Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ministro da AP critica a normalização com Israel em meio a ataques crescentes contra palestinos

Ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riyad al-Maliki, em uma entrevista coletiva conjunta após sua reunião em Ancara, Turquia, em 07 de maio de 2021 [Cem Özdel / Agência Anadolu]
Ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riyad al-Maliki, em uma entrevista coletiva conjunta após sua reunião em Ancara, Turquia, em 07 de maio de 2021 [Cem Özdel / Agência Anadolu]

O Ministro das Relações Exteriores da Autoridade Palestina criticou os Estados árabes que assinaram acordos de normalização com Israel desde agosto passado. Riyad Al-Maliki pronunciou-se na sessão de emergência de ontem junto a seus homólogos da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI).

As nações muçulmanas, por sua vez, criticaram os ataques “bárbaros” de Israel contra os palestinos, matando até agora pelo menos 212 palestinos. O número de mortos aumenta quase a cada hora.

“A normalização e a corrida rumo a este sistema colonial israelense sem alcançar a paz e acabar com a ocupação israelense de terras árabes e palestinas representa apoio ao regime do apartheid e participação em seus crimes”, insistiu Al-Maliki. “Esta ocupação colonial deve ser confrontada, desmantelada, terminada e banida. A recente normalização rápida não terá impacto sobre os sentimentos do [povo] árabe nem mudará sua opinião”.

Israel lançou uma ofensiva militar contra os palestinos na Faixa de Gaza na última segunda-feira, utilizando sua força aérea, artilharia e marinha. As facções de resistência palestina responderam disparando foguetes contra as cidades israelenses.

LEIA: Associated Press quer investigação independente sobre bombardeio de Israel no escritório de Gaza

A violência israelense contra os palestinos constrangeu os países árabes – Sudão, Marrocos, Emirados Árabes Unidos e Bahrein – que assinaram acordos de normalização com o Estado de ocupação no ano passado como parte dos chamados “Acordos de Abraão”. A reunião de emergência da OCI foi sediada pela Arábia Saudita, que não normalizou formalmente os laços com Israel, mas é conhecida por manter laços clandestinos.

O Ministro saudita das Relações Exteriores, Faisal Bin Farhan Al-Saud, pediu à comunidade internacional que tomasse “medidas urgentes” para interromper a operação militar israelense e reavivar as conversações de paz com o objetivo de garantir uma solução de dois Estados. “A preservação de Jerusalém é responsabilidade de todos nós”, disse ele.

Os palestinos condenam os acordos, consideram como uma punhalada nas costas e “traição”.  A liderança palestina apontou que os Estados da normalização recompensaram Israel enquanto este continua sua ocupação da Cisjordânia e Jerusalém Oriental, e mantém seu cerco à Faixa de Gaza.

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOICOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments