Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quem poderia esquecer o orgulho de Bin Salman ao lançar sua guerra contra o Iêmen?

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, participa de uma reunião durante a Cúpula do G20 em Osaka em 28 de junho, 2019 [Brendan Smialowski/ AFP via Getty Images]
O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, participa de uma reunião durante a Cúpula do G20 em Osaka em 28 de junho, 2019 [Brendan Smialowski/ AFP via Getty Images]

Não posso esquecer a visão do príncipe saudita Mohammed Bin Salman em pé na sala de comando do Ministério da Defesa na Arábia Saudita, em 25 de março de 2015, e, orgulhoso como um pavão, anunciando a criação de uma coalizão árabe liderada pelo Reino para restaurar a legitimidade no Iêmen e derrubar o golpe houthi. O nome dado à operação militar de coalizão no Iêmen foi Operação Tempestade Decisiva. Alguns dos países nomeados dentro da coalizão nada sabiam sobre isso até o anúncio de Bin Salman. Os mais sortudos souberam disso algumas horas antes.

Também não posso esquecer a aparição diária do Major General Ahmad Asiri, o porta-voz da coalizão. Ele simplesmente se regozijou com os mísseis sauditas atingindo dentro do território iemenita.

É irônico que a Arábia Saudita e seu aliado, os Emirados Árabes Unidos, tenham liderado as contra-revoluções nos países árabes, mas apoiem o governo legítimo do Iêmen e seu presidente eleito, Abdrabbuh Mansur Hadi, enquanto lideram a guerra contra os golpistas para devolvê-lo ao Iêmen. Nenhum dos dois apoiou o governo legítimo e eleito do presidente Mohamed Morsi no Egito, optando por apoiar o golpe.

LEIA: Itália bloqueia venda de armas para Arábia Saudita e Emirados Árabes

A verdade, como todos sabem, é que a Arábia Saudita decidiu unilateralmente lançar uma guerra ao Iêmen, e as operações militares foram realizadas exclusivamente pelas tropas sauditas. Em seguida, os Emirados se juntaram a eles, embora nos bastidores, até chegar a hora de seu papel planejado no movimento de secessão do sul.

A ambição de Bin Salman foi longe demais. Ele acredita que a Arábia Saudita tem o direito de liderar o mundo árabe, com seu enorme poder econômico e um enorme arsenal de armazenamento. É hora, ele pensa, de usar essas armas além das fronteiras do Reino para realizar seu sonho, que é bastante delirante. O governante de fato da Arábia Saudita escolheu iniciar as operações militares na noite da Cúpula Árabe em Sharm El-Sheikh, para que o mundo inteiro testemunhasse seu poder e influência e capacidade de mobilizar os países árabes sob sua liderança. Ele queria se retratar como o herói poderoso à frente dos exércitos árabes.

Seis anos de guerra feroz depois, e a legitimidade ainda não foi restaurada. Nada foi ganho, exceto ruína e destruição no Iêmen nas mãos de pessoas próximas ao povo em terras e linhagens. Centenas de milhares de iemenitas foram mortos em escolas, mesquitas e mercados; os mísseis lançados da terra das Duas Mesquitas Sagradas não distinguem entre civis e soldados. O objetivo é eliminar o povo iemenita, se não por mísseis, pelo menos por doenças. Até a cólera foi registrada entre crianças, matando milhares, de acordo com um relatório da Organização Mundial de Saúde. A fome também se espalhou pelo país como resultado do bloqueio injusto imposto pela Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, berço do sionismo árabe. A ONU informou que o Iêmen está testemunhando a pior crise humanitária do mundo; cerca de 80 por cento dos iemenitas dependem de ajuda, e a falta de segurança alimentar levou à fome inteiramente causada pelo homem.

Guerra sangrenta do Iêmen de MBS e MBZ - charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Guerra sangrenta do Iêmen de MBS e MBZ – charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O príncipe saudita destruiu o Iêmen, transformando seus prédios e vales em ruínas e escombros. Ele destruiu a herança e a civilização do Iêmen e a levou de volta à Idade da Pedra por rancor e ódio.

O estado de conspiração malicioso, os Emirados Árabes Unidos, tem uma agenda diferente, mas está totalmente alinhada com o plano regional de desmantelar o estado do Iêmen. Quando os dois aliados entraram em confronto, Bin Salman se sentiu traído pela traição dos Emirados enquanto realizava seus próprios projetos.

Os Emirados Árabes Unidos têm ambições políticas e geopolíticas, especialmente no Iêmen, daí seus esforços para dividir o país em dois. Ele apóia o Conselho de Transição do Sul, que controla o sul do Iêmen, então a ilha de Socotra e o porto de Aden ficaram sob seu controle. Na semana passada, a cidade de Al-Mocha, na costa oeste, foi separada da governadoria de Taiz pelo agente dos Emirados Brigadeiro General Tareq Saleh. Os Emirados agora controlam a costa e seus agentes montam guarda sobre Bab al-Mandab, uma das rotas marítimas mais importantes do mundo, dando-lhe uma plataforma de lançamento para o Chifre da África.

LEIA: De Sisi a Houthi, a arte de flertar com golpes

Ao fazer isso, os Emirados continuaram a causar estragos e estabeleceram prisões subterrâneas secretas, nas quais tortura iemenitas. Os esquadrões da morte matam os xeques e os anciãos dos clãs e figuras pertencentes ao Partido Islah, que é filiado à Irmandade Muçulmana, arquiinimigo que os Emirados pretendem eliminar em todos os países árabes.

O arrogante príncipe herdeiro saudita afirmou em mais de uma ocasião que a invasão de Sanaa e sua libertação dos houthis levaria apenas alguns dias. Sua ambição o cegou para a realidade, e isso custou caro ao Reino.

A milícia Houthi mudou a maré e levou a batalha contra os sauditas; seus mísseis e drones podem atingir a cidade natal de Bin Salman, Riad, eles não estão mais confinados a Najran, Jizan, Asir e outras cidades da fronteira sul. A Arábia Saudita está enfrentando uma ameaça no coração do país, bem como em suas instalações vitais de petróleo e aeroportos. Os alvos incluem instalações militares e petrolíferas vitais dentro do Reino, a espinha dorsal da indústria saudita e das receitas nacionais. Riad, Jeddah, Abha, Jizan, Dammam e Ras Tanura estão entre as cidades sauditas que agora são alvos fáceis para os houthis.

De acordo com estimativas da Reuters, o Reino gasta cerca de US$ 175 milhões por mês em bombardeios no Iêmen e US $ 500 milhões adicionais em ataques por terra. Riade foi forçada a vender US $ 1,2 bilhão de suas participações em ações europeias e houve um efeito sem precedentes sobre as reservas estrangeiras sauditas.

Em suma, uma milícia rebelde foi capaz de infligir pesadas perdas à Arábia Saudita, militares, econômicas e humanas. Provavelmente nunca saberemos a extensão dessas perdas, mas podemos adivinhar que são muito mais do que o anunciado. Longe do Iêmen, a reputação internacional da Arábia Saudita também sofreu com o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, que Bin Salman não conseguiu limpar com dinheiro sangrento.

Mortes no conflito do Iêmen - harge [Sarwar Ahmed / Monitor do Oriente Médio]

Mortes no conflito do Iêmen – harge [Sarwar Ahmed / Monitor do Oriente Médio]

Diante da pressão internacional, da derrota eleitoral de Trump – ele fez vista grossa aos excessos de Bin Salman no Iêmen – e a determinação do presidente dos Estados Unidos Joe Biden de encerrar a guerra no Iêmen, o príncipe saudita surgiu com a iniciativa de encerrar a guerra. Ele a chamou de “Iniciativa Saudita para a Paz no Iêmen” e mais ou menos implorou aos houthis que a aceitassem.

Não creio que seja a solução para acabar com a crise no Iêmen, mas é indiscutivelmente um passo nesse sentido. Em qualquer caso, os houthis a rejeitaram imediatamente, apesar de conter algumas concessões importantes da Arábia Saudita. Os houthis, porém, acreditam que a iniciativa não prometeu levantar o bloqueio imposto pelos sauditas ao Aeroporto Internacional de Sanaa e ao porto de Hodeidah, por onde passam 80% das importações do Iêmen, incluindo combustível e alimentos.

A iniciativa de Bin Salman foi claramente o momento errado para fazer uma tentativa miserável de reduzir suas perdas e foi uma admissão explícita de derrota. Seu erro foi enfocar apenas o lado humanitário da crise e separá-lo dos aspectos políticos e soberanos que exigirão negociações que podem se estender por muitos anos.

Menos de 24 horas depois que a iniciativa foi proposta, os ataques com mísseis recomeçaram de ambos os lados. Biden retirou os Houthis da lista de organizações terroristas da América, e agora eles estão falando e agindo em uma posição de força, não de fraqueza; como os vencedores que ditam as condições antes de ir à mesa por uma solução política. Eles certamente não são a parte derrotada, então por que deveriam parar de atirar e se render? É mais provável que eles continuem seu ataque a Marib, que determinará a solução política, e não o contrário.

LEIA: Coalizão saudita destrói barcos e drones do grupo houthi, alega imprensa estatal

Bin Salman achava que controlava as decisões sobre guerra e paz, mas não percebeu que o Iêmen de hoje é diferente do Iêmen de seis anos atrás, quando lançou sua guerra. E que os Houthis hoje fazem parte de uma aliança regional, na qual o Irã está presente, com tudo o que isso acarreta. Os EUA estão usando a crise do Iêmen como um cartão para melhorar sua posição de negociação regional.

É por isso que é difícil sair da crise iemenita com uma iniciativa política, unilateralmente, enquanto o outro lado a rejeita. Deve haver entendimentos regionais entre a Arábia Saudita e o Irã, e aprovação internacional, para parar a guerra no Iêmen. Não acredito que isso vá parar até que a batalha em Marib seja decidida, mas só Deus sabe.

Parafraseando o maravilhoso poeta Nizar Qabbani, Bin Salman se afogou no pântano do Iêmen que ele mesmo criou. É como se ele estivesse dizendo: “Estou me afogando, me afogando, me afogando. Se eu soubesse meu fim, não teria começado.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoEmirados Árabes UnidosIêmenOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments