Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Denunciante egípcio Mohamed Ali convoca a Revolução do Nilo em 10 de julho

Empresário egípcio Mohamed Ali Barcelona na Espanha, em 23 de outubro de 2019 [JOSEP LAGO/AFP/Getty Images]
Empresário egípcio Mohamed Ali Barcelona na Espanha, em 23 de outubro de 2019 [JOSEP LAGO/AFP/Getty Images]

O denunciante egípcio Mohamed Ali Barcelona convocou os egípcios a irem para as ruas e protestar em 10 de julho contra o fracasso das autoridades em fazer frente à Etiópia em meio às negociações de barragens em andamento.

O Egito está envolvido em conversações há vários meses com a Etiópia, que prosseguirá com o segundo enchimento da Represa do Renascimento em julho, apesar das preocupações do Egito com a escassez de água.

A Etiópia diz que a barragem lhe fornecerá eletricidade e regeneração econômica enquanto o Egito pensa que restringirá seu acesso à água do Nilo.

O Egito é quase inteiramente dependente da água do Nilo, recebendo cerca de 55,5 milhões de metros cúbicos por ano do rio que utiliza para água potável, agricultura e eletricidade.

O Cairo pediu a Adis Abeba que garantisse o acesso a pelo menos 40 bilhões de metros cúbicos de água do Nilo.

Sob o hashtag árabe, “sair em 10 de julho para a Revolução do Nilo”, os egípcios estão clamando por liberdade, dignidade e para alcançar os objetivos da revolução.

A tendência é de dois dias, seguido de uma segunda hashtag árabe, “o povo quer a queda do regime”, que está atualmente em tendência no Egito.

LEIA: Egito prende diplomata que criticou o manejo da barragem da Etiópia

“Se o povo egípcio não se mover para extrair seus direitos e soberania, sua situação não mudará. O povo é quem toma as decisões”, escreveu um usuário do Twitter.

No final de maio, uma comunicação legal foi apresentada à Comissão Africana em nome de cinco egípcios, levantando preocupações sobre as ações dos governos egípcio e etíope em relação à Barragem da Renascença.

A comunicação centrou-se no não cumprimento das obrigações dos governos de realizar consultas efetivas com os cidadãos egípcios que serão impactados pela barragem.

Os agricultores tiveram seu acesso à água do Nilo limitado, o que afetou negativamente seus meios de subsistência.

No mês passado, as autoridades egípcias prenderam um ex-embaixador após ele ter criticado a forma como o Egito lidou com a crise da barragem.

Ele foi acusado de se juntar a um grupo de “terror”, espalhando falsas notícias e usando indevidamente a mídia social.

 

Categorias
ÁfricaEgitoEtiópiaNotícia
Show Comments
Show Comments