Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Regime de Assad lançou cerca de 82 mil bombas de barril em nove anos

Cidadão sírio em meio às ruínas de Idlib, norte da Síria, após bombardeios executados por aviões de guerra do regime de Bashar al-Assad, em 15 de dezembro de 2019 [İzzeddin İdilbi/Agência Anadolu]

O regime sírio de Bashar al-Assad utilizou quase 82 mil bombas de barris em nove anos de ataques contra assentamentos civis sob controle da oposição, em diversas partes da Síria, reportou na sexta-feira (16) a Rede Síria para Direitos Humanos.

As informações são da agência Anadolu.

Segundo um recente relatório sobre ataques contra civis, o regime lançou 81.916 bombas de barril entre julho de 2012 e abril de 2021, resultando em 11.087 mortos, incluindo 1.821 crianças e 1.780 mulheres, neste período.

Forças do governo sírio utilizaram 2.314 bombas de barril em 2012; 14.976 em 2013; 19.654 em 2014; 17.318 em 2015; 12.958 em 2016; 6.243 em 2017; 3.601 em 2018; 378 em 2019; e 474 no último ano.

Até então, não há registros do uso de tais armamentos no território sírio em 2021.

Desde 2012, o regime utilizou bombas de barril carregadas com gás tóxico em 93 ataques.

As províncias mais atingidas são Damasco, Aleppo, Daara e Idlib. O maior número de baixas foi registrado em Aleppo.

LEIA: Turquia reitera apelo para responsabilizar autores de ataques químicos na Síria

As bombas também atingiram ao menos 728 instalações civis, incluindo 104 clínicas e hospitais, 205 mesquitas, 188 escolas e 57 mercados populares.

O regime utiliza bombas de barril como ferramenta para forçar o deslocamento de civis e esvaziar as áreas da oposição, à medida que as agressões de Assad e seus aliados resultaram em milhões de refugiados, destacou o relatório.

Ataques com bombas de barril são priorizados pelo menor custo, em torno de US$50 para cada artefato, em comparação com seu grande poder destrutivo. Os principais alvos são áreas civis, com intuito deliberado de causar alta mortalidade e vasta destruição.

O uso de armas químicas pelo regime de Assad também foi confirmado por investigações da ONU, além de análises da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

Forças do governo sírio utilizaram gás cloro contra alvos civis, em violação flagrante da Convenção de Armas Químicas, da qual o país é signatário, além da Resolução 2118 do Conselho de Segurança da ONU e da lei internacional.

A Síria é assolada pela guerra civil desde o início de 2011, quando o regime de Assad reprimiu violentamente protestos pró-democracia. Centenas de milhares foram mortos e mais de dez milhões de pessoas foram deslocadas pelo conflito, segundo estimativas da ONU.

LEIA: Putin e o primeiro-ministro do Líbano discutem refugiados da Síria

Categorias
NotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments