Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Polícia do Quênia dispersa manifestantes em protesto contra os ataques de Israel a Gaza

O ativista de direitos humanos Boniface Mwangi: “Nosso silêncio dá a Israel uma justificativa para o que está fazendo”

Na quinta-feira, a polícia do Quênia disparou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar mais de 200 pessoas que protestavam na capital, Nairóbi, contra o bombardeio israelense na Faixa de Gaza.

A marcha começou após as orações de Eid Al-Fitr em uma mesquita próxima. Uma testemunha ocular disse à Reuters que vários manifestantes foram presos.

Os manifestantes agitaram faixas com a bandeira palestina onde se liam “Os quenianos apoiam a Palestina” e “Nossa liberdade está incompleta sem a liberdade dos palestinos – Nelson Mandela”.

Rayan Sheikh, um manifestante, expressou: “Eu apoio meus irmãos e irmãs na Palestina e oro dia e noite para que eles tenham paz”.

Os ataques aéreos israelenses na Faixa de Gaza causaram dezenas de mortes desde a escalada da violência na segunda-feira, enquanto várias pessoas em Israel foram mortas por foguetes disparados pelo Movimento de Resistência Islâmica Hamas.

LEIA: Jogador Ozil, do Fenerbahçe, dedica orações do Eid aos palestinos

Pouco antes do gás lacrimogêneo ser disparado para dispersar os manifestantes, o ativista anticorrupção e de direitos humanos Boniface Mwangi declarou: “Israel é a última nação do apartheid no mundo”.

Ele acrescentou: “O regime do apartheid na África do Sul não teria caído sem a pressão internacional. Nosso silêncio dá a Israel uma justificativa para o que está fazendo”.

Alguns críticos das políticas israelenses contra os palestinos, incluindo a Human Rights Watch, acusaram a ocupação de implementar uma forma de apartheid. Israel rejeita a comparação.

Categorias
ÁfricaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaQuêniaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments