Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

As falhas de Israel em confrontar os grupos de resistência em Gaza

Crianças palestinas seguram velas durante um comício em meio às ruínas de casas destruídas pelos ataques israelenses, na Cidade de Gaza, em 24 de maio de 2021. Slogans em árabe dizem: “Pare os crimes de ocupação da Palestina [Mohammed Abed/AFP via Getty Images]

Quando a última agressão israelense contra os palestinos na Faixa de Gaza terminou na manhã da última sexta-feira, as várias falhas e os erros do exército de ocupação e do governo, que podem ter comprometido os objetivos da ofensiva militar, começaram a se manifestar. Eles podem exigir uma investigação interna, pois esses erros contribuíram para reduzir o fator de dissuasão do exército.

Os israelenses estão prestando atenção ao que eles descrevem como “uma onda de erros de avaliação da situação” que prevaleceu no governo e nas agências de segurança nos últimos meses. Eles pensaram que o Hamas estava preocupado em levantar o cerco a Gaza e abordar as questões cotidianas dos palestinos e, portanto, não ousaria se envolver em um confronto militar. Nem mesmo, acreditavam os israelenses, para defender Jerusalém, a mesquita de Al-Aqsa e o bairro de Sheikh Jarrah. Isso levou as agências de segurança israelenses a exigirem respostas para essa falsa leitura das orientações políticas e militares do movimento.

Mesmo quando Muhammad Al-Deif, o comandante supremo dos grupos de resistência palestinos alertou na sexta-feira, 7 de maio, sobre as repercussões de dar sinal verde para os colonos invadirem Al-Aqsa em 10 de maio, ele não foi levado a sério. Acreditava-se que ele estava fazendo jogos mentais ou tentando mobilizar os palestinos, em vez de ser uma ameaça genuína. No entanto, a defesa de Jerusalém provou a sinceridade da ameaça e o fracasso de Israel em avaliar a situação de maneira adequada.

Israel devidamente lançou sua agressão de 2021 na mesma linha que encerrou sua ofensiva de 2014, com ataques aéreos em torres residenciais destinadas a amedrontar os palestinos até a submissão, criando rachaduras em apoio à resistência e forçando-a a exigir o fim do bombardeio. No entanto, os palestinos que emergiram das ruínas de seus edifícios não reagiram como os israelenses esperavam. As autoridades de ocupação ficaram chocadas ao ouvi-los apelar à resistência para continuar enfrentando Israel e não recuar, embora suas casas tivessem acabado de ser destruídas pela entidade sionista.

LEIA: A resistência heróica da Palestina sinaliza o fracasso do sionismo

Quando os grupos de resistência anunciaram que sua nova abordagem defensiva era “responder às bombas com bombas”, e que eles teriam como alvo um edifício israelense para cada um deles destruído em Gaza, a ameaça aos edifícios em Ashkelon e Tel Aviv foi levada a sério.

Além disso, quando o acordo de cessar-fogo foi anunciado, mas antes de entrar em vigor, os palestinos esperavam que os israelenses cometessem um massacre antes que chegasse a hora zero. Os grupos de resistência avisaram que buscariam alvos em Israel, inclusive no Acre, no extremo norte do país, se isso acontecesse. Isso acabou com qualquer ideia que as forças de ocupação pudessem ter sobre derramar tanto sangue palestino quanto possível antes do início do cessar-fogo.

A mídia israelense tem promovido os sistemas de defesa aérea do país como sendo capazes de conter vários tipos de mísseis. O famoso sistema de defesa antimísseis Iron Dome atraiu mais elogios do que qualquer outro. No entanto, os foguetes lançados de Gaza foram capazes de contornar todos os sistemas de defesa operados por Israel. Fotojornalistas palestinos e israelenses capturaram imagens ao vivo do fracasso do Iron Dome em conter os foguetes.

O exército israelense começou a analisar as razões para isso. Alguns atribuíram isso ao grande número de foguetes disparados. Cada salva consistia em nada menos que 50 foguetes e, em uma ocasião, as Brigadas Al-Qassam – a ala militar do Hamas – dispararam 170 foguetes em 90 segundos, o que foi difícil para o sistema Iron Dome interceptar.

Outra estratégia para desviar os mísseis Iron Dome era lançar mísseis-isca primeiro, de modo que os mísseis antibalísticos de Israel se dirigissem para eles, o que significava que todos ou a maioria tinham sido disparados antes que os foguetes reais chegassem de Gaza. Blogueiros palestinos e israelenses rotularam o muito elogiado sistema de defesa de Israel, com mais do que um toque de sarcasmo, de cúpula de “seda” ou “plástico”.

Embora Israel tenha ameaçado uma invasão de terra para erradicar a resistência, isso não aconteceu. As facções responderam com uma ameaça semelhante sobre os preparativos para a invasão, o que deixou o exército de ocupação sem dúvidas sobre o que suas tropas no terreno poderiam esperar enfrentar em Gaza. Os soldados israelenses foram informados de que seriam transformados de caçadores em presas. Seus líderes políticos e militares decidiram não os obrigar a avançar para o “pântano de Gaza”.

LEIA: Vitória do BDS: Juiz federal dos EUA decide que a lei contra o boicote a Israel é inconstitucional

As agências de inteligência israelenses se esforçaram para se infiltrar na rede de comunicações da resistência, mas sem sucesso. Isso resultou em muitos sites sendo bombardeados duas ou três vezes devido à falha na atualização do “banco de alvos” de Israel. Tecnologicamente falando, a resistência possui comunicações extremamente discretas e bem protegidas, que não podem ser interceptadas. Isso ajudou a limitar o número de baixas entre os combatentes da resistência e tornou impossível escutar suas discussões táticas. Onze dias de bombardeio israelense expôs as limitações dos israelenses a esse respeito.

Apesar de sua vasta capacidade técnica e tecnológica, Israel também falhou em vencer a guerra de propaganda, através da qual esperava atribuir um verniz de legitimidade ao seu ataque a civis em Gaza e conquistar a opinião pública. Ele subestimou a capacidade das mídias sociais de substituir os veículos convencionais em transmitir a realidade e a brutalidade do que estava acontecendo no local. A destruição do bloco de torres que abriga os escritórios da Associated Press e da Al Jazeera, bem como das unidades residenciais, claramente não fez nenhum favor a Israel. Manifestações massivas foram realizadas em todo o mundo em protesto contra o que o estado sionista estava fazendo. Ao enfrentar um dos exércitos mais bem equipados do mundo, os palestinos assumiram o controle moral e legal.

Apesar dos esforços incansáveis ​​dos guerreiros digitais de Israel, eles falharam em promover a narrativa sionista. O fracasso foi agravado pelos testemunhos pessoais de palestinos apanhados em 11 dias e noites de pesado bombardeio. O mundo sabia que Israel alvejou civis deliberadamente e bombardeou sua infraestrutura e até mesmo estradas específicas, tornando impossível para as ambulâncias chegarem aos hospitais com vítimas. As mentiras do exército israelense sobre ter como alvo apenas locais “terroristas” foram expostas para que todos pudessem ver. Não é à toa que muitos israelenses estão pedindo uma investigação interna sobre a forma como o governo está lidando com todo o caso.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments