Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Em crise do Canal de Suez, navios de carga mudam de curso conforme a crise se prolonga, sem solução à vista

As Obras de Flutuação de Embarcação de Aterramento no Canal de Suez, em 25 de março de 2021. [Suez Canal Media Center]
As Obras de Flutuação de Embarcação de Aterramento no Canal de Suez, em 25 de março de 2021. [Central de Mídia do Canal de Suez]

A empresa de análise de dados Kepler Analytics anunciou na sexta-feira que sete navios transportando gás natural liquefeito (GNL) desviaram seu curso do Canal de Suez devido ao bloqueio causado por um navio de contêineres gigante desde terça-feira. A crise entrou em seu quarto dia sem nenhuma solução aparente à vista.

A analista do Kepler, Rebecca Shea, confirmou que três dos navios-tanque foram desviados para a rota mais longa ao redor do Cabo da Boa Esperança, acrescentando que a maioria dos navios desviados agora estão indo para outros locais depois que seu destino principal foi o Canal de Suez.

Ela observou que quatro navios-tanque transportavam cargas dos EUA e do Catar, enquanto os outros não transportavam carga.

Shea também afirmou que seis transportadores de GNL aguardam para entrar em ambos os lados do canal, mas outro navio chamado Golar Tundra está preso no canal desde terça-feira. Acrescentou: “As linhas de trânsito de um total de 16 transportadores de GNL designados para cruzar o Suez serão afetadas se o bloqueio continuar até o final desta semana. Haverá um atraso significativo na programação de carregamento em Ras Laffan no início de abril”.

Isso ocorre em um momento em que a empresa de fretamento do navio porta-contêineres encalhado no Canal de Suez egípcio revelou na quinta-feira que duas equipes de resgate profissionais da Holanda e do Japão trabalharão com as autoridades locais para desenvolver um plano mais eficaz para flutuar o navio encalhado.

A empresa taiwanesa Evergreen também mencionou que o armador do navio nomeou duas empresas, SMIT Salvage da Holanda e Nippon Salvage Co. do Japão, e que as equipes de resgate contratadas trabalharão ao lado do capitão do navio e da Autoridade do Canal de Suez (SCA, na sigla em inglês).

O navio agora impede a navegação bidirecional em uma das rotas marítimas mais movimentadas do mundo para mercadorias, petróleo, cereais e outros produtos, ligando a Ásia e a Europa.

LEIA: Tráfego suspenso em Suez por navio encalhado; pode levar semanas

O Canal de Suez é uma via navegável artificial de 193 quilômetros de extensão que conecta o Mar Vermelho ao Mediterrâneo, ligando o comércio entre a Ásia e a África Oriental, por um lado, e a Europa, as Américas e a África Ocidental, por outro.

Quanto às rotas alternativas para o Canal de Suez, existem apenas duas rotas marítimas alternativas, nomeadamente a rota do Cabo da Boa Esperança e a rota do Ártico.

Uma terceira rota cruza o Oceano Pacífico, mas é muito mais longa e apenas prática para o comércio entre as Américas Ocidentais e o Leste Asiático. Portanto, não compete com o Canal de Suez.

Poderia haver rotas combinadas de transporte terrestre e marítimo, como o transporte de mercadorias transportadas por mar para os portos e o transporte por terra para outros portos para serem enviadas de volta por mar. No entanto, essa é uma opção cara.

O dilema é que a rota mais próxima que combina transporte terrestre e marítimo também passa pelo Egito, como o Canal de Suez, onde as mercadorias podem ser descarregadas nos portos de Damietta ou Port Said e transportadas por via terrestre até Suez e vice-versa, para serem novamente embarcadas por mar para vários destinos.

Enquanto isso, a SCA divulgou na quinta-feira que suspendeu temporariamente o movimento de navegação no Canal de Suez, em meio a esforços contínuos nos últimos três dias para flutuar um navio de contêineres de 400 metros de comprimento que encalhou, interrompendo o tráfego no canal. Oito rebocadores estão trabalhando para ajustar a posição da embarcação.

LEIA: Turquia oferece ajuda para desencalhar navio no Canal de Suez

A SCA indicou em comunicado que o navio Ever Given encalhou na manhã de 23 de março: “Principalmente devido à falta de visibilidade resultante das más condições meteorológicas causadas por uma tempestade de areia, que causou a perda da capacidade de manobra do navio e, posteriormente, um bloqueio”.

O comunicado explica: “As operações de resgate em andamento estão sendo realizadas pelo Departamento de Movimento da autoridade e usando oito rebocadores, incluindo a locomotiva Barakah com força de tração de 160 toneladas. O navio está sendo empurrado de ambos os lados e a carga de água de lastro está sendo reduzida para fazer o navio flutuar e permitir a navegação no canal”.

O comunicado acrescentou que 13 navios de Port Said, como parte do comboio do norte, cruzaram o canal na quarta-feira como programado. Porém, à medida que o trabalho de flutuação da embarcação continua, é necessário prosseguir com o cenário alternativo aguardando na área do Grande Lago Amargo até a retomada completa do tráfego de navegação.

Peter Berdowski, diretor-gerente da empresa holandesa Boskalis, que tenta fazer o navio flutuar, previu que era muito cedo para dizer quanto tempo a missão poderia durar. Berdowski disse a um programa de televisão holandês: “Não podemos excluir o fato de que a operação pode levar semanas, dependendo da situação”, ao observar que a proa e a popa do navio foram levantadas em ambos os lados do canal.

Ele acrescentou: “É um peso significativo deitado na areia. Podemos ter que combinar (em nossa missão) redução de peso movendo contêineres, óleo e água do navio, além de usar rebocadores e pá de areia”.

Dezenas de navios estão se reunindo em ambas as extremidades do canal, incluindo outros grandes contêineres, petroleiros e transportadores de óleo e cereais, causando um dos piores incidentes de congestionamento de carga em anos.

Bernhard Schulte Shipmanagement (BSM), responsável pela gestão técnica do Ever Given, disse que os buldôzeres estão trabalhando para remover areia e lama ao redor do navio para fazê-lo flutuar, enquanto os rebocadores manuseiam os guindastes no navio para ajudar a movê-lo.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments