Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ministro da Irrigação do Egito acusa a Etiópia de estragar os postos de bebida do Sudão

Uma visão geral da Grande Barragem da Renascença Etíope, em 26 de dezembro de 2019 [Eduardo Soteras/AFP/Getty Images]

O ministro de Recursos Hídricos e Irrigação do Egito, Mohamed Abdel Aty, anunciou na sexta-feira que a Etiópia estragou as estações de bebida no Sudão ao liberar águas lamacentas sem informar os países a jusante.

Isso aconteceu durante uma reunião entre Abdel Aty e Ayman Aqil, presidente da Fundação Maat para a Paz, Desenvolvimento e Direitos Humanos, junto com representantes da iniciativa africana Nilo pela Paz, informou o jornal estatal Al-Ahram.

As declarações do ministro egípcio vêm à luz de anos de coordenação de alto nível entre Cairo e Cartum na questão da Barragem Renascentista, por um lado, e negociações com Adis Abeba sobre o arquivo, por outro.

Abdel Aty explicou: “O lado etíope liberou grandes quantidades de água lamacenta em novembro passado sem informar os países a jusante, o que causou um aumento de lama nas estações de água potável no Sudão”.

Ele acrescentou: “A implementação do primeiro enchimento da Barragem da Renascença pela Etiópia sem coordenação com os dois países a jusante fez com que o Sudão sofresse uma seca severa, seguida por inundações massivas”.

LEIA: Delegação oficial da Bélgica é enviada para repatriar filhos de mulheres jihadistas na Síria

O ministro egípcio acrescentou que seu país e o Sudão “não aceitarão nenhuma ação unilateral para encher e operar a barragem etíope”, segundo a mesma fonte.

Na quarta-feira, Sudão e Egito enfatizaram em um comunicado conjunto a importância de coordenar esforços em nível internacional e regional para pressionar a Etiópia a manter conversações sérias sobre o arquivo da Barragem Renascentista, visto que as negociações estavam paralisadas por meses.

A Etiópia responsabiliza Cairo e Cartum por “obstruir as negociações” e indicou que o objetivo da construção da barragem não é prejudicar os dois países a jusante, mas sim gerar eletricidade para fins de desenvolvimento.

Addis Abeba insiste em prosseguir com um segundo enchimento da barragem, que aconteceria em julho e agosto próximos, cerca de um ano após o primeiro enchimento, embora não tenha havido acordo com o país em questão sobre esta etapa.

Enquanto isso, Cairo e Cartum exigem que primeiro cheguem a um acordo tripartido para preservar suas instalações de água e garantir sua parcela anual da água do Nilo.

LEIA: Egito prende diplomata que criticou o manejo da barragem da Etiópia

Categorias
ÁfricaEgitoEtiópiaNotíciaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments