Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Isso precisa acabar

Carta aberta do diretor do Programa de Saúde Mental da Comunidade de Gaza
Ataques israelenses destroem um banco na Faixa de Gaza (Ali Jadallah / Agência Anadolu)

Estou escrevendo esta carta olhando para meu apavorado filho de 6 anos, que fica tapando os ouvidos com as mãos, tentando bloquear os sons do bombardeio de Israel, minhas duas filhas, de 13 e 10 anos, e minha esposa. Esses rostos mostram a ansiedade de não saber onde podem estar seguros agora. Meus dois filhos mais velhos, de 16 e 15 anos, sentam-se atordoados e em silêncio e sei que estão revivendo as memórias das três ofensivas anteriores na Faixa de Gaza e dos membros da família que perdemos. Esses são os sentimentos que cada família na Faixa de Gaza está vivendo.

Nós, palestinos, vivemos décadas de humilhação, injustiças e maus-tratos. Em 1948, fomos expulsos de nossa terra; mais de 600 aldeias foram totalmente destruídas; centenas de milhares de nós foram mortos ou desenraizados. Quase oitocentos mil acabaram vivendo como refugiados em diferentes lugares ao redor do globo.

Isso aconteceu sob os olhos da comunidade internacional, que nos prometeu, um Estado soberano sobre cerca de um quinto de nossa pátria original. Essa decisão só foi aceita na década de 1990 pelos palestinos que acreditavam em uma solução de dois Estados.

Vinte e seis anos depois, olhamos para as condições no prometido Estado da Palestina e vemos uma Cisjordânia dividida e ocupada por centenas de milhares de colonos que vivem em assentamentos construídos sobre os escombros de casas palestinas, e que estão tirando a vida de o povo palestino é um inferno.

LEIA: Na batalha pela libertação, Gaza está mais perto de Jerusalém do que Ramallah

Vemos a Faixa de Gaza sob bloqueio por mais de 14 anos, deixando-nos privados de condições básicas de vida. Não só isso, mas tendo sofrido três grandes ofensivas nesta pequena área que mataram, destruíram e traumatizaram milhares de nosso povo.

E vemos Jerusalém Oriental, com seus locais mais sagrados para muçulmanos e cristãos, continuando sob constante ameaça à medida que colonos ocupam casas e bairros palestinos.

Um pai palestino grita depois de perder seus dois filhos durante um ataque aéreo de caças israelenses em Rafah, Gaza, em 13 de maio de 2021. [Abed Rahim Khatib/ Agência Anadolu]

Há uma semana, colonos israelenses começaram a atacar Sheikh Jarrah tentando confiscar mais casas de famílias palestinas. Todo mundo viu. Ninguém interveio.

Em uma das noites mais sagradas do Ramadã, Israel decidiu despejar dezenas de milhares de fiéis que estavam rezando em Al-Aqsa. A maioria deles eram palestinos que vivem na Palestina de ’48 – agora Israel. Todos viram o uso brutal do poder militar por Israel. Ninguém interveio.

As cenas violentas em Sheikh Jarrah e no complexo de Al-Aqsa acenderam um fogo nos corações palestinos não apenas na Palestina histórica, mas também em todo o mundo.

Enquanto fazíamos uma demonstração em Akka, Jafa, Nazareth e na Cisjordânia, foguetes foram disparados de Gaza exigindo o fim das atrocidades em Jerusalém.

A resposta do exército israelense foi atacar Gaza com ainda mais violência do que nos dias terríveis das ofensivas anteriores. Desta vez causando a morte de mais de 80 pessoas, incluindo 17 crianças e 7 mulheres. Os bombardeios atingiram torres, apartamentos, edifícios governamentais e policiais e até ruas inteiras. Todo mundo está vendo isso. Ninguém intervém.

Por quanto tempo o mundo ficará sentado de braços cruzados enquanto nós aqui em Gaza sofremos assim? O povo de Gaza precisa de mais do que declarações e resoluções, enquanto Israel recebe as armas que nos matam e aterrorizam.

LEIA: Israel deflagra situação em Gaza para desviar atenção de Sheikh Jarrah

Primeiro sou pai e depois psiquiatra. Meu sonho é que meus filhos vivam, cresçam, aprendam, com segurança. É o mesmo sonho de cada um dos clientes que vejo. Haverá mais deles hoje e amanhã. É meu trabalho dar esperança. Vou contar a eles o que digo a meus filhos e minha esposa. “Como essa injustiça para os palestinos já dura sete décadas, isso não a torna normal. O mundo está cada vez mais cheio de pessoas que não aceitam que seja normal. Haverá mudanças.”

Ação política concreta é necessária AGORA para acabar não apenas com os atuais bombardeios mortais, mas também com esta ocupação ilegal e cerco de Gaza por Israel, imediatamente.

Nossas atuais condições de vida sob o cerco são uma afronta à dignidade humana. Digo a meus filhos e clientes: “Nós, palestinos, temos o direito de viver como qualquer outro povo no mundo: viver em paz, com dignidade e desfrutar de nossos direitos. Isso virá”.

A Comunidade Internacional AGORA DEVE cumprir sua promessa de um Estado Palestino soberano. O respeito pelo direito internacional exige que todo país civilizado reconheça o Estado da Palestina agora.

Após mais de sete décadas de ocupação e miséria, continuamos resilientes e nunca desistiremos. Mas não há pai que possa suportar ver seus filhos viverem assim.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments