Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito continua a ser o quinto maior executor em todo o mundo, de acordo com Reprieve

Um manifestante segura uma caricatura retratando o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi como a Senhora da Justiça com uma espada ensanguentada e balanças de forca durante uma manifestação contra a política do presidente egípcio, em 3 de junho de 2015, em Berlim [Odd Andersen/AFP via Getty Images]
Um manifestante segura uma caricatura retratando o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi como a Senhora da Justiça com uma espada ensanguentada e balanças de forca durante uma manifestação contra a política do presidente egípcio, em 3 de junho de 2015, em Berlim [Odd Andersen/AFP via Getty Images]

Reprieve divulgou um novo relatório sobre a pena de morte que revela que o Egito continua sendo o quinto maior carrasco em todo o mundo.

Desde que Abdel Fattah Al-Sisi subiu ao poder em um golpe militar que liderou em 2013, um número recorde de sentenças de morte foram impostas e executadas.

Atualmente, pelo menos 26 pessoas correm o risco de execução iminente e pelo menos 17 crianças receberam a sentença de morte desde 2011.

Isso apesar do fato de que a lei infantil do Egito estipula que nenhuma criança que cometeu um crime com menos de 18 anos pode ser condenada à morte, prisão perpétua ou trabalho forçado.

No Egito, há 60.000 presos políticos que são sistematicamente torturados e não recebem atendimento médico como medida punitiva contra seu ativismo.

Essa tortura sistemática é frequentemente usada para obter uma confissão que levanta grandes preocupações em meio ao uso crescente da pena de morte.

Desde que seu último relatório foi divulgado em 2019, o “complexo de julgamentos em massa” do Egito não mostra sinais de desaceleração, apesar da condenação internacional generalizada.

Desde a revolução egípcia de 2011, houve pelo menos 53 julgamentos em massa, dos quais 2.182 pessoas foram condenadas à morte.

‘Com base nas conclusões desse relatório, agora está mais claro do que nunca que o Egito está usando a pena de morte como uma ferramenta de repressão”, disse o autor do relatório, Jeed Basyouni.

“A pena de morte é o maior abuso do poder do Estado. No Egito, ela está sendo exercida por um regime que faz uso da tortura sistemática, sufoca o direito à liberdade de reunião e expressão e condena aqueles que exercem esses direitos protegidos internacionalmente – incluindo crianças – como terroristas.”

Bayouni apelou à comunidade internacional para restringir o uso da pena de morte e cumprir as obrigações internacionais.

“Sem reformas, a máquina da morte só se moverá mais rápido nos próximos anos.”

LEIA: Egito à beira da terceira onda covid

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments