Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Via Campesina: solidariedade com a Palestina,agora e apoio geral ao BDS

Apoio da luta camponesa à luta palestina [Via Campesina]
Apoio da luta camponesa à luta palestina [Via Campesina]

A Via Campesina exige uma missão investigativa das Nações Unidas sobre as violações dos direitos humanos palestinos, também convoca todo o movimento e aliados comprometidos a se unirem à Campanha Global pela Boicote, Desinvestimento e Sanções (bds) contra o apartheid israelense na Palestina ocupada. Apartheid é um crime!

A Via Campesina – movimento internacional que reúne centenas de milhões de camponeses, trabalhadores rurais, migrantes, sem-terra, indígenas, pescadores, jovens e mulheres rurais, entre outros lutadores pela Soberania Alimentar e Direitos do Camponês – acompanha a luta do povo palestino desde os primeiros anos da ocupação ilegal israelense.

Comprometidos com a justiça social e a dignidade dos povos, conhecemos a realidade palestina ano após ano por meio de inúmeras delegações ao território ocupado e então, em 2013, integramos ao nosso movimento o Sindicato dos Comitês de Trabalhadores na Agricultura ou UAWC-Palestina. Desde então, seus trabalhadores rurais em Ramalah, guardiães de sementes em Hebron e pescadores em Gaza, entre outros, deram importantes contribuições ao internacionalismo camponês da Via Campesina – ajudando a construir nossa Declaração dos Direitos Camponeses (UNDROP) e consolidar nosso movimento em todo o mundo árabe, para citar apenas dois exemplos.

Delegação após delegação à Palestina, a Via Campesina viu com seus próprios olhos a cruel ilegalidade do Estado Colonial Israelense: seus massacres em Gaza e na Cisjordânia, sua gritante demolição de escolas, hospitais e casas, sua construção de muros e expansão de colônias, seu roubo de águas, terras e territórios. Mas também temos acompanhado o povo palestino em sua gestão digna de suas plantações rebeldes – seus olivais com mais de 500 anos plantados, suas escolas e centros comunitários onde a consciência histórica é formada na juventude palestina, e suas conferências internacionais organizadas para alcançar uma verdadeira Soberania Alimentar para a Palestina e todos os outros povos em luta.

LEIA: Jornal israelense publica fotos de 67 crianças mortas por Israel em Gaza

“Viva as lutas de nossos camponeses! Viva as lutas dos trabalhadores rurais! Estamos com vocês até que a justiça socioeconômica seja realizada para todos os camponeses, pescadores e trabalhadores agrícolas. Que possamos ter sucesso em proteger os direitos dos camponeses e trabalhadores rurais em todo o mundo, bem como em nossos respectivos países, no mundo árabe e em nossa amada Palestina ”- Declaração Final da Conferência Internacional: Soberania Alimentar, Colônias e Fronteiras ( Ramalah, 2019).

Em abril de 2021, a Human Rights Watch (HRW) confirmou o que os povos do mundo vinham denunciando há anos: “As autoridades israelenses estão cometendo os crimes contra a humanidade do apartheid e da perseguição.” De acordo com o novo Relatório HRW, “a severidade da repressão no território ocupado, incluindo a imposição de um regime militar draconiano aos palestinos, enquanto judeus israelenses, vivendo de forma segregada no mesmo território, gozam de todos os seus direitos, em virtude de uma lei civil israelense que respeita esses direitos, equivale a uma opressão sistemática necessária para a existência do apartheid ”. Antes tarde do que nunca, e mais claro impossível.

Em 15 de maio, a Nakba ou “catástrofe” que ocorreu em 1948 marcou o 73º aniversário da expulsão de 750.000 palestinos de suas casas e terras para criar o Estado de Israel. Embora o acordo sancionado pelas Nações Unidas fosse o de que ele ocuparia apenas 55 por cento do território palestino, em violação do direito internacional, ele ocupou a maior parte da Palestina através da violência e repressão.

No contexto da Nakba 2021, conhecida como “o dia da dor” pelo povo palestino, o Estado Criminoso de Israel intensificou seus planos ocupacionistas e deslocamento dos palestinos com uma série de ataques de guerra que resultaram no vil assassinato de mais 250 palestinos – a maioria crianças, mulheres e idosos.

LEIA: Dia da Nakba: Pelo fim do apartheid de Israel

Em resposta, a Via Campesina emitiu uma nova Declaração de Solidariedade dizendo ao mundo, mais uma vez: Os direitos palestinos são direitos humanos também!

