Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os próximos confrontos em Jerusalém podem levar a uma nova Intifada

Entrevista com o ex-diretor de mídia e relações públicas da Mesquita de Al-Aqsa e professor de história islâmica, Abdallah Marouf

Nos últimos dias, a questão palestina passa por uma fase muito delicada, representada pelo que está acontecendo dentro da cidade de Jerusalém e da Mesquita de Al-Aqsa, além do que a ocupação israelense planeja para deslocar os moradores do bairro Sheikh Jarrah, localizado na cidade de Jerusalém, trazendo colonos israelenses para morar em suas casas. Confrontos eclodiram e continuam diariamente há mais de 10 dias, entre os residentes no bairro palestino de um lado, e colonos israelenses apoiados pelas forças de ocupação israelenses, por outro lado.

Também há apelos para invadir a sagrada Mesquita de Al-Aqsa na próxima segunda-feira por grupos sionistas extremistas, que convocam ataques  de milhares de colonos, apesar da santidade desta mesquita para os palestinos.

Quem fala sobre nesta entrevista ao Monitor do Oriente Médio sobre o que está acontecendo em Jerusalém é o ex-diretor de mídia e relações públicas da Mesquita de Al-Aqsa e professor de história islâmica na Istambul 29 May University, Abdallah Marouf. Ele também analisa o que está por vir a curto e longo prazos.

O que se passa na Jerusalém ocupada, seja no bairro Sheikh Jarrah ou na Mesquita de Al-Aqsa

O que está acontecendo agora em Jerusalém é uma tentativa sionista de impor uma nova realidade na cidade sagrada e em todas as suas santidades, principalmente, é claro, a sagrada Mesquita de Al-Aqsa. O projeto israelense está atrasado em 50 anos de acordo com a visão da ocupação israelense, que considera que Jerusalém é a capital do Estado de Israel. Eles declararam em 2018 que o Estado de Israel é um Estado judeu. No entanto, a ocupação está trabalhando para compensar o que realmente tem perdido neste contexto e está trabalhando para tentar mudar a situação atual em mais de uma área da Jerusalém ocupada.

Em relação ao bairro Sheikh Jarrah, a ocupação vem tentando controlar esta área há muito tempo porque faz parte do que a ocupação chama de “Bacia Sagrada”, termo usado por Israel para se referir à área em torno dos locais sagrados como a Cidade Velha de Jerusalém e a Mesquita de Al-Aqsa. Conseqüentemente, inclui a área de Silwan, Monte das Oliveiras e Ras al-Amud, e também do norte, bairro Sheikh Jarrah, bairro Al-Sawan, e outros. Por esta razão, o bairro Sheikh Jarrah representa uma grande importância no projeto israelense e a ocupação o coloca entre suas prioridades há muitas décadas.

LEIA: Ainda vamos testemunhar grandes conflitos em Jerusalém em 2021

Os moradores desse bairro já são refugiados. Eles foram deslocados depois que suas cidades e terras foram ocupadas em 1948 e se estabeleceram neste bairro em 1956, a partir de acordo entre a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA) e o governo da Jordânia. Em troca, seus cartões de asilo foram retirados porque essa terra era uma vasta área de propriedade do governo jordaniano. Pelo acordo, após três anos de assentamento, seriam emitidos documentos comprovando sua propriedade dessas propriedades. Porém, devido à burocracia administrativa da época, a conclusão desta parte relativa aos documentos foi adiada até a guerra de 1967 e a consolidação de uma nova realidade naquela região. A ocupação israelense encontrou essa brecha e viu nela uma oportunidade para expulsar a população desta área. Então fez vários documentos falsos alegando que alguns grupos de colonos possuíam essas propriedades.   Apesar das evidências, o tribunal israelense não reconheceu o direito do povo do bairro de Sheikh Jarrah à sua área e suas suas casas. Isso quer dizer que o tribunal faz parte do problema, e não desempenha o papel de julgar, mas sim de apoiar o projeto de controle do que eles chamam de “Bacia Sagrada”. Então, a questão é muito grande, e não é tanto jurídica quanto política, e deve ser levada ao Tribunal Penal Internacional. Essas são as reclamações ao governo jordaniano, porque é o fiador dos moradores da região e deve  entregar a eles essas propriedades e se responsabilizar pela demora que ocorreu na emissão dos documentos que comprovem a titularidade dessas propriedades. A Autoridade Palestina não tem nenhuma autoridade na cidade de Jerusalém, e como o governo jordaniano é o fiador do Acordo de Oslo, deve assumir a responsabilidade de levar o caso ao Tribunal Penal Internacional, porque estamos enfrentando uma guerra de pleno direito. O crime de deslocar os moradores de um bairro inteiro e trazer outros residentes estrangeiros, trazidos de fora deste bairro, e todos assistimos ao vídeo em que um colono disse a uma mulher palestina: “Se eu não roubar sua casa, alguém mais vai roubá-lo. ”

Abdallah Marouf em Jeruselim [Arquivo Pessoal]

 E o que está sendo esperado para esta segunda-feira, 28º dia do Ramadã?

Quanto ao 28º dia do Ramadã, que é a próxima segunda-feira (10), este dia é considerado muito importante pela ocupação israelense, pois no calendário hebraico é chamado de Dia de Jerusalém, que equivale a eles à ocupação da cidade de Jerusalém em 1967. Para este dia, os grupos extremistas e as chamadas organizações da União do Templo convocaram uma grande invasão da Mesquita de Al-Aqsa por milhares de colonos, acompanhada pela primeira vez por orações judaicas públicas em seu interior e nas fundações da sagrada Mesquita de Al-Aqsa. Isso contradiz as normas e leis internacionais e até mesmo os acordos que ocorreram entre Israel e Jordânia, além dos entendimentos do (secretário de Estado dos EUA) John Kerry em 2015. Esses grupos tentam fazer deste dia um dia para mudar o status quo da  Mesquita de Al-Aqsa,mudando a imagem de que fazem incursões e  estabelecendo o direito dos judeus de orar dentro da mesquita em público e também criando uma nova realidade de sobrepor uma interpretação judaica de ocasiões religiosas com base em considerações islâmicas. Como eles afirmam que o estado de ocupação é um estado judeu, estão tentando provar que se houver um conflito entre islâmicos e judeus sobre a ocasião, eles colocam a intepretação judaica. É algo que a ocupação tem tentado fazer desde 2019, através de inúmeras incursões. Eles invadiram a Mesquita de Al-Aqsa no Ramadã 2019, e foi um ataque simbólico sem orações, e também a invasão do Eid Al-Adha do mesmo ano, que coincide com uma memória judaica chamada “memória da queima do templo”. Agora, a ocupação tenta pela primeira vez realizar uma operação de assalto muito grande e está se preparando para isso há mais de 40 dias. Prometem uma invasão acompanhada por orações judaicas dentro da Mesquita de Al-Aqsa, na presença de figuras de alto perfil chefiadas pelos rabinos dos assentamentos extremistas da Cisjordânia, e alguns ex-ministros, além dos alunos do Rabino Meir Kahane, que constituem o cúmulo do extremismo na sociedade israelense.

O que os israelenses desejam com essa escalada simultânea em Jerusalém? Por que escolheram esse momento?

Tem como objetivo explorar uma oportunidade que acreditam ser de ouro, representada pela grande ascensão da direita extremista israelense nas recentes eleições, e sua obtenção de sete assentos representados pela chamada União de organizações do Templo, extremistas, e os alunos do Rabino Kahane representados pelo Partido do Poder Judaico e pela lista eleitoral religiosa sionista. Além disso, a ocupação a vê como uma oportunidade de ouro na onda de normalização de países árabes com a ocupação sionista, no chamado Acordo de Abraão, países que não estão apenas com o governo israelense, mas sim com a extrema direita israelense, porque vimos que esses países têm promovido infelizmente os produtos dos assentamentos israelenses, têm hospedado figuras que representam o auge da extrema direita nos assentamentos da Cisjordânia, e também não os ouvimos ter uma voz defendendo a Mesquita de Al-Aqsa e Jerusalém nos eventos.

LEIA: Israel impede acesso de palestinos à Al-Aqsa enquanto colonos programam invasão no 28º dia do Ramadã

O que esperar dos resultados ou implicações desses eventos para a questão palestina em geral e na questão de Jerusalém em particular?

No que diz respeito à questão palestina em geral, ela passa agora por um período muito crítico, representado pela ausência de um horizonte para solução dos problemas, o que é mais evidente na cidade de Jerusalém, em que o povo palestino está sozinho diante do racismo e do extremismo da direita israelense. Tudo isso representa a possibilidade de r uma grande explosão e desastre para o povo palestino. Muitos líderes palestinos, estudiosos religiosos, jornalistas, escritores e muitos outros falaram que a cidade de Jerusalém está à beira da explosão. É a isto que a ocupação sionista empurra com sua tolice, que é representada pela arrogância israelense, que vemos com clareza e de uma forma que não leva em conta o sentido da cidade de Jerusalém nas considerações islâmicas e árabes. Também não esquecemos o cancelamento das eleições e as polêmicas que as acompanharam.

Como você vê a posição árabe e internacional frente a esses eventos, seja no nível político oficial ou no nível popular?

A posição árabe oficial ainda está abaixo do que realmente se espera, e não desempenha o papel que deveria para estar com o povo palestino. Além disso, alguns países árabes estão claramente cao lado da ocupação israelense, Na verdade, descobrimos que alguns deles chegaram ao ponto de enviar mensagens de parabéns à ocupação israelense no aniversário da Nakba da Palestina, que é chamado de Dia da Independência no ocupação, tmensagens claras de novos alinhamentos desses países árabes.

Abdallah Marouf em Jeruselim [Arquivo Pessoal]

Quanto aos povos, sua interação é clara, ampla e muito conhecida, e acredito que a questão de Jerusalém é considerada central e sensível para todos os povos árabes e islâmicos. Mas não podemos esquecer que esses povos sofrem com as repercussões dos grandes acontecimentos ocorridos nos países árabes nos últimos dez anos, o que enfraquece sua capacidade de grandes reações, como aconteceu há 20 anos durante a Intifada de Al-Aqsa.

Como você vê o futuro de Jerusalém e de seu povo agora e nos próximos anos?

Espero que as coisas na cidade de Jerusalém estejam caminhando para uma grande escalada de resistência e um grande confronto, e pode não se limitar à cidade de Jerusalém, mas ser um ponto de partida para isso. Na verdade, nos acostumamos nos últimos anos com picos de ascensão e colisão com a ocupação israelense em certas ocasiões e os prenúncios da confronto ficaram claros este ano, como vimos no caso do Portão de Damasco. É o que está acontecendo em relação à Mesquita de Al-Aqsa. Na minha opinião, a escalada será grande na fase seguinte e acredito que a ocupação será a maior perdedora em qualquer escalada iminente, cujo centro seja a cidade de Jerusalém e seus lugares sagrados, pois a ocupação teme até mesmo mencionar o nome de “Intifada Palestina”. Se ocorrer, será um problema muito grande para Israel.

LEIA: Residentes de Sheikh Jarrah rejeitam ordem judicial para negociar com colonos

Além disso, a classe política israelense está muito dividida, e não conseguirá desacelerar os confrontos em Jerusalém, que a ascensão da extrema direita pode causar. Na minha opinião, a escalada pode acontecer em etapas ou de uma vez, e isso depende principalmente da natureza da ação e resposta ao que pode acontecer nos próximos dias, Nos próximos anos, ainda teremos um grande recuo israelense, porque Jerusalém se tornou uma dor de lado da ocupação, onde o povo Al-Quds é a única parte do povo palestino que tem uma identidade própria e ao mesmo tempo não há barreira entre ela e as terras de o estado de ocupação israelense. Então eu acho que o que estamos esperando nos próximos anos é um grande recuo da ocupação israelense dentro de Jerusalém, e que haverá uma retirada israelense de Jerusalém, como e quando não sabemos, mas sabemos que isso é verdade , então acho que esse evento esteja longe.

 

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments