Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupo da Caxemira diz que Modi não é bem-vindo no Reino Unido

Primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, na Argentina, em 30 de novembro de 2018 [Murat Kaynak / Agência Anadolu]
Primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, na Argentina, em 30 de novembro de 2018 [Murat Kaynak / Agência Anadolu]

Um proeminente grupo de direitos humanos da Caxemira disse na segunda-feira que o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, não é bem-vindo no Reino Unido e pediu ao primeiro-ministro do Reino Unido que não o convidasse para a cúpula do G7, informou a Agência Anadolu.

Tehreek-E-Kashmir, junto com vários outros grupos minoritários indianos, também planejou um protesto contra Modi, que deve comparecer à cúpula do G7 que será realizada na Cornualha no final deste ano. A manifestação visa aumentar a conscientização sobre os graves abusos dos direitos humanos que Modi cometeu contra os muçulmanos na Caxemira e outros grupos minoritários em toda a Índia.

“Modi não é bem-vindo no Reino Unido e o primeiro-ministro, Boris Johnson, deve impedi-lo de participar da cúpula do G7 em 2021. Modi cometeu crimes contra a humanidade em Jammu e Caxemira ocupados pela Índia.

“O convite de Boris para Modi participar da Cúpula do G7 é um insulto a todas as convenções de direitos humanos”, disse Fahim Kayani, presidente do Tehreek-E-Kashmir UK, em um comunicado à imprensa.

Kayani também expressou sua “decepção” em relação a Johnson e ao governo do Reino Unido como um todo por “negociar os direitos humanos contra interesses comerciais” e pediu ao Reino Unido que honre seus compromissos em defender os direitos humanos e o Estado de Direito.

“É inaceitável que o G7, e o Reino Unido em particular, convidem nações que têm um histórico péssimo de direitos humanos e não sejam responsabilizadas”, disse Kayani.

LEIA: Índia abre caminho para deportar rohingyas da Caxemira

O comunicado de imprensa foi assinado por uma coalizão de grupos minoritários indianos que também foram visados ​​por Modi e pelo Partido Bharatiya Janata (BJP), seu partido governante nacionalista hindu. A coalizão, chamada de Frente Unida contra Modi, inclui figuras proeminentes como Ranjit Singh Srai, do Parlamento Sikh Mundial, Muhammad Ghalib, presidente do Tehreek-e-Kashmir Europe, e Caire Bidwell, de Let the Kashmir decide.

Modi e seu BJP de extrema direita governam a Índia desde 2014, quando subiram ao poder após uma eleição histórica. Desde então, as credenciais e instituições democráticas da Índia testemunharam uma erosão sob seu governo e as leis e os princípios de direitos humanos estão sob constante ataque.

O governo do BJP atraiu críticas e condenações globais por revogar o status especial de Jammu e Caxemira. Modi também introduziu uma lei polêmica intitulada Lei de Emenda da Cidadania, que retira a cidadania dos muçulmanos indianos, ao mesmo tempo que a concede a minorias religiosas não muçulmanas.

Além de retirar a cidadania dos muçulmanos, o ato também os considera imigrantes ilegais e, portanto, sujeitos à deportação. A lei gerou condenação em todo o país com movimentos de protesto surgindo nas principais cidades do país, argumentando que vai contra os princípios fundadores da Índia de secularismo e igualdade e justiça para todos os indianos, independentemente de etnia, classe ou religião.

LEIA: Índia constrói assentamentos militares na Caxemira

Categorias
Ásia & AméricasCaxemiraEuropa & RússiaÍndiaNotíciaReino Unido
Show Comments
Show Comments