Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O uso da força por Israel contra os palestinos continua, já que nunca foi responsabilizado, diz HRW

Soldados israelenses lançam gás lacrimogêneo contra manifestantes palestinos durante um protesto anti-Israel contra a tensão em Jerusalém, perto do assentamento judaico de Beit El perto de Ramallah, na Cisjordânia ocupada, em 12 de maio de 2021 [Abbas Momani/AFP via Getty Images]
Soldados israelenses lançam gás lacrimogêneo contra manifestantes palestinos durante um protesto anti-Israel contra a tensão em Jerusalém, perto do assentamento judaico de Beit El perto de Ramallah, na Cisjordânia ocupada, em 12 de maio de 2021 [Abbas Momani/AFP via Getty Images]

Os abusos que as forças israelenses estão infligindo aos palestinos na Cisjordânia ocupada “resultam de um padrão de décadas de autoridades israelenses usando força excessiva e amplamente desproporcional para reprimir protestos e distúrbios por palestinos, muitas vezes resultando em ferimentos graves e perda de vidas”, disse a Human Rights Watch.

Os ataques israelenses acontecem no momento em que os manifestantes palestinos exigem o fim do deslocamento forçado de famílias de suas casas na Jerusalém Oriental ocupada para abrir caminho para colonos ilegais. As forças de ocupação israelenses também invadiram a Mesquita de Al-Aqsa em várias ocasiões e atiraram e abusaram de fiéis palestinos enquanto eles rezavam as orações noturnas do Ramadã.

O diretor palestino e israelense da HRW, Omar Shakir, criticou o uso de “gás lacrimogêneo, granadas de atordoamento e balas de aço revestidas de borracha, incluindo dentro da mesquita de al-Aqsa” pelas forças israelenses contra os manifestantes, mil dos quais ficaram feridos entre 7 e 10 de maio, a maioria após ser atingida por balas de aço revestidas de borracha.

Apelando à ação da comunidade internacional contra os abusos de Israel, Shakir advertiu: “Mesmo se a crise imediata diminuir, o ciclo vicioso continuará enquanto a impunidade para os abusos graves permanecer a norma e a comunidade internacional não conseguir tomar o tipo de medidas para garantir responsabilidade que uma situação desta gravidade justifica”.

LEIA: Na batalha pela libertação, Gaza está mais perto de Jerusalém do que Ramallah

Categorias
HRWIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments