendem seus pais, familiares e vizinhos e cortam a água e a eletricidade. Nada disso é novo e traz de volta memórias horríveis. De acordo com o diário israelense Maariv, citado pelo renomado jornalista Robert Fisk, um oficial israelense de alto escalão costumava aconselhar suas tropas, em caso de entrada em campos de refugiados densamente povoados, a seguir as lições de batalhas anteriores, incluindo as táticas adotadas por o exército alemão no gueto de Varsóvia.[8]

Ativistas palestinos, israelenses e estrangeiros exibem cartazes e faixas durante protesto contra a ocupação e os assentamentos de Israel nos territórios palestinos, no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, 19 de março de 2021 [Ahmad Gharabli/AFP via Getty Images]

Ativistas palestinos, israelenses e estrangeiros exibem cartazes e faixas durante protesto contra a ocupação e os assentamentos de Israel nos territórios palestinos, no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, 19 de março de 2021 [Ahmad Gharabli/AFP via Getty Images]

O que está acontecendo atualmente em Sheikh Jarrah é a história se repetindo em um microcosmo. Em 1956, 28 famílias palestinas que haviam sido expulsas de suas terras em 1948 se estabeleceram neste bairro de Jerusalém Oriental, na esperança de não serem expulsas de suas casas novamente. Numa época em que o bairro em questão e toda a Cisjordânia estavam sob administração jordaniana (1951-1967), o estabelecimento dessas famílias foi negociado com a Jordânia, a ONU e organizações de direitos humanos baseadas em Jerusalém. Agora eles estão sendo despojados de suas casas por uma ordem da Suprema Corte de Israel, depois de anos vendo pedras atiradas em suas casas por fanáticos, alguns dos quais se mudam para a parte principal da casa e forçam seus residentes a se amontoarem nos fundos. Com a cumplicidade da polícia, extremistas israelenses rondam as ruas do bairro à noite gritando “Morte aos árabes”. Os edifícios são ainda marcados para que as casas não sejam atacadas por engano. Tudo isso não traz de volta memórias de outros tempos?

O último resquício de esperança. É difícil falar de esperança de uma forma que não ofenda o povo palestino. A esperança não pode estar nos acordos de cessar-fogo, porque seu único propósito é garantir que as alianças entre as potências cuja cumplicidade são responsáveis ​​pela continuação do sofrimento injusto do povo palestino permaneçam estáveis ​​e preparar o cessar-fogo que se seguirá à próxima erupção de violência. A única esperança, neste momento, vem da sociedade civil internacional. Temos testemunhado a expansão de três tipos de iniciativas que, embora muito diferentes, convergem no potencial de empurrar Israel para um isolamento cada vez maior, e que podem finalmente levar – se não for tarde demais – ao cumprimento das resoluções da ONU.

O primeiro compreende as posições públicas cada vez mais numerosas e vigorosas tomadas contra as políticas de Israel por intelectuais, jornalistas e artistas judeus conhecidos. As fontes mencionadas no presente texto são prova disso.

A segunda iniciativa compreende as manifestações públicas realizadas em várias partes do mundo, em apoio crescente ao direito do povo palestino à autodeterminação.

Protesto em frente ao escritório diplomático da Alemanha em Ramallah, Cisjordânia ocupada, após o Bundestag (parlamento alemão) condenar o movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) como antissemita, em 22 de maio de 2019 [AFP/Getty Images]

Protesto em frente ao escritório diplomático da Alemanha em Ramallah, Cisjordânia ocupada, após o Bundestag (parlamento alemão) condenar o movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) como antissemita, em 22 de maio de 2019 [AFP/Getty Images]

A terceira se inspira na luta internacional contra o regime de apartheid da África do Sul. O desequilíbrio da força violenta naquele país, com uma população predominantemente negra em oposição à minoria branca, era menor do que o desequilíbrio entre as forças israelenses e a resistência palestina. Ainda assim, as iniciativas envolvidas no contexto do movimento internacional de isolamento da África do Sul estiveram entre os fatores decisivos que contribuíram para o fim do apartheid: boicote a empresas sul-africanas e a várias empresas internacionais com elevado nível de envolvimento no apartheid; boicote acadêmico, turístico e esportivo voltado para cidadãos sul-africanos.

A campanha anti-apartheid inspirou o movimento internacional BDS. Fundada em 2005, ela promove boicotes, desinvestimentos e sanções contra Israel e tem aumentado nos últimos anos. Como uma iniciativa de não violência ativa, tem seus problemas, porque pode ter um custo em termos de subsistência legítima de pessoas inocentes.

Curiosamente, no entanto, o movimento tem a capacidade de ganhar o apoio daqueles que vivem nesses países, mas se opõem às suas políticas de apartheid. Lembro que quando entrei no embargo acadêmico contra a África do Sul, durante o apartheid, nossos colegas brancos sul-africanos encararam nossas ações não só com simpatia, mas com real apoio, pois fortaleceram sua luta no nível interno. O contexto internacional é diferente agora. Diante do martírio injusto do povo palestino – que está sendo punido por um crime cometido por europeus – e com a indiferença hipócrita da comunidade internacional, por quanto tempo continuaremos a fingir que o problema palestino não é nosso problema ? Toda a minha vida lutei contra o anti-semitismo e é em plena coerência com essa posição que denuncio a limpeza étnica de palestinos que está sendo realizada por Israel.

LEIA: Covid-19 e o regime de apartheid na Palestina

[1] Na verdade, a limpeza étnica da Palestina começou no início de dezembro de 1947 com uma série de ataques da milícia sionista a vilas e bairros palestinos. Como resultado, cerca de 300.000 palestinos foram desarraigados pela milícia sionista antes que um único soldado árabe colocasse os pés na Palestina. Por exemplo, Deir Yassin era uma pequena vila a oeste de Jerusalém. A aldeia tinha um pacto de não agressão assinado com a Haganah. No entanto, na noite de 9 de abril de 1948, as forças sionistas atacaram a aldeia e mataram mais de 100 civis palestinos inocentes (entre eles 30 bebês). Quatro vilas próximas foram as próximas – Qalunya, Saris, Beit Surik e Biddu, onde a milícia Hagana explodiu casas e expulsou as pessoas (em The Ethnic Cleansing of Palestine por Ilan Pappe, Oxford, Oneworld, 2006. P. 90-91). No início de seu livro, Pappé usa como epígrafe a recomendação ultrajante de David Ben-Gurion (na verdade, não só dele) ao Executivo da Agência Judaica em junho de 1938. Escreveu Ben-Gurion, que dez anos depois se tornaria o primeiro primeiro-ministro do recém-criado Estado de Israel: “Eu sou a favor da transferência compulsória; Não vejo nada de imoral nisso. ”

[2] The Clash of Fundamentalisms, London: Verso, 2002.

[3] John Foley, Albert Camus: from the Absurd to Revolt. London: Routledge, 2008, p.49.

[4] Peter Beinart, “Teshuvah: A Jewish Case for Palestinian Refugee Return”, Jewish Currents, 11 de maio de 2021.

[5] Peter Beinart, “Teshuvah: A Jewish Case for Palestinian Refugee Return”, Jewish Currents, 11 de maio de 2021.

[6] Samuel Miner, “Planning the Holocaust in the Middle East: Nazi Designs to Bomb Jewish Cities in Palestine”, Jewish Political Studies Review, Fall 2016, pp. 7-33.

[7] Human Rights Watch, 2021, p.59.

[8] W. Cook (ed) The Plight of the Palestinians. Palgrave Macmillan, New York, 2010, p.164.

Categorias
Artigos AcadêmicosÁsia & AméricasBDSChinaEstados UnidosIsraelOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaPublicações
Show Comments
Show Comments