Eles trabalham nas áreas rurais, têm o direito à vida, integridade física e mental, liberdade e segurança da pessoa … Eles não podem ser submetidos a prisão ou detenção arbitrária, tortura ou outro tratamento ou punição cruel, desumano ou degradante, nem devem ser submetidos à escravidão ou servidão ”- Artigo 6 sobre Direito à vida, liberdade e segurança da pessoa, da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos do Camponês (UNDROP, 2018 )

“Os camponeses e outras pessoas que trabalham no meio rural têm o direito de definir seus próprios sistemas agroalimentares, reconhecidos por muitos estados e regiões como o direito à soberania alimentar. Isto engloba o direito de participar nos processos de tomada de decisão sobre a política agroalimentar e o direito a uma alimentação saudável e suficiente, produzida com métodos ecológicos e sustentáveis ​​que respeitem a sua cultura ”

Artigo 15 sobre o Direito à alimentação e soberania alimentar da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Camponeses (UNDROP, 2018)

Solidariedade em movimento

Em resposta ao recente ataque israelense, e para evitar que esses crimes se repitam, a Via Campesina pede à Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) e ao Conselho de Direitos Humanos da ONU (UNHRC) que organizem imediatamente uma missão oficial de averiguação da ONU em Palestina ocupada. Esperamos que esta Missão da ONU concentre sua investigação nas violações de direitos cometidas durante os recentes ataques de Israel contra a população civil palestina e também acreditamos que essa Missão deve servir para monitorar a violação contínua dos Direitos Humanos em geral e, mais especificamente, dos direitos dos camponeses palestinos e outras pessoas que trabalham nas áreas rurais, conforme detalhado em nosso UNDROP. A Via Campesina, junto com nossa organização membro UAWC-Palestina, está pronta e disposta a acompanhar a implementação efetiva da referida Missão da ONU.

Ao mesmo tempo, vale lembrar que em novembro de 2015 uma delegação da Via Campesina à Palestina apresentou um relatório detalhado com múltiplas recomendações para o nosso movimento e toda a nossa comunidade de aliados. Um deles, talvez o mais importante hoje, foi aderir formalmente ao movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), que visa restringir o apoio internacional à ocupação ilegal e repressão criminal de palestinos por Israel e obrigá-lo a cumprir as normas internacionais lei. Foi assim que assumimos o compromisso de mobilizar nossas organizações e aliados em torno do BDS como uma “ferramenta na luta contra o crime de apartheid que o Estado de Israel comete contra a população palestina”.

A Via Campesina em solidariedade ao povo palestino que atualmente sofre os mais graves ataques militares dos últimos tempos, conclamamos nossas 182 organizações membros e toda a nossa comunidade de organizações e movimentos aliados a se unirem com toda firmeza e convicção ao movimento BDS para acabar com o Apartheid israelense e seus crimes de guerra.

– Junte-se a nós: junte-se a todos nós! O boicote é econômico, acadêmico e cultural!

– Mobilização: devemos nos mobilizar para que empresas, instituições públicas e privadas, inclusive universidades, e governos que mantêm relações comerciais e de investimento com Israel parem de fazê-lo;

– Imprensa: Devemos também pressionar governos como os Estados Unidos e Canadá, que continuam a vender armas a Israel que são usadas contra a população palestina, principalmente mulheres, idosos e crianças; a ajuda militar dos Estados Unidos e Canadá, e de outros países, também é uma violação de suas políticas internas que proíbem a venda de armas para cometer crimes contra a humanidade e a violação dos direitos humanos;

-Rejeitar: os países que utilizam corporações de segurança e controle israelenses, como a Elbit Systems, que construiu o muro na Cisjordânia e desenhou a estratégia paramilitar contra a população palestina e que tem sido a mesma que participou da construção do muro . e o desenho da estratégia militar na fronteira dos Estados Unidos e do México contra os migrantes e as comunidades fronteiriças, deve romper qualquer relação comercial e de investimento com o criminoso Estado de Israel;

– Denúncia: Finalmente, que corporações estrangeiras assentadas em territórios palestinos, como Cemex de México, que colabora nos assentamentos ilegais de colonos extremistas brancos que continuam a se espalhar pelo medo e ataques paramilitares contra palestinos, deixem Israel, porque suas operações estão manchadas com o sangue da população palestina que continua a resistir e lutar heroicamente.

A solidariedade concreta e genuína com o povo palestino não pode esperar mais, é urgente e deve ser abrangente e comprometida. Instamos nossas organizações e a Via Campesina como um todo e todos os nossos aliados a agirem juntos no apoio ao movimento BDS para minar a terrível política de apartheid que o povo irmão palestino sofre hoje.

Vamos globalizar a luta! Vamos globalizar a esperança!

Publicado originalmente em viacampesina

LEIA: Vitória do BDS: Juiz federal dos EUA decide que a lei contra o boicote a Israel é inconstitucional

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBDSIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments