Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Associated Press quer investigação independente sobre bombardeio de Israel no escritório de Gaza

Jornalistas da Associated Press ficam em estado de choque ao lado dos escombros da Torre Al-Jalaa, que abrigava escritórios de imprensa internacionais, após um ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza, em 15 de maio de 2021 [Mohammed Abed/AFP via Getty Images]

O editor executivo da Associated Press quer uma investigação independente sobre o bombardeio israelense da Torre Al-Jalaa de 13 andares em Gaza no sábado, que abrigava escritórios de mídia internacionais, incluindo a Al-Jazeera e a própria AP. Sally Buzbee disse que a agência ainda não havia visto nenhuma evidência das autoridades israelenses para justificar o bombardeio.

Um correspondente da Agência Anadolu que testemunhou o ataque relatou que vários mísseis israelenses atingiram o prédio. Os militares israelenses deram à AP e outros jornalistas e inquilinos uma hora para evacuar o prédio. Foi alegado que o Hamas usava o prédio como escritório de inteligência militar e para desenvolvimento de armas.

No entanto, Buzbee apontou que a AP tem escritórios na Torre Al-Jalaa há 15 anos e nunca foi dada qualquer razão para pensar que o movimento de resistência palestina estivesse presente no prédio. Ela insistiu que os fatos devem ser expostos.

“Ouvimos os israelenses dizerem que têm evidências”, disse ela ontem ao programa “Fontes confiáveis”, da CNN. “Não sabemos quais são essas evidências. Achamos que é apropriado neste ponto que haja uma análise independente do que aconteceu.”

LEIA: Alertas de ‘terrível massacre’ planejado por Israel contra jornalistas

O porta-voz militar israelense Jonathan Conricus disse que as evidências estão sendo compiladas para os EUA, mas se recusou a se comprometer a fornecê-las nos próximos dias.

De acordo com Buzbee, os jornalistas da AP estão “abalados” desde o ataque aéreo, mas estão bem e divulgando as notícias a partir dos escritórios da Agence France-Presse em Gaza. Ela expressou preocupação com o impacto na cobertura de notícias.

Repórteres Sem Fronteiras pediu ao Tribunal Penal Internacional para investigar o bombardeio de Israel contra a torre de mídia e seu evidente “alvo intencional de organizações de mídia e destruição intencional de seu equipamento” como um possível crime de guerra.

“Isso tem um impacto sobre o direito do mundo de saber o que está acontecendo em ambos os lados do conflito em tempo real”, acrescentou o Buzbee.

Não há direitos humanos em Gaza [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Categorias
CatarEuropa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaTurquia
Show Comments
Show Comments