Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tornar-se Palestina

Publicado pela primeira vez em 2013 pela Literal Publishing, no México e nos Estados Unidos, e republicado em 2014 pela Random House, em Barcelona.
Autor do livro(s) :Lina Meruane
Data de publicação :31/08/2019
Editora :Relicário
Número de páginas do Livro :200 páginas

Ela nasceu no país das Cordilheiras, em um lugar onde a geografia quase árida, as frutas como o damasco, o frio invernal e o sonho de pessoas lembram o cenário da terra de seus ancestrais, a Palestina.

Sim, o Chile possui a maior comunidade palestina fora do Oriente Médio, em torno de 500 mil pessoas (cerca de 3% dos dos habitantes do país) são filhos ou netos de palestinos, é a escritora Lina Maruane é um deles.Lina cresceu ouvindo as histórias das avós de toda a comunidade, mulheres cristãs e muçulmanas, nascidas sobretudo em Belém, Beit Jala e Beit Sahour, e que enriqueceram a cultura e a história chilena com sua culinária, suas vozes, sua sabedoria milenar, seus bordados e suas mãos incansáveis. Lina cresceu ouvindo histórias de lutas, injustiças, sonhos e refúgio que se transformaram em histórias de muito trabalho, união e vitórias palestinas do outro lado do mundo.

Assim como seu avô, muitos amigos dele chegaram ao Chile trazendo apenas uma pequena mala e o sonho de poder viver em paz e construir uma nova trajetória, ajudando a desenvolver o país que os acolhia.

 

LEIA: Hebron, a cidade impossível e a luta conjunta

Muitos palestinos se instalaram em Valparaíso, no centro do país, e Talca, também na região central e em povoados da Patagônia. Como tantos imigrantes e refugiados árabes acolhidos na América do Sul, assim como meus avós sírio- libaneses que um dia partiram do navio de Beirute e chegaram ao Brasil, os palestinos no Chile começaram a trabalhar muito e a prosperar como vendedores de lençóis e cobertores de porta em porta.

Lina Meruane cresceu nessa atmosfera, entre a Palestina da memória afetiva familiar e a Santiago que se tornara parte de quem ela era.

O avô imigrara para o Chile depois de ouvir de outros palestinos histórias sobre um vale mágico nas Cordilheiras dos Andes, parecido geograficamente com Palestina, e onde poderia trabalhar, ver os filhos crescerem e ter sonhos.

No livro, Lina Meruane refaz o longo caminho percorrido pelo avô e reflete sobre o sentido duplo da palavra “volver”, que pode significar tanto ” retornar” quanto ” tornar- se” em espanhol.

Lina Meruane nos leva à Palestina de seu avô, a conhecer a linda Beit Jala e a entender como a Palestina é parte fundamental de sua identidade como mulher e escritora chilena.O livro traz à luz a sua memória familiar, a revelação de sua identidade palestina, ao mesmo tempo em que reflete sobre o conflito israelo-palestino. Ela descreve a dor e as perdas trazidas pelo conflito a partir do que considera “o grande paradoxo de Israel”: uma comunidade que sofreu por séculos com a ausência de uma terra segura para viver, de um lugar para viver sem medo, mas hoje submete um povo ao mesmo sofrimento desumano, tornando os palestinos hoje a maior comunidade de refugiados do mundo.

No livro “Tornar- se Palestina”, Lina Meruane reflete sobre as perdas, os sonhos e a dor de milhões de refugiados palestinos ao longo de décadas de ” Nakba” e nos leva a sonhar com uma solução humana para uma dor imensa, que já dura mais de 70 anos.

LEIA: Inédita no Brasil, obra de historiador palestino discute a expulsão de seu povo

Categorias
América LatinaÁsia & AméricasChileOriente MédioPalestinaResenhas - Livros
Show Comments
Show Comments