Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Louis Vuitton e Fendi são criticadas por explorar o tradicional keffiyeh palestino

Louis Vuitton lançou um lenço de designer de luxo fortemente influenciado pelo tradicional keffiyeh palestino, 4 de junho de 2021 [JatIkhwan/Twitter]
Louis Vuitton lançou um lenço de designer de luxo fortemente influenciado pelo tradicional keffiyeh palestino, 4 de junho de 2021 [JatIkhwan/Twitter]

Uma das principais marcas de moda do mundo, a Louis Vuitton foi criticada pela venda de um lenço de designer de luxo fortemente influenciado pelo tradicional keffiyeh palestino, um símbolo do nacionalismo palestino.

As pessoas recorreram às redes sociais para acusar o designer de apropriação cultural e criticá-lo por não reconhecer as conotações que o lenço carrega na Palestina e vender o lenço por US$ 705, quando o item tradicional feito na Palestina custa menos de cinco por cento disso.

Louis Vuitton (LV) descreveu o lenço em seu site como sendo “inspirado no clássico keffiyeh e enriquecido com assinaturas da house”. A empresa afirmou que o lenço, feito de lã, algodão e seda, é leve e macio e “cria um clima descontraído”.

“Lucrar com o povo oprimido da Palestina é vergonhoso, @LouisVuitton, por que você não fala sobre o genocídio e a limpeza étnica do povo palestino”, escreveu um usuário do Twitter.

LEIA: Balanço de onze dias de bombardeio à Gaza

“@LouisVuitton é politicamente neutro quando se trata de Palestina e Israel, mas totalmente legal ganhando dinheiro com o keffiyeh. É melhor haver planos de doar os rendimentos para as vítimas palestinas”, escreveu outro usuário.

A marca também foi criticada por mudar as tradicionais cores preto e branco dos chapéus para azul e branco – as cores da bandeira israelense – e por lançar sua nova oferta após a última rodada de ataques aéreos de Israel na Faixa de Gaza.

Pelo menos 255 palestinos foram mortos, incluindo 66 crianças e 39 mulheres, e mais de 1.900 outros feridos em 11 dias de ataques aéreos israelenses no enclave sitiado.

“Genocídio palestino não é algo para você capitalizar”, uma pessoa tweetou para Louis Vuitton. Outro disse: “Remova isso do seu site imediatamente, é nojento”.

ASSISTA: Pintor palestino retrata violações de Israel na Cisjordânia ocupada

Logo depois, o escritor e advogado Khalid Beydoun apontou como outras empresas de ponta, como a Fendi, também estavam monetizando a opressão.

O lenço de US$ 890 da marca italiana de luxo também está enfrentando críticas e acusações de apropriação cultural após o lançamento de um lenço de cashmere keffiyeh.

“É mais um padrão do que um incidente isolado”, disse ele. “Pare de tentar se apropriar, mutilar e transformar o Kaffiyeh”.

 

A Hirbawi Textile Factory, que se descreve como a última e única fábrica keffiyeh dos territórios palestinos, apelidou o lenço de “a bandeira palestina não oficial”.

O intrincado padrão, de acordo com o site da fábrica, “diz-se que representa uma rede de pesca, um favo de mel, a junção das mãos ou as marcas de sujeira e suor na testa de um trabalhador, entre outras coisas”.

Nem a Louis Vuitton nem a Fendi emitiram uma declaração, no entanto, o keffiyeh não pode mais ser encontrado no site da Louis Vuitton.

LEIA: Chegar à Gaza sob as bombas de Israel

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestinaTendências do Twitter
Show Comments
Show Comments