Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Rabinos sionistas pedem que o novo governo israelense seja bloqueado por qualquer meio necessário

O rabino sionista Haim Drukman [@MuammerGokcin/Twitter]

Os rabinos sionistas em Israel pediram que o governo proposto fosse bloqueado por qualquer meio necessário. De acordo com um folheto em circulação, os rabinos afirmam que o governo de coalizão formado pelo líder do partido Yesh Atid, Yair Lapid, na semana passada, “contradiz completamente a vontade do povo que foi expressa de forma decisiva nas últimas eleições”. Os rabinos em questão são liderados por Haim Drukman.

“Não podemos ceder a uma realidade na qual um governo está sendo formado em Israel para atingir questões fundamentais de ordem religiosa e estatal, as quais têm sido priorizadas por todos os governos israelenses desde o estabelecimento do Estado de Israel até hoje”, disseram eles. “Não há dúvida de que este governo também prejudicará os assuntos de segurança, que está no cerne de nossa existência, ao contar com os partidários do terrorismo, e haverá ministros que chamarão o Tribunal Penal Internacional de Haia para investigar o envolvimento de oficiais do exército israelense em crimes de guerra. Portanto, faremos qualquer coisa para impedir que tal governo seja formado”. “Não é tarde demais para fazer isso”, acrescentaram eles. “Definitivamente ainda é possível”.

A coalizão inclui a Lista Árabe Unida liderada por Mansour Abbas. Se a coalizão for adiante, será a primeira vez que os cidadãos palestinos de Israel terão um papel governamental.

A ação dos rabinos foi feita em um momento em que o chefe da agência de segurança interna Shin Bet, Nadav Argaman, alertou sobre a possibilidade de um assassinato político devido ao incitamento que está sendo visto, especialmente nas mídias sociais. Em uma ação inusitada, a agência nomeou seguranças para vigiar o líder do partido Yamina Naftali Bennett, que chefiará o governo de coalizão durante a primeira metade de seu mandato, antes de entregá-lo à Lapid.

LEIA: Segurança doméstica de Israel alerta para violência com a queda de Netanyahu

“Não há aqui nenhum incitamento”, afirmou Drukman. “O incitamento existe apenas na imaginação daqueles que o dizem. Tudo pode ser feito de forma democrática para impedir a formação deste governo”.

Argaman insistiu, entretanto, que esta discussão pode ser interpretada entre certos grupos ou indivíduos como permissão para realizar atividades violentas e ilegais, que podem ir até a mira de vidas. “Além das responsabilidades confiadas ao Shabak [Shin Bet], assim como a outras agências de aplicação da lei, personalidades públicas pertencentes a todos os grupos políticos que foram eleitos pelo povo, juntamente com pensadores, clérigos, professores e todos os cidadãos de Israel, têm uma responsabilidade delicada nestes dias”. Ele acrescentou que a tarefa de “acalmar os preconceitos e frear a controvérsia é nossa responsabilidade comum”.

Categorias
Eleições israelensesIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments