Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel pede ao Egito que impeça cimento de chegar à Faixa de Gaza

Equipes técnicas egípcias para trabalhar nas obras de remoção de entulho e reconstrução com o equipamento necessário para apoiar as obras de reconstrução chegam à Cidade de Gaza, que foi danificada pelos ataques israelenses, em 4 de junho de 2021 [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

Tel Aviv pediu ao Cairo para não enviar cimento ou outros materiais de construção para a Faixa de Gaza, para que não sejam usados por “terroristas” para construir fortificações militares, relata o canal de Israel Kan.

De acordo com o Kan, cimento, materiais de construção e combustível estão entrando livremente na Faixa.

Na semana passada, o Egito enviou um comboio de engenheiros e equipamentos de construção para Gaza para ajudar nos esforços de reconstrução após 11 dias de ataques aéreos israelenses que mataram 254 pessoas, incluindo 66 crianças.

Mais de 2.000 unidades residenciais foram arruinadas e cinco hospitais foram atingidos.

Após o confronto militar devastador, a comunidade internacional prometeu US$ 1,5 bilhão para a reconstrução urgente de casas.

Bulldozers, caminhões e guindastes foram transmitidos pela TV estatal egípcia, alinhados e prontos para entrar.

Engenheiros egípcios inspecionaram os danos a edifícios residenciais e torres e ajudaram a remover os escombros dos edifícios destruídos.

LEIA: Egito se preocupa com a demora no acordo entre Hamas e Israel

De acordo com o Kan, Israel pediu ao Egito que pare de trazer cimento e outros materiais de construção até que seja alcançado um acordo sobre como pode garantir que o Hamas não obtenha os materiais para restaurar seus túneis militares.

Isso segue um pedido de Israel para que o Egito aperte os controles dos túneis do Sinai do Norte à Faixa de Gaza, que eles dizem serem usados ​​para o contrabando de armas.

Israel proíbe regularmente a entrada de cimento na Faixa de Gaza, inclusive em 2016, embora um relatório da ONU tenha dito que 90.000 pessoas perderam suas casas durante a guerra de 2014 em Gaza e pediu que a construção fosse urgente.

Na época, a proibição do cimento interrompeu quase todas as construções privadas em Gaza; 11.000 unidades habitacionais destruídas precisaram ser substituídas.

Em 2013, a ONU suspendeu quase todos os trabalhos em projetos de construção que estava realizando em Gaza por causa da proibição israelense de importação de materiais de construção para a Faixa.

Um centro de saúde e 12 escolas estavam entre os projetos de construção interrompidos depois que os trabalhadores da construção ficaram sem material.

Categorias
ÁfricaEgitoIsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments