Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Palestina não será a mesma depois de outra Aqsa Intifada

Polícia israelense cercaa mesquita e permite que judeus fanáticos ataquem o complexo Masjid al-Aqsa, em Jerusalém Oriental em 10 de maio de 2021 [Muath Khatib / Agência Anadolu]
Polícia israelense cercaa mesquita e permite que judeus fanáticos ataquem o complexo Masjid al-Aqsa, em Jerusalém Oriental em 10 de maio de 2021 [Muath Khatib / Agência Anadolu]

Coincidindo com o 73º aniversário da Nakba (Catástrofe) e o assalto à Palestina, o estado sionista de Israel continua a usurpar o que resta da terra histórica e a apagar a identidade islâmica e árabe de Jerusalém ao judaizá-la. Em um esforço para unificar Jerusalém Ocidental e Oriental e apagar a presença árabe nesta última, as autoridades de ocupação recorreram à limpeza étnica testada e comprovada, que Israel tem realizado desde a criação do estado usurpador em 1948.

Daí a decisão de expulsar os residentes de Sheikh Jarrah, um bairro no coração da Jerusalém Oriental árabe, que Israel ocupa desde 1967. Ao despejar os palestinos de suas casas, Israel espera estabelecer um grande projeto de assentamento com 600 unidades habitacionais para abrigar usurpadores sionistas vindos de todo o mundo, sem afiliação ou raízes na terra. Isso é exatamente o que aconteceu com as casas dos refugiados palestinos, cujas terras também foram roubadas.

Colonos radicais israelenses mantêm ataques contra palestinos em Jerusalém ocupada [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O bairro Sh xeque Jarrah deve o seu nome ao médico do grande líder muçulmano Salah Al-Din Al-Ayyubi, que libertou Jerusalém dos cruzados no século XII. O xeque Hussam Al-Din Al-Jarrahi era conhecido simplesmente como Al-Jarrah. Os israelenses querem mudar o nome do bairro para apagar sua identidade árabe inerente.

A crise em Sheikh Jarrah é um microcosmo da tomada da Palestina de 1948 em diante, com Israel usando as mesmas ferramentas e enganos. Ele serve para nos lembrar sobre o roubo maciço de terras através do estabelecimento de um estado colonial em terras pertencentes a outro povo.

Israel reivindica a posse da terra onde está o xeque Jarrah, justo ao reivindicar a posse do resto da Palestina ocupada. Ele usa engano, propaganda e falsificações para “provar” sua afirmação. A evidência documental para isso realmente prova a falsa natureza das alegações israelenses. É um fato bem conhecido que o sultão otomano Abdul Hamid emitiu vários decretos proibindo a venda de terras aos judeus e impedindo-os de possuir propriedades na Palestina em geral, e em Jerusalém em particular. Ele até proibiu visitantes judeus de permanecerem em Jerusalém por mais de um mês. É totalmente falso, portanto, que Israel reivindique a propriedade das terras do xeque Jarrah.

LEIA: Israel não pode impor leis arbitrárias para deslocar palestinos, reitera ONU

O historiador turco Omer Tellioglu explicou em sua entrevista ao Arabi21 que há centenas de documentos no arquivo otomano que mostram que o império monitorou de perto a situação na Palestina e os movimentos de todos os estrangeiros ou não muçulmanos dentro de suas fronteiras. Ele enfatizou a nulidade das alegações sionistas e apontou que a intrusão judaica na Palestina em geral e em Jerusalém, em particular, foi monitorada desde seu início e teve oposição dos otomanos.

O site de notícias publicou cópias desses importantes documentos que o governo turco colocou à disposição da Autoridade Palestina, para fazer uso do arquivo otomano como bem entender. No entanto, o que o AP está fazendo sobre o que está acontecendo em Sheikh Jarrah? O que está acontecendo com os ataques a fiéis na mesquita de Al-Aqsa durante o mês do Ramadã? Está completamente ausente, como se o assunto não fosse motivo de preocupação. A AP continua satisfeita com sua coordenação de segurança com Israel e com a entrega dos heróicos combatentes da resistência às forças de segurança de ocupação.

Quando os sionistas transformaram o pátio da mesquita de Al-Aqsa em um campo de batalha e apontaram suas armas para o peito de adoradores desarmados, eles se depararam com dezenas de milhares de palestinos de todas as suas terras ocupadas e eles eram mais fortes do que as armas israelenses. A defesa de Jerusalém e da Mesquita de Al-Aqsa se tornará lenda por causa de sua fé e firmeza. Eles colocaram medo no coração dos usurpadores.

Não há dúvida de que os palestinos que defendem a mesquita de Al-Aqsa e Seikh Jarrah estão defendendo a dignidade e a honra de toda a Ummah muçulmana. Eles estão pagando o preço pela inação e negligência de seus governantes árabes sionistas com sua própria carne e sangue. É devido a esses governantes que a Ummah está zangada com sua incapacidade de apoiá-los para proteger corações, mentes e almas.

O que está acontecendo em Sheikh Jarrah e Jerusalém é um ponto de viragem crucial; Eu acredito que não pode haver volta ao status quo como era. A Palestina não será a mesma novamente.

Uma terceira Intifada é possível? – cartum [Carlos Latuff/Monitor do Oriente Médio]

Além disso, a Intifada de Al-Aqsa trouxe a questão palestina de volta ao centro da atenção árabe e internacional depois quase desaparer com a propagação da pandemia de normalização que varreu o mundo árabe. Provou que os bilhões pagos pelos países da normalização, chefiados pelos Emirados Árabes Unidos, para apagar a Palestina da consciência árabe foram em vão. A bússola do povo árabe ainda aponta para a Palestina e Jerusalém e os países normalizadores não serão capazes de realinhá-la, não importa o quanto eles tentem com seu poder, dinheiro e mídia.

LEIA: Ataque a Al-Aqsa é um desafio flagrante aos sentimentos dos muçulmanos, diz Mauritânia

A solidariedade dos palestinos em suas terras ocupadas desde a Nakba de 1948 com o que está acontecendo em Sheikh Jarrah e Jerusalém espalhou esperança por toda a região, não apenas entre o povo da Palestina. Todo árabe já sentiu em algum momento que é palestino por natureza, o que é o prenúncio de uma nova revolta palestina. É uma oportunidade histórica para acabar com a divisão política e restaurar a coesão do corpo palestino como um todo, concordando em um projeto de libertação nacional abrangente que será o núcleo de uma ampla estratégia de resistência que envolve as massas nas ruas palestinas.

Isso pode então ser usado para reconstruir a Organização para a Libertação da Palestina com base em sua primeira carta, incluindo as cláusulas relativas à luta para recuperar a Palestina do rio ao mar que foram removidas pelos Acordos de Oslo (embora eu preferisse que a página da OLP fosse encerrada completamente devido às suas decisões desastrosas). O papel do OLP terminou; seu tempo passou e uma nova entidade palestina com um jovem espírito patriótico deve nascer. Os jovens estão dirigindo a Intifada de Al-Aqsa, e devemos levar isso em consideração, com uma nova liderança palestina eleita que restaure a questão palestina para uma causa de libertação nacional, abandonando Oslo e suas consequências para administrar o projeto nacional em todas as suas manifestações.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments